0 Shares 315 Views 3 Comments

Como conseguir o respeito do seu aluno?

Bellini Bellini
jan 03, 2016
315 Views 3

Como conseguir o respeito do seu aluno?

Sejam bem-vindos a mais um texto aqui no Demonstre. Hoje quero falar abertamente sobre RESPEITO na relação aluno-professor. Isto porque está se tornando corriqueiro e pouco importante nas discussões do dia a dia o valor na figura do professor, se tornando cada vez mais permissivo as agressões sociais e organizacionais a estes indivíduos.

Respeito na sala de aula

Se formos aos noticiários da televisão, nas revistas ou abrirmos a timeline do facebook, imediatamente presenciamos variadas situações lamentáveis, que vão desde a quebra de direitos já garantidos por lei (retirada da hora atividade e quinto), falta de recursos básicos para o trabalho e até mesmo situações onde professores são espancados por seus próprios alunos.

Destes, o que mais me preocupa é a crescente agressividade que alunos e comunidade tem com docentes. Em 7 anos de sala de aula, já vi diretor levando empurrões, grupos de alunos humilhando professores, pneus furados e absurdos semelhantes que premiaram a rede pública e privada.

Infelizmente, os motivos para essas agressões são muitos, e a maior parte deles devem ser enfrentados a partir de campanhas públicas de conscientização e são devidos a desestruturação e postura culpabilizadora que transfere a responsabilidade de educador social ao professor, quando este detém a responsabilidade antes de tudo de educar e direcionar o aluno enciclopedicamente.

Como as propostas destas campanhas de valorização docente são ofertadas constantemente e no entanto não garantem uma solução imediata aos problemas enfrentados, decidi então oferecer uma contrapartida ao professor que hoje enfrenta essa geração de pais e alunos e tem sim o dever de transformar e garantir seu espaço e respeito.

São quatro dicas que ao longo dos anos me ajudaram a lidar com meus alunos afim de conseguir não apenas o respeito e tranquilidade em sala de aula, mas também a parceria desses alunos para instituir um espaço de compartilhamento das políticas de sala de aula com outros que não entendem o papel do professor:

Antes de tudo tenha o Pulso firme

São comuns professores que não colocam em prática o que se comprometem. Um exemplo muito simples é quando as ameaças constantes por indisciplina não se concretizam. Outro é quando permite que o aluno não cumpra prazos ou tenha diversas segundas chances.

Não tenha medo de aplicar correções nem por dó do aluno nem por achar que está fazendo algo errado, alunos precisam de controle e se isso não for feito desde o começo de suas relações, com o tempo você perde o controle e os alunos começam a colocar em cheque sua autoridade e seu papel.

Seja gentil

Nenhum professor precisar ser general em sala de aula. Ele pode e deve ser querido com seus alunos, pois assim fica mais fácil criar um diálogo entre professor/aluno. Claro que na medida que as conexões acontecem, as relações se estabelecem e tanto você consegue lidar quando eles estão com algum problema na escola, buscando soluções para recuperação, quanto eles percebem que você se importa e começam a se importar também, humanizando e defendendo o professor.

Evite punições sem necessidade

Exerça a sua autoridade sempre, mas tenha bom senso com punições. A escolha de como punir o aluno deve ser bem pensada e levar à reflexão. Se você consegue fazer o seu aluno pensar no que fez, provavelmente não terá outros problemas e em seguida este passa a ser agente da reflexão em sala de aula.

Uma dica é desde sempre ter punições práticas e que colocam o estudante para trabalhar o assunto no formato de atividades extras que substituem uma ida a diretoria. Redações, cartazes, apresentações extras e afins são excelentes ideias para fazer o aluno refletir.

Não tenha favoritos

Por fim, minha última dica reflete o fato de muitos professores darem mais atenção para os que têm um melhor desempenho em sala de aula, colocando assim de escanteio aqueles que têm um rendimento menor, o que causa certa revolta em alguns alunos, gerando desentendimentos na sala de aula que acabam em desrespeito aos professores.

Procure tratar todos da mesma forma e lembre-se que seu papel em sala está em justamente quebrar esse estereótipo de aluno modelo. Todos podem e todos fazem, unidos e fortificados.

Claro que além dessas dicas, você pode ir além, um bom caminho são introduções de técnicas didáticas em sala de aula. Felizmente a educação é uma ciência que está em constante evolução e a cada dia novos instrumentos aparecem.

Um bom espaço para conseguir um contato com essas técnicas são os vídeos da função Lemman listados no tópico de gestão de sala de aula, verifique que você vai curtir:

Abraço a todos, muita luz e continuarei incansável na busca de novas discussões e reflexões sobre sala de aula. Por favor compartilhem e indiquem!

Referência: FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

You may be interested

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro
Resenhas Literárias
247 views
Resenhas Literárias
247 views

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro

Felipo Bellini - jun 21, 2017

Fala pessoal, tudo bem? Aposto que você já ouviu falar sobre... Nada mais nada menos do que, vampiros! Hoje iremos conhecer o pai de todos eles, o…

Montaigne e a Educação
Filósofos da Educação
144 views
Filósofos da Educação
144 views

Montaigne e a Educação

Felipo Bellini - jun 18, 2017

Hoje vamos falar sobre Montaigne e a Educação, relacionando as influências do ceticismo no âmbito educacional. Como sempre, a primeira parte do texto se refere a biografia do filósofo,…

Adaptação educacional: realidade ou mito? – Educação Especial
Educação Especial
236 views3
Educação Especial
236 views3

Adaptação educacional: realidade ou mito? – Educação Especial

Felipo Bellini - jun 17, 2017

Você sabe o que é Adaptação Educacional e Tecnologia Assistiva? Neste artigo vamos fundo no tema! Não deixe de ver nossos outros posts sobre Educação Especial e…

3 Comentários

Deixe uma resposta