0 Shares 96 Views 1 Comments

Como lidar com a criança que não participa da aula?

Bellini Bellini
fev 10, 2016
96 Views 1

Como lidar com a criança que não participa da aula?

Se você já é leitor do blog a algum tempo sabe que minha relação com o ensino partiu do ensino técnico e apenas nos últimos dois anos que comecei a me relacionar com crianças e adolescentes. Em especial com o demonstre que tenho me dedicado a estudar com mais afinco pedagogias para o ensino fundamental I e infantil. Dentre os desafios que me deparei nesse novo universo foi sobre como lidar com a criança que não participa da aula. Isso porque nas diferentes instituições de ensino sempre encontramos aqueles que se negam a participar das aulas elaboradas pelos professores que entendem bem como é frustrante esse tipo de situação, mas e ai, como lidar quando estamos tratando com crianças? O que tem de diferente de quando lidamos com adultos?

Como lidar com a criança que se nega a participar da aula?

Muitas matérias podem fazer com que as crianças tenham esse tipo de atitude, afinal não são todos que possuem um amor pelos conteúdos de matemática, física e química e isso faz com que muitos não tenham vontade de aprender essas matérias e dem preferência para as outras.

Mas antes de tomar qualquer atitude é preciso ter atenção para não piorar essa situação, é preciso antes de tudo fazer uma investigação para ter certeza do que realmente se passa na vida daquela criança.

Alguns fatores podem estar relacionados à falta de animo para participar das aulas como:

  • Não conseguem entender o que foi passado pelo professor
  • Não gostam da matéria que está estudando
  • Procuram chamar a atenção porque não tem a dos pais
  • Sofrem bullying na escola
  • Estão passando por outros problemas psicológicos
  • Sofrem violência dentro de casa

O que fazer quando o aluno se nega a participar da aula?

Abaixo te mostraremos quais são as atitudes que você professor precisa tomar com o seu aluno que se nega a participar das aulas.

Estimule a criança

A criança quando é estimulada nas atividades pelos professores ela se anima mais para fazer as suas atividades, as punições nessas horas só irão atrapalhar.

Por isso sempre diga para a criança que ela consegue realizar as suas tarefas e que os seus desenhos estão lindos etc.

Invista em materiais

As crianças sempre se animam para estudar quando abrem os livros e não veem somente palavras, então procure livros de tenha mais gravuras e desenhos, com o tempo ela irá se interessar pelo texto mais sempre eles iniciam nas gravuras.

Evite gritos

Se engana quem pensa que para chamar a atenção do aluno é preciso alterar a voz, essas atitudes podem trazer resultados negativos. Os gritos não educam, não ensinam e muito menos irão motivar o seu aluno a participar das aulas.

Quando gritamos com um aluno despertamos nele o medo, a vergonha, diminuímos a sua autoestima e motivação, se quiser gritar, grite de alegria e com muita gargalhada.

Se aproxime

O professor não conseguirá ajudar essa criança se não se aproximar dela como um amigo, assim a confiança vai surgindo e essa criança vai se soltando aos poucos. Quando o professor conhece o seu aluno ele não precisa agir como um ‘’amigão’’ mas como alguém que estará sempre ali para ajuda-lo promovendo o interesse pela aprendizagem e ouvi-lo.

Conversar com a direção

A falta de participação desse aluno se não for bem trabalhada pode trazer problemas futuros, se essa criança prosseguir por muito tempo sem querer participar das aulas é importante procurar a direção da escola para tomar outras atitudes como encaminhar o mesmo para especialistas responsáveis para cuidar dessa criança, trazendo motivação para a mesma.

Chame os pais

Muitas vezes deixar esses problemas apenas na escola não é aconselhável, afinal não sabemos o que tem passado com essa criança quando ela não está no ambiente escolar, e ninguém melhor para saber são os pais.

Eles precisam estar a par de tudo para ajudar a direção nessa tarefa de ajudar seus filhos a participarem das aulas.

Ref: SNYDERS, George. Alunos felizes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

You may be interested

TGD – Transtornos Globais do Desenvolvimento
Educação Especial
7 shares208 views1
Educação Especial
7 shares208 views1

TGD – Transtornos Globais do Desenvolvimento

Felipo Bellini - maio 24, 2017

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre os Transtornos Globais do Desenvolvimento - TGD. Essa é a continuação dos textos que estou fazendo sobre educação especial. Sugiro fortemente…

Pós Graduação Prominas Online: conhecendo o blog e seus conteúdos
Blogs para professores
153 views
Blogs para professores
153 views

Pós Graduação Prominas Online: conhecendo o blog e seus conteúdos

Felipo Bellini - maio 14, 2017

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Espero que sim. Como vocês bem sabem, estamos sendo patrocinados pelo Instituto Prominas Online. Por isso, decidi desenvolver esse texto para…

Políticas públicas de inclusão
Educação Especial
135 views1
Educação Especial
135 views1

Políticas públicas de inclusão

Felipo Bellini - maio 11, 2017

Olá pessoal, hoje vamos falar sobre as políticas públicas de inclusão. Essa é a continuação dos textos que estou fazendo sobre educação especial. Sugiro que leia os…

Comentário

  1. Ótimo. Sou professor e como alguém engajado na área da educação, acho fundamental que esta questão pedagógica seja colocada em pauta. Gostei bastante dos métodos pedagógicos supradescritos. Como sabemos, o professor é a autoridade da classe. Cabe a ele, como profissional da educação e formação dos alunos na escola, saber, de forma ética, conduzir a aula, impulsionando e motivando seus alunos. A aproximação entre aluno e professor ajuda bastante, pois o aluno sentirá que a liderança do grupo está querendo ouvi-lo e ajudá-lo.
    Caso o professor não consiga, então a desmotivação do aluno pode estar agregada a um fator externo à escola. Deve-se, então, investigar o que está ocorrendo com os responsáveis pela criança.

    Reply

Deixe uma resposta