0 Shares 88 Views

Go ou Baduk – Brincadeira Oriental

Bellini Bellini
set 05, 2016
88 Views

Uma das características mais marcantes da cultura japonesa é o incentivo a inteligência e as atividades mentais como um todo. Isto acontece desde os tempos feudais, com seus estrategistas de mente afiada. E isto é refletido em um de seus jogos de tabuleiro mais tradicionais, o Go.

Também conhecido como Baduk ou GoIchi, o Go pode ser equivalente ao jogo de Damas no ocidente pela simplicidade de suas regras. Além disso, o grau de complexidade surpreendente em suas estratégias. Diferente do Shogi, que mais se assemelha ao Xadrez em termos de regras, o Go pode ser facilmente ensinado aos alunos. Veja como a seguir.

Conhecendo o Go

As regras do Go são muito simples, e podem ser incentivadas pelo professor como uma atividade durante o intervalo, ou dentro de sala.

Go ou Baduk

Público alvo: o público da brincadeira são crianças e adolescentes.

Idade: pode ser realizada em qualquer idade à partir de 10 anos.

Recursos: a brincadeira é um xadrez típico dos países orientais. E por isso, ocorre a necessidade de usar um tabuleiro feito de madeira ou outro material. Isso sem contar as pedras brancas e pretas para movimentar.

Objetivo: o objetivo da brincadeira é fazer com que os jogadores de fato exercitem a sua mente e possam criar estratégias para que as suas peças simulem quase que uma batalha pelo seu território.

Passo a passo

  1. A brincadeira exige que duas pessoas brinquem.
  2. Com um tabuleiro e peças (ou pedras) nas cores pretas e brancas é necessário ter as peças espalhadas no tabuleiro quadriculando, simulando uma espécie de batalha por território em um espaço limitado.
  3. As pedras não devem se mover, apenas colocadas e retiradas.
  4. O seu objetivo na brincadeira Go é criar um território maior e evitar que o seu concorrente tenha um amplo crescimento no seu território para que não saia vencedor dessa batalha.

Ensinando estratégia através da diversão, o Go pode ser uma ótima forma de estimular a mente de maneiras inimagináveis. Procure testá-lo em sala de aula, você não vai se arrepender!

You may be interested

Karl Mannheim e a Educação
Filósofos da Educação
58 views
Filósofos da Educação
58 views

Karl Mannheim e a Educação

Felipo Bellini - jun 25, 2017

Karl Mannheim e a Educação Karl Mannheim foi um sociólogo judeu que ficou conhecido pelas suas obras sobre reconstrução social e educação ocidental. O livro "Ideologia e…

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro
Resenhas Literárias
257 views
Resenhas Literárias
257 views

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro

Felipo Bellini - jun 21, 2017

Fala pessoal, tudo bem? Aposto que você já ouviu falar sobre... Nada mais nada menos do que, vampiros! Hoje iremos conhecer o pai de todos eles, o…

Montaigne e a Educação
Filósofos da Educação
154 views
Filósofos da Educação
154 views

Montaigne e a Educação

Felipo Bellini - jun 18, 2017

Hoje vamos falar sobre Montaigne e a Educação, relacionando as influências do ceticismo no âmbito educacional. Como sempre, a primeira parte do texto se refere a biografia do filósofo,…

Deixe uma resposta