0 Shares 141 Views 3 Comments

O que faz um professor universitário?

Alana Driziê
maio 05, 2017
141 Views 3

Conheça as principais funções do professor universitário.

Você, como professor da rede básica, aspirante a professor universitário ou simplesmente curioso da área, já deve ter se perguntado: afinal, o que faz um professor universitário (além de dar aulas)? Qual é a diferença entre essa função e o trabalho de um professor de ensino médio, por exemplo? No Brasil, é possível ser “apenas” pesquisador acadêmico?

Normalmente, a nomenclatura “professor” já vem atrelada à ideia do profissional que dá aulas em algum contexto. E isso se concretiza, também, em relação ao professor universitário; a sua carga horária semanal dedicada ao ensino pode variar de 8 a 40 horas de trabalho. Entretanto, no nosso contexto, o cargo de professor universitário exige esse aspecto e (muito) mais do indivíduo. Na verdade, se formos contar, existem, em geral, cinco funções que são intrínsecas ao docente na universidade brasileira.

Por isso, respondendo a última das perguntas que enumerei, não, no Brasil não é possível ser “apenas” pesquisador na universidade (utilizo aspas pois, de forma alguma, quero diminuir a ideia de ser pesquisador, muito pelo contrário).

As universidades brasileiras não oferecem concursos para pesquisador, em oposição a o que ocorre em outros países. Isso se justifica, em nossas leis, pelo princípio de integração entre atividades de ensino e de pesquisa (Lei 5.539/1968). Ser pesquisador, aqui, constitui (mais) um dos cinco pilares que envolvem o ofício do professor universitário.

Então, quais são esses pilares?

São eles: ensino, pesquisa, orientação, extensão e gestão acadêmica.

Então, além de dar aulas e fazer pesquisas, o professor universitário ainda possui o papel de orientar alunos – durante a iniciação científica na graduação e/ou pesquisas na pós –, realizar projetos voltados para a comunidade e participar de cargos administrativos. Muita coisa, né?

Veja, no vídeo abaixo, maiores explicações sobre cada uma dessas funções:

Fique a vontade para comentar nesta publicação ou no vídeo para tirar suas dúvidas e dialogar acerca dessa temática.

Para mais informações sobre esse assunto, visite: https://marcoarmello.wordpress.com/2015/02/12/professor/

O canal Carreira Universitária, fonte do vídeo acima, foi criado para discutir ideias, refletir sobre e apresentar dicas acerca da vida acadêmica e, mais especificamente, da Carreira Universitária. Você encontrará nele vídeos sobre pesquisa e ensino voltados para – futuros ou já – docentes do Ensino Superior.

You may be interested

Karl Mannheim e a Educação
Filósofos da Educação
58 views
Filósofos da Educação
58 views

Karl Mannheim e a Educação

Felipo Bellini - jun 25, 2017

Karl Mannheim e a Educação Karl Mannheim foi um sociólogo judeu que ficou conhecido pelas suas obras sobre reconstrução social e educação ocidental. O livro "Ideologia e…

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro
Resenhas Literárias
257 views
Resenhas Literárias
257 views

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro

Felipo Bellini - jun 21, 2017

Fala pessoal, tudo bem? Aposto que você já ouviu falar sobre... Nada mais nada menos do que, vampiros! Hoje iremos conhecer o pai de todos eles, o…

Montaigne e a Educação
Filósofos da Educação
154 views
Filósofos da Educação
154 views

Montaigne e a Educação

Felipo Bellini - jun 18, 2017

Hoje vamos falar sobre Montaigne e a Educação, relacionando as influências do ceticismo no âmbito educacional. Como sempre, a primeira parte do texto se refere a biografia do filósofo,…

3 Comentários

  1. Verdade, Alana. No Brasil o cargo de pesquisador exclusivo é dedicado apenas àqueles que trabalham em pólos tecnológicos com produção para industria privada. Muitas vezes esse pólo pode ser uma universidade federal, como em Itajubá-MG, por exemplo, mas o laboratório, pesquisas, viagens para congressos, entre outros, fica por conta das empresas. Muitas vezes quem acaba fazendo isso são os orientandos no lugar dos professores. De toda forma, fazer parte da formação de novos cientistas ou ajudar no crescimento de um novo pólo tecnológico.

    Reply

Deixe uma resposta