Faça parte do nosso mundo mágico!

Por enquanto somos poucos, mas logo seremos uma legião! Inscreva-se! <3

Como ensinar gentileza com música

Como ensinar gentileza com música é o meu segundo texto dessa nova coluna de pensamentos que exponho aqui no Demonstre. Afinal, uma vez que meu aluno tem a doçura de perceber e se importar com o uso da empatia, nada mais justo que compartilhar com ele o caminho para expor essa energia boa através da gentileza.

Como ensinar sobre a gentileza?

Dicas de músicas sobre como trabalhara gentileza com os alunos em sala de aula

A correria do nosso dia a dia, principalmente nas grandes cidades, com seus engarrafamentos, a lotação dos coletivos e todo o estresse da rotina diária, faz com que muitas vezes não prestemos atenção na pessoa que está ao nosso lado. E assim, atos de gentileza como desejar um bom dia, abrir a porta para uma pessoa ou ceder o assento em um ônibus se tornaram raridade em nossos tempos.

como ensinar gentileza com música

Dessa forma, baseando-se nessa conjuntura preocupante, a apresentação e desenvolvimento do tema gentileza com os alunos se torna de real importância nos dias de hoje.

Assim, temos na canção “Rua da passagem”, de autoria de Arnaldo Antunes e Lenine, uma verdadeira cartilha sobre as atitudes que devemos atentar em sociedade, desde não avançar o sinal, não atropelar os cachorros e até mesmo não se esquecer de agradecer. Atitudes que a um primeiro momento podem ser tachadas como banais, mas que melhoram o humor de quem pratica e de quem recebe este tratamento de forma gradual.

E ao apresentar este “código de conduta” do trânsito, podemos mostrar a canção “Gentileza gera gentileza”, do Leoni, que agora trata sobre a perda da simpatia e da gentileza nos tempos atuais. Em uma sociedade no qual estamos conectados 24 horas por dia, imersos dentro dos celulares e rede sociais, se torna um importante alerta sobre o uso consciente da internet.

Ao mesmo tempo, pode-se trabalhar utilizando a questão histórica e geográfica de uma figura importante do cenário folclórico atual, que é o caso do profeta Gentileza, morador das ruas do Centro da cidade do Rio de janeiro. Neste exemplo temos duas canções que falam sobre a vida e obra do Profeta gentileza. As duas têm o mesmo nome, “Gentileza”, e abordam a rotina dessa personalidade ímpar da cidade do Rio de Janeiro. Nas duas canções, há a lembrança desta figura icônica, que escreveu diversas mensagens no cento da cidade do Rio de janeiro, procurando sempre levar uma palavra de carinho e paz em meio ao caos da cidade.

Entretanto, não devemos deixar que a gentileza seja apagada, assim como diz a canção “Eu acredito na gentileza”, do grupo Simplesmente Almas. De uma forma singela, reforça o quanto é importante ser gentil, e acreditar que as pessoas possam retribuir essa atitude.

Logo, através destas canções, desenvolvemos e reforçamos nos alunos o hábito de ser gentil e, assim como o profeta falou: Gentileza gera gentileza. Uma atitude boa que volta para nós na forma de amor, carinho e afeto. Espero que vocês tenham gostado dessa lista e que esse texto tenha feito algo bom para vocês.

Muito obrigado por tudo! Paz, amor e muita luz na vida de vocês e até o próximo texto.

Bellini Bellini
Post Author
Felipo Bellini
Professor de inglês e tradutor. Leciono na educação básica como concursado pelo governo do estado do Rio Grande do Norte atuando no: Ensino Fundamental II, Ensino Médio regular e na Educação de Jovens e Adultos - EJA; gerencio a empresa Traduza, onde me responsabilizo tanto pela tradução de livros e artigos científicos, como orientação da equipe; e sou mestrando do programa de pós graduação em linguagem da UFRN. Na infância apresentei problemas de aprendizagem, o que me permitiu ter contato com diversas experiências para evoluir meu nível escolar, e no decorrer desse processo refletir a prática e interação como objetos necessários para a aquisição de conteúdo. Todo esse contato com as metodologias de aprendizagem e acompanhamento da minha família fez com que muito cedo assumisse minha primeira sala de aula, sendo monitor e depois professor em um curso pré-vestibular da cidade. O interesse na docência era claro, e com 17 anos entrei em Letras na UFRN. Participei desde o primeiro semestre de projetos de pesquisa e extensão; sendo os mais relacionados ao ensino o PIBID, o ÁGORA, o PROCEM e o Curso de Português para Estrangeiros com Cinema. Minha intenção era diversificar e experimentar o que estivesse ao meu alcance, afim de gerar o máximo de experiências na universidade. Por indicação consegui uma estadia para o País de Gales, no Reino Unido, onde fiquei durante 6 meses dando aula de português para estrangeiros na universidade de Cardiff, e recebi uma bolsa da CELTIC para cursar o nível C1 e um curso de literatura básico. No período fiz também o curso técnico de tradução acadêmica pela Cardiff Library (4 meses) e o de Counselor - Educational Issues (2 meses), o último me dando vivência dentro das escolas públicas do país. Após minha formação, em 2013, empreendi na área da educação, montando duas empresas. A primeira uma rede social para professores e alunos chamada TUTORA.ME, onde conseguimos a adesão de mais de 6 mil membros cadastrados, sendo mais de 25% deles ativos diariamente até o fim da plataforma no final de 2015. A segunda um cursinho popular chamado Garra-RN, onde o maior foco era o aprendizado dos alunos através da colaboração e aulas desafio. Esse método nos trouxe ótimos resultados na unidade de Goianinha, com mais de 70% dos alunos aprovados nos concursos públicos de interesse no fim de 2015 e início de 2016. Hoje posso dizer que minha maior motivação são as aulas que leciono no ensino público, onde sou concursado desde 2014. Adoro sair das aulas e ouvir dos alunos que eles tiveram a melhor aula até o momento. Minha busca está na transformação do espaço social e em como conseguir engajamento e metrificar a performance dos meus alunos através de suas atitudes pró-aprendizagem. Neste processo de formação docente que continuo passando encontrei no desenvolver da leitura e escrita com o alunado a resposta para precipícios sociais que nas dinâmicas e brincadeiras costumeiras das aulas de inglês não evidenciava. Passei a inserir dentro das aulas de inglês diversas atividades para resolver os problemas escolares e da comunidade, sempre na perspectiva do aluno. Foram desde cartas de protestos até fanpages para campanhas sociais. Pesquisas comunitárias, projetos de empreendedorismo e até um projeto de escola bilíngue que nas discussões me motivaram a seguir adiante e procurar o curso de Especialização do Ensino da Escrita, onde pretendo me aprimorar e retornar o máximo que puder para os meus alunos.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *