Dragões Coreanos – Mitos e Educação

Olá, tudo bem? Antes de falar dos Dragões Coreanos, sua origem, curiosidades e afins, vamos contextualizar um pouco a nossa proposta. Este o primeiro texto da coluna de mitos e educação, que estamos começando aqui no BLOG. Nossa intenção é a diversidade cultural na educação, explorando outras regiões e mitologias que vão além do clássico grego e do folclore brasileiro. Para isso, vamos apresentar sim diferentes culturas e ao mesmo tempo ofertar sugestões do que trabalhar em sala de aula, com os alunos.

Dragões coreanos: mitos e lendas.
Dragões coreanos: mitos e lendas.
Neste primeiro texto vamos falar sobre os Dragões Coreano e seus primos Cocatrice e Imooge, pois ao contrário da conotação negativa que os dragões receberam em várias culturas do mundo – sempre vistos  sendo criaturas destruidoras, lançando chamas e guerreando contra o homem – os Dragões Coreanos são seres pacíficos e constantemente apresentados como responsáveis pelas nuvens e pela chuva. Sua função é ajudar o homem na agricultura e proteger rios, lagos e e montanhas, sendo alguns deles, inclusive, tão sensíveis às emoções humanas que são capazes de compreendê-las.

O que mais me chamou atenção ao ler sobre ele foram as histórias mencionando dragões coreanos que foram vistos carregando uma esfera do dragão, que se apanhada por um humano, este receberia grandes poderes. Com certeza a menção de “esfera do dragão” te lembrou o famoso anime Dragon Ball, não é?

O Coelho e o Rei Dragão

Livro da lenda coreana do Rei dragão: "The rabbit and the King".
Capa do livro da lenda coreana O coelho e o rei dragão: “The rabbit and the King”.

Existe uma antiga lenda que conta o seguinte:

O Rei Dragão reinava em seu palácio nas profundezas do oceano.

Ele era um bom rei e começou a acreditar que estava muito doente e tinha pouco tempo de vida.

Os sábios e magos da corte disseram ao rei que a cura para sua doença seria comer o fígado de uma lebre.

Uma tartaruga se dispõe a ajudar o Rei Dragão e nada até a superfície, onde encontra uma bela praia e vê uma lebre saltitando pela areia.

A tartaruga diz à lebre que o Rei Dragão o havia convidado como hóspede em seu maravilhoso palácio no fundo do oceano e assim a lebre aceita ir até lá.

Quando finalmente se vê face a face com o Rei Dragão, a lebre percebe que foi enganado e a princípio fica muito assustado. Mas então ele tem uma ideia muito inteligente e diz ao rei:

-Sua majestade, eu me sentiria muito honrado em ser aquele que curaria você. Mas receio dizer que meu fígado é um bem tão valioso que eu não costumo viajar com ele, então o deixei escondido num lugar secreto na floresta. Por favor, permita que a tartaruga me leve de volta até a superfície e então eu ficarei honrado em pegar meu fígado para trazer até o senhor.

O Rei Dragão, impressionado com a devoção da lebre ordenou que a tartaruga o levasse até a praia onde o havia encontrado.

Ao chegar à superfície a lebre salta do casco da tartaruga.

-Obrigado pela carona. – diz a lebre, saltitando apressada para o meio da floresta. – Você não achou mesmo que eu deixaria o Rei Dragão comer meu fígado, não é?

(Conto datado do século 12, publicado recentemente em forma de livro com o título “The Habbit and The Dragon King”, em inglês.)

Nas lendas também aparece mais dois tipos de Dragão, diferentes dos dragões originais:

Cocatrice – Os Galinhas-Dragão

Cocatrice: o dragão galinha.
Cocatrice: o dragão galinha.
O nome Cocatriz ou Cocatrice , em coreano gye-ryong , significa literalmente “galinha-dragão”.  Conhecido como réptil alado, ele é uma mistura de ave e réptil com diversas variações de “morfologia” na literatura. Primo do Cockatrice Europeu, é no entanto mais inteligente e ágil e só petrifica com o olhar quando é coagido, ao contrário de se primo europeu que petrifica sem motivos. Procriam por conta própria em grandes ovos cuidadosamente chocados e segundo as lendas, ele pode ser visto puxando figuras e heróis lendários, visto sua docilidade e tamanho próximo de um pônei.

Imoogi – Dragões Serpentes do Mar

Imoogi: um dragão coreano.
Imoogi: um dragão coreano.
Os Imoogis são criaturas benevolentes que vivem na água e nas cavernas e trazem boa sorte que parecem uma grande serpente do mar.

A maioria dos dragões foram um dia um Imoogi e algumas lendas contam que os Imoogis só poderão se transformar em dragões se eles passarem dos mil anos de vida. Após isso uma pérola cairá do céu e se o Imoogi conseguir pegá-la com a boca, ele se transformará num dragão. Porém se falhar deverá esperar mais mil anos por uma nova oportunidade.

Curiosidades sobre os Dragões Coreanos

Escultura de dragão.
Escultura de dragão.
  1. Sabe porque os dragões chineses, coreanos e japoneses tem quantidades diferentes de dedos em seus pés?
    A lenda diz que todos os dragões tem origem na China. E quando alguns deles foram para a Coreia, perderam um dedo do pé, ficando com quatro dedos.
    Depois, ao irem para o Japão, perderam mais um dedo e ficaram com apenas três.
    Essa lenda explica que esse é o motivo dos dragões originais existirem apenas no oriente – se eles se afastassem mais, acabariam ficando sem nenhum dedo!
  2. O Cocatrice, apesar de ser pouco mencionado nas lendas, foi bastante explorado em jogos e desenhos animados. Por exemplo, no desenho animado do Hércules, o Cocatrice aparece como uma galinha gigante. Já no desenho Digimon, temos o monstrinho Cockatrimon, que é capitão de um navio que se move sobre as areias do deserto no Digimundo. Também são encontrados Cocatrices em jogos das séries Final Fantasy, Castlevania, Legend of Mana, Valkyrie Profile e The Witcher.
  3. Na cultura coreana a lebre é associada à população mais pobre, os camponeses. Já a tartaruga representa muitas vezes a realeza e a população mais rica. A moral do conto sobre a Lebre e o Rei Dragão é que os mais fracos precisam usar de inteligência quando oprimidos pelos mais fortes.

Sugestões de Atividades

Os dragões orientais são seres de luz e na maioria das vezes bondosos. Com isso podemos trabalhar várias atividades com nossos alunos, como:

1º Pedir para os alunos compararem os dragões ocidentais e os dragões orientais;

2º Fazer uma avaliação comparativa de quais são os deuses em outras mitologias responsáveis pelas bençãos que os Dragões Coreanos oferecem à Coreia do Norte;

3º Trazer diferentes desenhos e pedir para os pequenos colorirem com as cores dos dragões, também desenvolvendo máscaras e outros ornamentos;

4º Ler o conto A lebre e o Rei Dragão, fazendo exercícios de interpretação para então debater a relação de poder entre os fracos e seus opressores, refletindo os caminhos para libertar o povo e enaltecer importantes atributos ao cidadão.

Galeria de Imagens dos Dragões Coreanos

Sites, Textos e Livros sobre o assunto:

6 COMMENTS

  1. Realmente as esferas do dragão nos remete ao dragon ball. Mas não é incomum os criadores de filmes, animes e livros se inspirarem na cultura de determinado povos.

    • Oi Adriana, tudo bem? 😀 Ótimo ponto! De fato, como Aristóteles diz, vivemos uma mimese constante, onde bebemos na cultura para criar novas culturas. 😀 – Pensando nisso nós montamos o tópico de curiosidades, onde trabalhamos afundo as relações dos mitos com a cultura pop, para que o professor, pai e mesmo o aluno, chegue embasado em sala de aula. 😀

  2. A cultura dos povos é muito rica, vale a pena conhecer é divertido e instigante porque cada lenda está repleta de arquétipos, segundo Carl Jung.

    • Camila, sem dúvida! O mundo é tão rico em culturas, conhecimentos diferentes e igualmente ricos! Através dessas lendas, mitos e livros é possível viajar pelas tradições e paisagens desses locais! Eu mesma estou lendo um livro indiano e mergulhando em um mundo rico e novo! As pessoas que se privam disso tudo não sabem o que estão perdendo! 😀

  3. Sair da rotina e estudar assuntos diferentes é muito positivo, além de arejar a mente tem a oportunidade de aprender sobre outras culturas. Dragões são assuntos que interessam aos jovens e crianças, pois aparecem nas animações e filmes que eles assistem.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here