Oi leitores do Demonstre, o poema de hoje é Os homens ocos de T. S. Eliot. Espero que vocês curtam e compartilhem! Vamos lá?

Os homens ocos – T.S.Eliot

Os homens de T. S. Eliot fala dos conflitos que afligem a alma humana. Esse poema fala do vazio causado pela busca por coisas vazias e fúteis e como essa busca nos tornam seres “empalhados”.

Anúncios do Demonstre que vão te interessar:

Primeiro anúncio:

Estamos com o nosso aplicativo de formação de professores baseado em QUIZ já na Google Play. Baixe agora e teste suas habilidade docentes.

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.demonstre.quizapp

O aplicativo é gratuito e recebe um teste novo por semana. Ideal para quem quer revisar o conteúdo ou estudar para concurso.

Obs: o aplicativo é preparado com uma metodologia baseada em reflexão de tarefa, então, cada questão e resposta são apresentadas de maneira a validar e construir o conhecimento do usuário.

Segundo anúncio:

Continuamos com o projeto Poema de bom dia firme e forte, com mais de 30 publicações. Para ter acesso basta visitar o canal do Demonstre no Youtube: https://www.youtube.com/user/demonstrec ou clicar no play aqui na nossa playlist:

Para enviar o seu poema, basta encaminha o mp3 + o texto para o e-mail: [email protected].

Terceiro anúncio:

O produto dieta em 21 dias está anunciando conosco e promete resultados incríveis. Fiz o teste de inflamação celular e me convenceu. Faça e veja se te convence também:

Clique aqui!

dieta 21 dias

Eles oferecem essa página cheia de depoimentos para quem quer ouvir histórias de outras pessoas:

Clique aqui!

dieta 21 dias

E essa é a página de vendas com o desconto do Demonstre:

Clique aqui!

dieta 21 dias

Bom, é isso. Continue com seu texto. <3

Os homens ocos – T.S.Eliot

Nós somos os homens ocos

Os homens empalhados

Uns nos outros amparados

O elmo cheio de nada. Ai de nós!

Nossas vozes dissecadas,

Quando juntos sussurramos,

São quietas e inexpressas

Como o vento na relva seca

Ou pés de ratos sobre cacos

Em nossa adega evaporada

Fôrma sem forma, sombra sem cor

Força paralisada, gesto sem vigor;

Aqueles que atravessaram

De olhos retos, para o outro reino da morte

Nos recordam – se o fazem – não como violentas

Almas danadas, mas apenas

Como os homens ocos

Os homens empalhados.

II

Os olhos que temo encontrar em sonhos

No reino de sonho da morte

Estes não aparecem:

Lá, os olhos são como a lâmina

Do sol nos ossos de uma coluna

Lá, uma árvore brande os ramos

E as vozes estão no frêmito

Do vento que está cantando

Mais distantes e solenes

Que uma estrela agonizante.

Que eu demais não me aproxime

Do reino de sonho da morte

Que eu possa trajar ainda

Esses tácitos disfarces

Pele de rato, plumas de corvo, estacas cruzadas

E comportar-me num campo

Como o vento se comporta

Nem mais um passo

– Não este encontro derradeiro

No reino crepuscular.

Confira o vídeo de Os homens ocos:

FIM do poema Os homens ocos

Muito obrigada por ter nos acompanhado até aqui em mais esse poema do Projeto de Poema de bom dia. Espero que tenhas gostado do poema Os homens ocos!

Comente e deixe as suas sugestões de novos poemas e poetas para adicionarmos no projeto Poema de bom dia. Siga o nosso canal de youtube e a nossa página do facebook!

Até o próximo poema do projeto Poema de bom dia!

Você pode gostar de:

Escuto a América cantar – Walt Whitman

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here