Olá pessoal, neste artigo irei lhes apresentar a obra 1984, livro de George Orwell. O autor tratou de fazer um alerta para toda a humanidade sobre um grande perigo que sempre ronda quaisquer sociedades. Ficou curioso para saber do que se trata? Então confira comigo!

1984: uma análise completa desta obra-prima de George Orwell e como você poderá trabalhá-la em sala de aula

“Quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente controla o passado”

Esta frase do livro “1984”, resume bem o alerta que George Orwell pretendia passar através de sua última obra, considerada a obra prima do escritor.

 Eric Blair era o real nome de George Orwell, nascido em Motihari, Índia (na época território britânico), em 1903. Sua obra é marcada por suas experiências pessoais, vividas em três etapas de sua vida: sua posição contra o imperialismo britânico, na juventude; sua defesa da justiça social, depois de ter observado e sofrido na própria pele as condições de vida dos trabalhadores de Londres e Paris; e contra os totalitarismos, tanto na forma do estalinismo quanto do fascismo, tendo Orwell participado da Guerra Civil Espanhola. Além de cronista, crítico literário e romancista, Orwell é um dos ensaístas em língua inglesa mais destacados entre as décadas de 30 e 40 do século XX. Entretanto, seus trabalhos mundialmente conhecidos são os romances políticos críticos ao totalitarismo “A Revolução dos Bichos” e “1984”, no qual aparece o conceito de “Big Brother”. Orwell faleceu em 1950.

Passaremos agora à análise do livro “1984”.

RESUMO

Em “1984” Orwell retrata um regime totalitário, no qual a sociedade é separada em apenas três forças dominantes, conhecidas como Oceania, Eurásia e Lestásia. A Oceania engloba toda a América, Grã-Bretanha e parte da Europa e estaria em constante guerra com as outras duas forças. No entanto, a mídia, o conhecimento, a saúde, tudo é controlado de tal modo que nenhuma pessoa conhece a verdade sobre o que ocorre e não possui os meios para tentar descobri-la. A sociedade é dividida em castas: os proletas, a escória do mundo, subjugados aos piores lugares das cidades e vivendo nas as mais ínfimas condições de sobrevivência.

“ Trabalho físico pesado, cuidados com a casa e os filhos, disputas menores com os vizinhos, filmes, futebol, cerveja e, antes de mais nada, jogos de azar, preenchiam o horizonte de suas mentes. Não era difícil mantê-los sob controle. Alguns representantes da Polícia das Ideias circulavam entre eles, espalhando boatos falsos e identificando e eliminando os raros indivíduos considerados capazes de vir a ser perigosos”.

Os membros do partido externo eram condicionados a uma vida de trabalho semiescravo, costumeiramente sendo acusados por outros de traição e de conspiração contra o ‘Big Brother’, força maior que regia a sociedade, tendo na figura de um homem que nunca era visto em pessoa seu maior exemplo; e os membros do partido interno – responsáveis pelos inquéritos, interrogatórios e ‘sumiços’ daqueles que eram considerados traidores. Estes últimos possuíam privilégios em relação às outras castas e eram temidos por elas. Informações eram constantemente manipuladas e modificadas, controladas através das ‘tele telas’. A impossibilidade de conhecer uma outra versão dos fatos acabava por transformar a sociedade em apenas aquele local no qual cada pessoa se inseria, ‘casa trabalho’. Em meio a isso, surge a história de um homem, personagem principal da narrativa, Winston Smith, e sua luta para tentar escapar da onipresença do Partido e até viver uma vida digna com seu amor, Julia, que também era trabalhadora do Partido externo. O amor era mal visto pelo Partido Interno, pois ele poderia levar a segredos e a vontades que, por sua vez, poderiam levar a motins e a perda do controle que o Partido Interno possuía sobre as castas inferiores.

Winston cai numa armadilha de O’Brien, um espião do partido Interno, é levado para o Ministério do Amor, sofre tortura e lavagem cerebral durante meses. A tortura inclui um dos maiores medos de Winston: ratos, com os quais tinha pesadelos recorrentes.  Uma gaiola cheia desses animais é amarrada junto à sua cabeça e o torturador ameaça soltá-los para que devorem seu rosto.

Após este “condicionamento”, Winston é libertado. Ele encontra Julia, mas não sente mais nada por ela. Ele aceitou o partido completamente e aprendeu a amar o Big Brother.

A análise dos principais temas e personagens do livro proporcionarão uma visão mais abrangente da obra.

PRINCIPAIS TEMAS

Os perigos do totalitarismo: 1984 é um romance político, escrito com o propósito de alertar os leitores no Ocidente sobre os perigos dos governos totalitários. Tendo testemunhado em primeira mão os métodos terríveis os governos totalitários na Espanha e Rússia usariam a fim de manter e aumentar o seu poder, Orwell projeta 1984 para soar o alarme nas nações ocidentais que ainda não tem certeza sobre como abordar a ascensão do comunismo. Em 1949, a Guerra Fria ainda não tinha eclodido, muitos intelectuais americanos apoiaram o comunismo, e o estado da diplomacia entre as nações capitalistas e comunistas era altamente ambígua. Na imprensa americana, a União Soviética era muitas vezes retratada como um grande experimento moral. Orwell, no entanto, estava profundamente perturbado pelas crueldades generalizadas e opressões que ele observou nos países comunistas, e parece ter sido particularmente preocupado com o papel da tecnologia em permitir que os governos opressivos monitorassem e controlassem os seus cidadãos.

Em 1984, Orwell retrata a sociedade totalitária perfeita, a realização mais extrema imaginável de um governo moderno com poder absoluto. O título do romance era para indicar aos seus leitores em 1949, que a história representava uma possibilidade real para o futuro próximo: se o totalitarismo não fosse combatido, o título sugerido, alguma variação do mundo descrito no romance poderia tornar-se uma realidade em apenas trinta e cinco anos. Orwell retrata um estado em que o governo monitore e controla todos os aspectos da vida humana, na medida em que, mesmo ter um pensamento desleal é contra a lei. À medida que o romance avança, o timidamente rebelde Winston Smith se prepara para desafiar os limites do poder do Partido, apenas para descobrir que sua capacidade de controlar e escravizar seus súditos supera até mesmo as concepções mais paranoicas ao seu alcance. Como o leitor chega a compreender através dos olhos de Winston, o partido utiliza uma série de técnicas para controlar seus cidadãos, cada uma dos quais é um tema importante dentro da novela. Elas incluem:

Manipulação psicológica: O Partido controla seus súditos com estímulos psicológicos projetados para sobrecarregar a capacidade da mente para o pensamento independente. A tele tela gigante no quarto de cada cidadão exibe um fluxo constante de propaganda destinada a fazer as falhas e deficiências do partido parecerem ser sucessos triunfantes. As tele telas também monitoram o comportamento, para onde quer que vão, os cidadãos são constantemente lembrados, especialmente por meio da frase onipresente “BIG BROTHER ESTÁ OLHANDO”, que as autoridades os estão vigiando. O Partido debilita a estrutura familiar por indução de crianças para uma organização que lhes faz uma lavagem cerebral e os incentiva a espionar seus pais e relatar qualquer caso de deslealdade com o partido. O partido também obriga as pessoas a suprimirem seus desejos sexuais, tratando o sexo como um mero dever de procriação cujo fim é a criação de novos membros do partido.

Controle físico: Além de manipulação de suas mentes, o partido também controla os corpos de seus súditos O Partido obriga seus membros a submeter-se a exercícios em massa de manhã, e depois de trabalhar durante dias longos e cansativos em agências governamentais, mantendo as pessoas em um estado geral de exaustão. Qualquer um que chega a desafiar o partido é punido e “reeducados” por meio de tortura sistemática e brutal. Depois de ser submetido a semanas deste tratamento intenso, o próprio Winston chega à conclusão de que nada é mais poderoso do que a dor, nenhuma lealdade física, emocional ou convicção moral pode superá-la. Condicionando as mentes de suas vítimas com tortura física, o Partido é capaz de controlar a realidade, convencendo seus súditos de que 2 + 2 = 5.

Controle da informação e da história: O partido controla todas as fontes de informação, gere e reescreve o conteúdo de todos os jornais e demais fontes históricas para seus próprios fins. O Partido não permite que os indivíduos mantenham registros de seu passado, como fotografias ou documentos. Como resultado, as memórias tornam-se confusas e não confiáveis, e os cidadãos tornam-se perfeitamente dispostos a acreditar no que o partido lhes diz. Ao controlar o presente, o partido é capaz de manipular o passado. E no controle do passado, o partido pode justificar todas as suas ações no presente.

Tecnologia: Por meio de tele telas e microfones escondidos por toda a cidade, o Partido é capaz de monitorar seus membros quase todo o tempo. Além disso, o Grupo emprega mecanismos complicados (1984 foi escrito antes da era da informática) para exercer controle em larga escala na produção econômica e fontes de informação, e usa máquinas temíveis para infligir tortura sobre aqueles que considera inimigos. 1984 revela que a tecnologia, que é geralmente percebida como instrumento para o bem comum, também pode facilitar o mal mais diabólico.

A linguagem como Controle da Mente: uma das mensagens mais importantes de Orwell em 1984 é que a linguagem é de importância central para o pensamento humano, porque estrutura e limita as ideias que os indivíduos são capazes de formular e expressar. Se o controle da linguagem for centralizado em uma agência de política, Orwell propõe, essa agência poderia alterar a própria estrutura da linguagem para torná-la incapaz até mesmo de conceber pensamentos desobedientes ou rebeldes, porque não haveria palavras para formulá-los. Esta ideia se manifesta na linguagem da Novilíngua, que o sistema introduziu para substituir o Inglês. O partido está constantemente refinando e aperfeiçoando a Novilíngua, com o objetivo final de que ninguém seja capaz de conceituar qualquer coisa que possa questionar o poder absoluto do Partido.

Veremos como essas questões aparecem na construção dos principais personagens.

PERSONAGENS PRINCIPAIS

Winston Smith: O principal objetivo da Orwell em 1984 é demonstrar as possibilidades terríveis de totalitarismo. O leitor experimenta o mundo de pesadelo que Orwell vislumbra através dos olhos do protagonista, Winston. Sua tendência pessoal para resistir ao sufocamento de sua individualidade, e sua capacidade intelectual para raciocinar sobre sua resistência, permite ao leitor observar e compreender a dura opressão que o Partido, Big Brother, e a polícia do pensamento instituem. As longas reflexões de Winston dão Orwell uma oportunidade de explorar temas importantes do romance, incluindo a linguagem como o controle da mente, a intimidação psicológica, física, a manipulação, e a importância do conhecimento do passado.

Além da sua natureza pensativa, os principais atributos de Winston são sua rebeldia e seu fatalismo. Winston odeia o Partido e quer testar os limites do seu poder; ele comete inúmeros crimes ao longo do romance, que vão desde a escrita de “ABAIXO BIG BROTHER” em seu diário, a ter um caso de amor ilícito com Julia. O esforço Winston concentra em sua tentativa de conseguir liberdade e independência, em última análise, ressalta o poder devastador do Partido. Até o final da novela, a rebelião de Winston é revelada e ele jogado na campanha de tortura física e psicológica de O’Brien, transformando Winston em um súdito leal do Big Brother.

Uma das razões para a rebelião de Winston, e eventual queda, é o seu sentido de fatalismo, sua intensa (embora inteiramente justificada) paranoia sobre o partido e sua crença predominante de que o Partido acabará por apanha-lo e puni-lo. Assim que ele escreve “ABAIXO BIG BROTHER” em seu diário, Winston acredita que a polícia do pensamento irá capturá-lo rapidamente por cometer um crime de opinião. Pensando ser impotente para escapar seu destino, Winston se permite assumir riscos desnecessários, como confiar em O’Brien.

Julia: Julia é amante de Winston e a única outra pessoa que Winston pode ter certeza que odeia o partido e deseja se rebelar contra ele como ele faz. Considerando que Winston é inquieto, fatalista, e preocupado com questões sociais de grande escala, Julia é sensual, pragmática, e geralmente de conteúdo para viver o momento e fazer o melhor de sua vida. Winston anseia para se juntar à Irmandade e ler manifesto abstrato de Emmanuel Goldstein; Julia está mais preocupada em apreciar sexo e fazer planos práticos para evitar ser pega pelo partido. Winston essencialmente vê seu caso como temporário; sua atitude fatalista o torna incapaz de imaginar o seu relacionamento com Julia a longo prazo. Julia, por outro lado, está bem adaptada às suas formas escolhidas de rebelião em pequena escala. Ela afirma ter tido casos com vários membros do Partido, e não tem intenção de terminar sua busca de prazer, ou de ser apanhada (seu envolvimento com Winston é o que leva a sua captura). Julia é um contraste marcante com Winston: para além de seu desejo sexual mútuo e ódio ao Partido, a maioria de suas características são diferentes, se não contraditórias.

O’Brien: Um dos aspectos mais fascinantes de 1984 é a maneira pela qual Orwell encobre o retrato explícito de um mundo totalitário em uma aura enigmática. Enquanto Orwell dá ao leitor um olhar mais atento para a vida pessoal de Winston Smith, são mostrados apenas lampejos da vida do partido, aqueles que o próprio Winston pega. Como resultado, muito do funcionamento interno do Partido permanece oculto, assim com suas origens, e as identidades e motivações de seus líderes. Esta sensação de mistério é centralizada no personagem de O’Brien, um poderoso membro do Partido Interno que com truques faz Winston acreditar que ele é um membro do grupo revolucionário chamado a Irmandade. O’Brien induz Winston na Fraternidade. Mais tarde, porém, ele aparece na cela da prisão de Winston, praticando tortura e lavagem cerebral contra ele em nome do Partido. Durante a aplicação desta punição, e talvez como um ato de tortura psicológica, O’Brien admite que ele fingiu estar ligado à Irmandade apenas para interceptar Winston em um ato de deslealdade aberta ao Partido.

SIMBOLOGIA

Os símbolos são objetos, personagens, figuras e cores usados para representar ideias ou conceitos abstratos.

O Grande Irmão (Big Brother): Ao longo de Londres, Winston vê cartazes mostrando um homem olhando para baixo sobre as palavras “Big Brother está te vendo” onde quer que vá. Big Brother é a cara do partido. Os cidadãos são informados de que ele é o líder da nação e o chefe do Partido, mas Winston nunca pode determinar se ele realmente existe. Em qualquer caso, o rosto de Big Brother simboliza o partido em sua manifestação pública; ele é uma garantia para a maioria das pessoas (o teor de seu nome sugere sua capacidade de proteger), mas ele também é uma ameaça aberta (não se pode escapar ao seu olhar). Big Brother também simboliza a imprecisão com que os postos mais altos do Partido se apresenta, é impossível saber quem realmente governa Oceania, como é a vida para os governantes, ou por que eles agem como o fazem. Winston acha que se lembra que o Big Brother surgiu por volta de 1960, mas os registros oficiais do partido datam a existência de Big Brother em 1930, antes de Winston ter nascido.

As tele telas: onipresentes, são o símbolo mais visível no livro do monitoramento constante dos indivíduos pelo Partido. Em sua dupla capacidade de difundir constante propaganda e observar os cidadãos, as tele telas também simbolizam como governos totalitários abusam da tecnologia para seus próprios fins, ao invés de explorar seu conhecimento para melhorar a civilização.

“1984” EM SALA DE AULA

  • O livro pode ser trabalhado no Ensino Médio, nas disciplinas: História, Literatura, Geografia e Filosofia. É uma leitura altamente recomendada nos cursos de graduação em Letras, Filosofia, Ciências Sociais e História.
  • A própria biografia de Orwell se relaciona à ascensão do totalitarismo e à Guerra Fria, sendo interessante abordá-la como introdução ao livro.
  • O livro se insere na discussão sobre ideias políticas no século XX, e sobretudo, dos regimes totalitários: Nazismo, Fascismo, Stalinismo; A obra permite abordar sobretudo a conjuntura de ascensão e consolidação desses regimes e seus reflexos na geopolítica mundial.
  • Outro ponto importante é a questão do caráter ideológico da Guerra Fria e como o livro “’1984” se insere nessa conjuntura.
  • O livro de Orwell é muito citado até hoje como sendo uma “previsão”, que, segundo alguns, vem se confirmando. Isso pode ser o tema de um interessante debate em sala de aula, também podendo ser o tema de uma proposta de redação ou demais formas de exposição de suas conclusões por parte dos alunos.
  • O livro foi adaptado para o cinema, sendo o uso de um dos filmes uma opção para complementar a leitura e propor atividades.

MOTIVOS PARA LER “1984” COM SEUS ALUNOS

  • É uma obra que suscita um importante debate político e filosófico.
  • É um clássico da Literatura contemporânea.
  • Permite trabalhar importantes conteúdos da área de Ciências Humanas.
  • É um livro polêmico, o que pode aumentar o interesse dos alunos em conhece-lo
  • É um livro que aborda temas muito

 

“1984” sem dúvida é uma obra fundamental não só para uma melhor compreensão do cenário político e ideológico da segunda metade do século XX, como também para estimular o desenvolvimento de uma percepção crítica da realidade por parte dos alunos.

WEB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.