0 Shares 543 Views 1 Comments

Nasreddin Hodja – O grande mestre – Mito Turco

Bellini Bellini
Feb 15, 2016
543 Views 1

Nasreddin Hodja – O Grande Mestre Turco – Mitos e Educação

Nasreddin Hodja, também chamado de Nasrudin Hoca, é uma figura muito popular no folclore turco. O título “Hoca” significa mestre na língua turca, e é um título que demonstra uma ideia geral do personagem. Um homem com quem as pessoas sempre tinham algo novo a aprender.

Nasreddin Hodja - Mitos e Educação

Alguns acreditam que ele existiu de verdade por volta do século XIII na Turquia no povoado de Sivrishisr (tente pronunciar, se puder) e há até um túmulo com seu nome na província de Konya, onde dizem que ele morreu. Mas outros acham que ele é apenas um personagem inventado e passado de geração em geração através de contos e lendas.

Porém, o fato mais importante é que, real ou imaginário, Nasrudin Hoca deu origem a muitas lendas e histórias muito interessantes e populares na cultura de vários países, e essas lendas continuam sendo contadas até hoje. E apesar do tempo as histórias continuam com o mesmo poder de motivação e de nos levar a refletir, sempre apresentando um novo aprendizado.

Certa vez um autor turco escreveu algo que descreve bem o papel de Nasrudin no folclore popular da Turquia:

“É um personagem que viveu antes de seu nascimento e depois de sua morte.”

Ele é descrito como um homem barbudo, de turbante e que sempre viajava montado num burrico. Em algumas lendas ele é apresentado como um tolo, já em outras ele é um sábio que faz os outros de bobos.

Mas como você verá na lenda que lhe contaremos mais adiante, a característica mais marcante nas lendas sobre Nasrudin é que seu personagem sempre consegue mostrar as coisas de uma ponto de vista diferente da que a maioria das pessoas enxerga.

A Lenda “O mendigo e o dono do restaurante” apresenta Nasreddin Hodja

capa de livro na turquia Nasreddin Hodja - Mito

Existem muitas e muitas histórias vindas da Turquia sobre casos protagonizados por Nasrudin. Vamos conhecer aqui uma das mais interessantes, que conta sobre um pobre mendigo e o dono de um restaurante.

Reza a lenda que certo dia um velho mendigo, tão pobre que mal tinha o que comer, ficou muito feliz por ganhar um pão.

Um simples pão para ele significava uma refeição, significava que teria com o que encher o estômago por mais um dia.

Feliz com seu pão, ele teve uma ideia. Iria procurar algo para colocar em seu pão e melhorar ainda mais sua refeição. Assim ele foi até um restaurante próximo e, com toda educação, se pôs a pedir uma porção de carne.

Os garçons e cozinheiros se negaram a dar-lhe o que pedia, alegando que o dono do restaurante não estava ali e que ele não lhes dera permissão para dar comida a quem não tivesse como pagar.

O mendigo, cabisbaixo ia caminhando para fora do restaurante quando sentiu o forte e agradável cheiro de comida sendo preparada. Então ele avistou a grande panela bem próximo a ele, onde uma grande porção de carne estava sendo cozinhada.

Sem conseguir resistir, e imaginando que não faria nenhum mal a ninguém, ele se aproximou da panela e cheirou. Sentiu aquele cheiro agradável de carne e tempero entrando pelas suas narinas. Ah, como seria bom ter um pouco daquela carne…

Mas então uma voz atrás de si interrompeu seus pensamentos:

– O que você está fazendo? Pague agora!

O mendigo se virou e deu de cara com o dono do estabelecimento, que olhava-o furioso.

-Mas eu não comi nada! – explicou o mendigo, sem poder acreditar no que ouvia.

-Não comeu, mas cheirou! Você gastou parte do cheiro da comida e deve pagar por esse cheiro.

-Mas eu não tenho nenhum dinheiro. – disse o mendigo em tom de desespero.

O dono do restaurante então o levou perante o juíz da cidade, o velho chamado Nasrudin. Chegando lá, Nasrudin ouviu a história dos dois e após um tempo em silêncio, pensativo, ele disse:

-Mendigo, é verdade que você não tem dinheiro nenhum para pagar por ter cheirado a comida?

O mendigo balançou a cabeça positivamente.

-Homem – continuou Nasrudin, dessa vez se dirigindo ao dono do restaurante. – é verdade que você quer que o mendigo pague simplesmente por ter cheirado o aroma da sua comida?

-Mas é claro! Ele gastou o cheiro da comida e deve pagar pelo cheiro que consumiu! – Respondeu o homem.

O juíz olhou para os dois por um tempo e então disse ao dono do restaurante:

-Tudo bem. O mendigo não tem com o que pagar, então eu pagarei e assim encerraremos o assunto.

Nasrudin então pegou algumas moedas e chamou o dono do restaurante para mais perto de si. O homem obedeceu, com um sorriso no rosto e a mão estendida para apanhar o dinheiro.

Mas logo sua expressão de alegria se transformou em confusão e surpresa, quando nasrudin levou as moedas até próximo à orelha do homem e as sacudiu, causando um pequeno tilintar.

-Pronto! Está pago, já podem ir. – disse o juís Nasrudin, com um sorriso amigável no rosto.

-O quê é isso? – Exclamou o dono do restaurante, com o rosto vermelho de confusão e ira.

Nasrudin lhe respondeu:

-Ora, o senhor quis que o mendigo pagasse apenas por ter cheirado o aroma de sua comida. Então é justo que lhe pague com o som das minhas moedas!

Curiosidades sobre o Sábio Mestre da Turquia

estatua na turquia Nasreddin Hodja - Mito

  1. Apesar das lendas contarem que Nasrudin ter nascido e vivido na Turquia, as histórias sobre ele se espalharam por países de todo o mundo.
  2. A grande maioria dos contos de Nasrudin tem duas coisas em comum: ele aparecendo como um dos personagens principais e uma boa dose de humor.

Sugestões de Atividade para Sala de Aula

boneco Nasreddin Hodja - Mito

Como ofereci a lenda acima, acredito que por seus valores e positividade, é uma ótima ideia utilizarmos da leitura e interpretação sobre o conto mendigo e o dono do restaurante para gerar empatia e avaliar questões morais nos nossos estudantes. Questões reflexivas são sempre bem vindas, veja alguns exemplos:

  1. Que lições podem ser tiradas da história?
  2. Como a atitude do dono do restaurante representa a atitude de muitas pessoas hoje em dia?
  3. O que você acha da decisão de Nasrudin diante do caso que lhe foi apresentado?

Galeria de Imagens sobre Nasreddin Hodja

Sites, textos e livros sobre o assunto

Um site brasileiro sobre Nasrudin: http://www.nasrudin.com.br/index.htm

Artigo Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nasrudin

Blog: http://museunasrudin.blogspot.com.br/

Blog: http://nasrudin-humor.blogspot.com.br/

Livro: http://golfinho.com.br/livro/historias-de-nasrudin.htm

Vários contos de Nasrudin: http://contosdenasrudin.blogspot.com.br/

You may be interested

Dia Mundial do Turismo – Plano de Aula
Datas Comemorativas
18 views
Datas Comemorativas
18 views

Dia Mundial do Turismo – Plano de Aula

Felipo Bellini - Sep 24, 2017

Olá meus queridos, hoje o nosso tema é o Dia Mundial do Turismo. Boa leitura! 27 de setembro – Dia Mundial do Turismo - Plano de aula…

Dia Nacional do Surdo – Plano de Aula
Datas Comemorativas
32 views
Datas Comemorativas
32 views

Dia Nacional do Surdo – Plano de Aula

Felipo Bellini - Sep 23, 2017

Olá, hoje nosso tema é o Dia Nacional do Surdo. Vamos trabalhar inclusão com nossos alunos. Boa leitura! 26 de setembro — Dia Nacional do Surdo -…

Dia do Trânsito – Plano de Aula
Datas Comemorativas
46 views
Datas Comemorativas
46 views

Dia do Trânsito – Plano de Aula

Felipo Bellini - Sep 22, 2017

Olá queridos, hoje o nosso tema é o Dia do Trânsito. Confira o plano de aula que tem como objetivo criar bons hábitos enquanto cidadão. Boa Leitura!…

Comentário

  1. Linda história, com um interessantíssima moral. Não bastava apenas oferecer um pouco de comida a um mendigo que estava passando fome, mas o dono do restaurante ainda lhe obrigou a pagar apenas pelo fato de o mendigo ter cheirado o aroma de sua comida. Conclusão: o pagamento ao dono do restaurante foi feito através dos sons da moeda. Acho interessantíssimo que a moral dessa história seja divulgada com atividades pedagógicas, mostrando que o egoísmo não nos leva a lugar algum. Temos que ajudar o próximo, pois um dia, esse próximo poderá nos ajudar, se tivermos necessitando de ajuda. Como educadores, acho fundamental que que partilhemos consciência de coletividade aos alunos, como uma forma também de educação didática e pedagógica. Além disso, essa lenda, assim como várias outras, são culturais e ajudam desenvolver ideias, aprendizado e cultura.

    Reply

Leave a Reply