Faça parte do nosso mundo mágico!

Por enquanto somos poucos, mas logo seremos uma legião! Inscreva-se! <3

Peixe Pacu – Brincadeira Indígena

O peixe Pacu é parte de uma família de peixes que são muito conhecidos e abundantes nas regiões do Mato Grosso, no Amazonas e na região da Bacia do Prata, todos locais com grande incidência de índios, que faziam destes animais uma de suas fontes de alimentação.

O Peixe Pacu é tão popular, que rendeu uma brincadeira entre os pequenos indígenas. E é desta brincadeira na qual iremos falar hoje.

Como se brinca de Peixe Pacu?

Com apenas uma vareta grande o bastante para uma criança, é possível realizar o jogo sem grandes problemas. Porém, é preciso um amplo espaço para que ela seja aproveitada de acordo. Em locais que tenha água, como lagos e rios calmos, por exemplo, fica melhor ainda.

Peixe Pacu
Público alvo: as crianças e principalmente adolescentes que gostam de se divertir.

Idade: crianças à partir de 10 anos de idade. Pessoas de idade mais avançada como ocorre com os adolescentes de 16 anos, também podem participar.

Recursos: a brincadeira precisa ser realizada em um ambiente com espaço bem amplo, para correrem ao longo de toda extensão. Além disso, será necessário uma vara para fingir pescar os jogadores.

Objetivo: “pescar” os jogadores com um pedaço de pau, ou com uma vara de pescar enquanto todos eles correm em grupo para fugir, o que for pescado perde a brincadeira.

Passo a passo

  1. A brincadeira do peixe pacu consiste em um grupo do qual é composto por até 8 ou 10 pessoas, sendo que um dos participantes será o escolhido para ser o pescador que terá que correr atrás dos jogadores para conseguir pescá-los.
  2. Os jogadores devem correr para não serem atingidos pela vara.
  3. A brincadeira acaba quando todos os jogadores forem atingidos.

Esta é uma brincadeira adequada para os intervalos dos alunos. Mas se preferir, você pode aplicá-la como um método de ensino para que conheçam mais da cultura indígena. No dia do Índio, ela fará ainda mais sentido.

Post Author
Felipo Bellini

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *