0 Shares 179 Views 1 Comments

Otedama – Brincadeira Orientais

Bellini Bellini
maio 02, 2016
179 Views 1

Otedama – Brincadeira Oriental para incentivar os Reflexos

Uma das características muito exaltadas pelos brasileiros quando se fala dos japoneses é sua capacidade incrível de raciocínio e reflexos rápidos. E isto, ao que parece, é muito bem incentivado desde a infância tanto pelos estudos bem elaborados, como pelas brincadeiras, cujo propósito é bem mais profundo do que apenas divertir.

Na brincadeira oriental de hoje, vamos aprender a Otedama, que pode ser aplicada para crianças pequenas.

Como preparar a Otedama?

A Otedama é uma brincadeira simples, porém não muito familiar a cultura daqui, diferente da já mencionada Beigoma. Por isso, no início pode causar estranhamento, mas conforme ela for praticada, vai ficando mais fácil sua compreensão, e mais divertida pelo nível de desafio.

Otedama

  • Público alvo: meninas e meninos pequenos, mas pode ser adaptada para pré adolescentes, sem problemas.
  • Idade: à partir dos 6 anos.
  • Recursos: pegue pedaços de pano para compor pequenos sacos e coloque feijão ou outros itens para dar peso, costure-os ou então os feche com barbantes e linhas criando uns pequenos saquinhos.
  • Objetivo: fazer uma vasta quantidade de movimentos enquanto um dos saquinhos está no ar. Ao jogar é necessário pegar os outros sacos e fazer os movimentos distintos.

Passo a passo

  1. A brincadeira precisa ser realizada em duplas, e a mesma terá um conjunto de saquinhos na sua mão.
  2. O otedama pode ser feito de maneiras distintas, mas a brincadeira típica é jogar um dos seus saquinhos para cima.
  3. Enquanto ele está sendo lançado deverá fazer um monte de movimentos com os outros saquinhos que ficaram embaixo. Os jogadores que fizeram mais movimentos enquanto o seu outro saquinho estiver no alto poderá ser determinado como o ganhador daquele jogo.

Gostaram da brincadeira? Existe uma série de brincadeiras orientais que podem ser facilmente aplicadas para crianças nos intervalos ou mesmo durante as aulas. Confira!

You may be interested

Karl Mannheim e a Educação
Filósofos da Educação
58 views
Filósofos da Educação
58 views

Karl Mannheim e a Educação

Felipo Bellini - jun 25, 2017

Karl Mannheim e a Educação Karl Mannheim foi um sociólogo judeu que ficou conhecido pelas suas obras sobre reconstrução social e educação ocidental. O livro "Ideologia e…

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro
Resenhas Literárias
257 views
Resenhas Literárias
257 views

Drácula de Bram Stoker: resumo e análise do livro

Felipo Bellini - jun 21, 2017

Fala pessoal, tudo bem? Aposto que você já ouviu falar sobre... Nada mais nada menos do que, vampiros! Hoje iremos conhecer o pai de todos eles, o…

Montaigne e a Educação
Filósofos da Educação
154 views
Filósofos da Educação
154 views

Montaigne e a Educação

Felipo Bellini - jun 18, 2017

Hoje vamos falar sobre Montaigne e a Educação, relacionando as influências do ceticismo no âmbito educacional. Como sempre, a primeira parte do texto se refere a biografia do filósofo,…

Comentário

  1. Interessante a brincadeira. Como você mesmo disse no texto, as brincadeiras orientais não apenas servem para divertimento, mas também para já ensinar, -desde crianças até jovens e adultos – habilidades e reflexos bastante intrínsecos dos orientais. Essa brincadeira, pelo que percebi, trabalha bastante o reflexo, agilidade e habilidade do participante. Além disso, obviamente existe a parte lúdica, se tratando de uma brincadeira.
    Como professor e educador, acho fundamental que as brincadeiras de cultura oriental, principalmente as brincadeiras nipônicas, sejam compartilhadas para nós com objetivo de engrandecer nosso conhecimento cultural oriental. Compartilhar cultura é fundamental, principalmente se tratando de atividades culturais, divertidas, saudáveis e dinâmicas como estas.

    Reply

Deixe uma resposta