10 poesias sobre diversidade

0
186

Olá, pessoal, hoje o Demonstre resolveu trazer algumas poesias sobre diversidade. Nosso objetivo é levar mensagens de respeito às diferenças, e conscientizar o leitor de que, acima de tudo, somos todos seres humanos. São poemas que tratam de cores, etnias, tribos, e o respeito que todas merecem.

 

Tendo em mente que a diversidade não se resume a algo específico, foram selecionadas poesias que abrangem temas como a sexualidade, etnias, cor de pele, cultura etc. São poemas que retratam a beleza do diferente, a importância de plurais coexistindo em harmonia, e, além disso, propagam o respeito mútuo.

 

1. Poesia sobre diversidade, de Bráulio Bessa

Conhecido por ser um parceiro assíduo do programa de TV Encontro com Fátima Bernardes, Bráulio Bessa escreve cordéis sobre vários temas. Seu cordel sobre diversidade foi escolhido para ser a primeira poesia da nossa lista.

 

Seja menos preconceito, seja mais amor no peito

Seja Amor, seja muito mais amor.

E se mesmo assim for difícil ser

Não precisa ser perfeito

Se não der pra ser amor que seja pelo menos respeito.

Há quem nasceu pra julgar

É há quem nasceu pra amar

E é tão difícil entender em qual lado a gente está

Que o lado certo é amar!

Amar pra respeitar

Amar para tolerar

Amar para compreender,

Que ninguém tem o dever de ser igual a você!

O amor meu povo,

O amor é a própria cura, remédio pra qualquer mal.

Cura o amado e quem ama

O diferente e o igual

Talvez seja essa a verdade

Que é pela a anormalidade que todo amor é normal.

Não é estranho ser negro, o estranho é ser racista.

Não é estranho ser pobre, o estranho é ser eletista.

O índio não é estranho, estranho é o desmatamento.

Estranho é ser rico em grana, e pobre em sentimento.

Não é estranho ser gay, estranho é ser homofóbico.

Nem meu sotaque é estranho, estranho é ser xenofobico.

Meu corpo não é estranho, estranho é a escravidão que aprisiona seus olhos na grade de um padrão.

Minha fé não é estranha, estranho é a acusação, que acusa inclusive quem não tem religião.

O mundo sim é estranho, com tanta diversidade

Ainda não aprendeu a viver em igualdade.

Entender que nós estamos

Pecorrendo a mesma estrada.

Pretos, brancos, coloridos

Em uma só caminhada

Não carece divisão por raça, religião

Nem por sotaque

Oxente!

Sejam homem ou mulher

Você só é o que é

Por também ser diferente.

Por isso minha poesia, que sai aqui do meu peito

Diz aqui que a diferença nunca foi nenhum defeito.

Eu reforço esse clamor:

Se não der pra ser amor, que seja ao menos respeito!

 

2. Poesias sobre diversidade, de Sonia Nogueira

As próximas poesias declamam a pluralidade brasileira. São dois sonetos um pouco diferentes dos demais, escritos por Sonia Nogueira. Poetisa brasileira, natural de Jaguaruana, Ceará, Sonia já venceu vários concursos literários, e colabora com alguns jornais.

Pluralidade da Cultura Brasileira I

Brasil de colorido intenso, vibrante,

Dos povos variados fiéis às raças.

Branco, preto, mulato, pardo, amante,

Trouxe em cada cultura saber e graça.

Unidos num só dialeto, o português.

Em cada conhecimento uma criação,

Em cada aprendizado nato à altivez,

Elevando o país, espalhando emoção.

Transmite de geração a geração,

Um tributo nato das habilidades.

Saberes nas artes, crenças, religião,

Leva na bagagem sonhos, liberdades.

A pluralidade da cultura brasileira,

Vemos na garra da gente guerreira.

 

Pluralidade da Cultura Brasileira II

Vemos na garra da gente guerreira,

No artesanato, com mãos de fada,

Festas carnavalescas sem fronteiras,

Encantando o turista em revoada.

No canto em sinfonias variadas,

A culinária em sabores distintos,

No barro as esculturas projetadas,

A fé, a cura, nos templos Divinos.

Cultura, expressão maior da nação

Portal de entrada que se alastra.

Levamos estampados na construção,

Nos costumes, imbuído na pilastra.

Como um troféu do país progresso.

Que seja a cultura lema do sucesso.

 

3. Poesia sobre diversidade, de Ruth Rocha

Escritora infantil consagrada, Ruth Rocha também versejou sobre as diferenças. Em seu poema Pessoas São Diferentes, ela mostra ,de forma lúdica, como crianças são diferentes umas das outras, como cada uma em sua individualidade tem seu valor. O poema está acompanhado de um vídeo d’As Trovadoras.

 

Pessoas São Diferentes

São duas crianças lindas
Mas são muito diferentes!
Uma é toda desdentada,
A outra é cheia de dentes…

Uma anda descabelada,
A outra é cheia de pentes!

Uma delas usa óculos,
E a outra só usa lentes.

Uma gosta de gelados,
A outra gosta de quentes.

Uma tem cabelos longos,
A outra corta eles rentes.

Não queira que sejam iguais,
Aliás, nem mesmo tentes!
São duas crianças lindas,
Mas são muito diferentes!

4. Poema sobre diversidade, de Tatiana Belinky

Também escritora infanto-juvenil, Tatiana Belinky deixou seus versos sobre diversidade. Em seu poema, ela aponta as diferenças entre pessoas: personalidade, características físicas, cor de pele etc. Ainda conclui o poema afirmando quão bom é sermos diferentes.

 

Diversidade

Um é feioso,
Outro é bonito
Um é certinho
Outro, esquisito

Um é magrelo
Outro é gordinho
Um é castanho
Outro é ruivinho

Um é tranquilo
Outro é nervoso
Um é birrento
Outro dengoso

Um é ligeiro
outro é mais lento
Um é branquelo
Outro sardento

Um é preguiçoso
Outro, animado
Um é falante
Outro é calado

Um é molenga
Outro forçudo
Um é gaiato
Outro é sisudo

Um é moroso
Outro esperto
Um é fechado
Outro é aberto

Um carrancudo
Outro, tristonho
Um divertido
Outro, enfadonho

Um é enfezado
Outro é pacato
Um é briguento
Outro é cordato

De pele clara
De pele escura
Um, fala branda
O outro, dura

Olho redondo
Olho puxado
Nariz pontudo
Ou arrebitado

Cabelo crespo
Cabelo liso
Dente de leite
Dente de siso

Um é menino
Outro é menina
(Pode ser grande
ou pequenina)

Um é bem jovem
Outro, de idade
Nada é defeito
Nem qualidade

Tudo é humano,
Bem diferente
Assim, assado
Todos são gente

Cada um na sua
E não faz mal
Di-ver-si-da-de
É que é legal

Vamos, venhamos
Isto é um fato:
Tudo igualzinho
Ai, como é chato!

5. Poesia sobre diversidade, de Juarês Alencar Pereira

Na poesia Pluralidade Cultural, Juarês Alencar Pereira – autor de literatura de cordel – abrange a diversidade regional brasileira. Ele explicita a cultura própria de cada região mencionada, mostrando como isso enriquece o Brasil como um todo.

 

Pluralidade Cultural

O nosso país é exemplo

Da grande diversidade

Por sua rica cultura

Sinal de brasilidade

Com todas as diferenças

Mostra a sua pluralidade.

Terra dos muitos sotaques

Cores e manifestações

E com as várias etnias

Preservando as tradições

As diferenças existem

Entre as várias regiões.

Nordestino fala oxente

Que é próprio da região

O mineiro fala uai…

Com muita satisfação

O gaúcho já fala thê

E numa forte expressão.

Com todas as etnias

Que presentes aqui estão

O negro, branco e índio

Formaram esta nação

Os brasileiros são frutos

Desta miscigenação.

O Brasil é um grande palco

De bela apresentação

Do frevo, samba e forró

Carnaval e folião

Ciranda e Coco de roda

Xote, xaxado e baião.

É o país do futebol

Do ritmo e religião

Do regue e bumba meu boi

Presentes no Maranhão

Do alegre axé da Bahia

Com toda a animação.

Tem a festa do divino

Que é muito popular

Tem a folia de reis

Maracatu pra dançar

Além da bela catira

E o belo boi bumbá.

A nossa cultura é rica

Pois tem forte tradição

Na música e na poesia

E também na religião

Carnaval e futebol

É verdadeira paixão.

A cultura religiosa

Demonstra a fé popular

Romarias a padre Cícero

Grande Sírio no Pará

Procissão do fogaréu

Faz Goiás iluminar.

Terra das vaquejadas

Das festas de apartação

Famosas pegas de boi

Que existem no sertão

Vaqueiros e repentistas

Fazem sua louvação.

As festas de boiadeiros

De cowboy e de peão

Grande festa de rodeio

Que causa admiração

Com locutores famosos

Que falam com emoção.

Famosas festas juninas

É uma grande tradição

No nordeste brasileiro

É a maior animação

Fogueira e milho assado

Quadrilha, forró e quentão.

Lá pras banda da Amazônia

Bem no meio da floresta

Caprichoso e Garantido

Fazem a maior festa

Os turistas que lá vão

Diz não ter outra como esta.

Esse é o país da alegria

É cheio de sonoridade

Tem rimo de todo jeito

Forte musicalidade

Sendo um misto de beleza

É sua própria identidade.

Terra dos vários sabores

Com culinária aprovada

Pamonha e acarajé

Pé de moleque, feijoada

Baião de dois, tapioca

Carne de sol, galinhada.

Tem pato no tucupi

E também no tacacá

Tem churrasco com fartura

E o gostoso mungunzá

O chimarrão lá no sul

E na Bahia o vatapá.

Nossa cultura é marcada

Pelos afro-descendentes

Um povo de muita garra

E de coração valente

Que migraram lá da África

Para o nosso continente.

Os nativos do Brasil

Ameríndios brasileiros

Foram quase exterminados

Pelos brancos estrangeiros

Relutaram e sobrevivem

Povo forte e verdadeiro.

Amamos esse Brasil

ETA país arretado

Expresso em alta voz

Falo pra todo lado

Não importa a região

Nem tão pouco o Estado.

Pode ser aqui no Norte

Ou também lá no Nordeste

Até no longínquo Sul

Ou lá no rico Sudeste

Em todo lugar é bom

Inclusive o Centro-oeste.

Em todo lugar é bom

Dá gosto aqui viver

Esse país é tão grande

Tem riquezas pra valer

E pra ele ser melhor

Falta à corrupção varrer.

Esse é um breve relato

Da nossa pluralidade

O Brasil é um país

Que tem sua identidade

Mostra em todos os ritmos

A sua originalidade.

 

6. Poesias sobre diversidade, de Virgínia Guitzel

E não poderia faltar nesta lista poesias sobre a diversidade sexual. Por isso, foram selecionados dois poemas de Virgínia Guitzel. Travesti e militante, Virgínia aborda os tabus acerca da sexualidade.

Colorir

Faltará tinta

No dia que o céu for livre

Pra todos serem o que são

Cobertos pelo sol, sem nenhum tipo de opressão

Faltará nomes

Pra descrever o mundo sem as misérias

O que sentimos, o que nos tornamos

O novo ser sem medo de viver

Faltará a falta que nos entristece

Que hoje enche o peito de vazio e fumaça

Não faltará amor, não faltará sonhos

O novo mundo se abrirá para o futuro

Onde o presente dominará o passado

E nossos corações enfim serão salvos

 

Transfobia

Risadas sem graça
Incômodo próprio
Imagina ou entende?

Riem dele
Porque riram de mim
Disseram algo,
Mais ou menos assim
Onde já se viu
Rapaz tão bonito
Com aquele traveco ali?

Se ouviu
Não sei, também não importa
A coragem que lhe faltou
Eu não tive escolha
Sempre por conta
Sei
Ha que resistir

 

7. Poesias sobre diversidade, de Marta Ramos

A poesia a seguir, Diversidade Cultural, de Marta Ramos, retrata o quanto somos iguais, ainda que diferentes. Mostra a importância de estarmos unidos como, acima de tudo, seres humanos.

 

Diversidade Cultural

Todos iguais,

Todos diferentes.

Diferenças são o que nos separam,

Pequenas diferenças que dividiram

o mundo,

Opondo humanos contra humanos

Que frente a frente lutaram

E tudo mudaram.

A mudança foi grande,

Os antigos tempos de discriminação

Vencidos foram

Nascendo uma nova Era,

Uma Era de esperança e igualdade.

Em que humanos em necessidade são socorridos

Por cidadãos voluntários

Estes põem em risco as suas vidas

Defendendo assim os seus valores primários.

8. Poesias sobre diversidade, de Lenine

Para finalizar, segue abaixo a letra da música Diversidade, de Lenine.

Diversidade

Foi pra diferenciar
Que deus criou a diferença
Que irá nos aproximar
Intuir o que ele pensa
Se cada ser é só um
E cada um com sua crença
Tudo é raro, nada é comum
Diversidade é a sentença

Que seria do adeus
Sem o retorno
Que seria do nu
Sem o adorno
Que seria do sim
Sem o talvez e o não
Que seria de mim
Sem a compreensão

Que a vida é repleta
E o olhar do poeta
Percebe na sua presença
O toque de deus
A vela no breu
A chama da diferença

A humanidade caminha
Atropelando os sinais
A história vai repetindo
Os erros que o homem tras
O mundo segue girando
Carente de amor e paz
Se cada cabeça é um mundo
Cada um é muito mais

Que seria do caos
Sem a paz
Que seria da dor
Sem o que lhe apraz
Que seria do não
Sem o talvez e o sim
Que seria de mim…
O que seria de nós

Que a vida é repleta
E o olhar do poeta
Percebe na sua presença
O toque de deus
A vela no breu
A chama da diferença

Obrigado por ler até aqui!

Como algumas poesias acima já mostraram, seria muito chato se fôssemos todos iguais. Temos personalidades diferentes, aparências diferentes, religiões, culturas, costumes diferentes. Contudo, temos muito em comum. Somos seres que lutam pelo mesmo objetivo: felicidade. O Demonstre espera que todos aprendamos a conviver com o que (ou quem) é, de certa forma, “estranho” aos nossos olhos, e (conforme versejou Bráulio) se não pudermos amar, que possamos respeitar.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here