Hoje vamos apresentar um texto onde mostra trabalhos de diferentes representações e neste poste vamos falar um pouco mais aprofundado de “2º Período da História da Educação Brasileira” mostrando seus pontos principais.

Os pontos principais da Educação Brasileira e sua história, mostrando como pode ser aplicada na educação de crianças e jovens.

2º Período da História da Educação Brasileira

Foi um Período de muita importância para a educação brasileira, sendo criação da academia real de marinha e em 1810 criação da academia real militar.

Projeto sem título 7 1

Assim formou vários oficiais, engenheiros civis e militares. Também teve a criação do curso de cirurgia e economia (Bahia), instalado no Hospital Militar, e os cursos de cirurgia e anatomia no Rio.

Crise do Modelo Agrário Exportador Dependente

Nesse Período foi criação da academia real de marinha e em 1810 criação da academia real militar O principal objetivo era a formação de oficiais, engenheiros civis e militares.

Resultado de imagem para Aspectos Quantitativos da Organização escolar

Teve também a criação do curso de cirurgia e economia (Bahia), instalado no Hospital Militar, e os cursos de cirurgia e anatomia no Rio. 1812 – foi criada a escola de serralheiros, oficiais de lima e espingardeiros (MG).

Escolas Criadas

Na Bahia foi criado o curso de agricultura, com estudos em botânica e jardim botânico, o curso de química (1817), abrangendo química industrial, geologia e mineralogia e por fim o curso de desenho técnico (1818). No Rio em 1812 foi criado o laboratório de química e o curso de agricultura. Tais cursos representam o início do nível superior de ensino no Brasil.

Vídeo Sobre a Crise do Modelo Agrário Exportador Dependente:

As consolidações Sociais face a Relação Metrópole Colônia

Foi um tempo onde o mercantilismo possuía práticas que eram adotadas pelos Estados absolutistas na Idade Moderna como o fato de que a riqueza de um país é medida pela quantidade de ouro e prata que ele possuía e que não havia ganho para um Estado sem o prejuízo de outros, medida que explica muito as consequências dessas práticas anos depois e, de certa forma, até os dias atuais.

Imagem relacionada

As medidas protecionistas eram utilizadas para proteger o Estado como a proibição da entrada de manufaturados estrangeiros, estimulando a exportação e conseguindo atingir uma balança de comércio favorável, obtendo lucros.

O Desmantelo

É somente no século XIX, em 1808, que o sistema colonial e essa relação metrópole-colônia começou a se desmantelar, pois é o ano em que a família real portuguesa se transfere para o Brasil e houve a abertura dos Portos às Nações Amigas, acabando com o exclusivismo português, mas Portugal ainda tomando decisões importantes para o Brasil.

Vídeo Sobre consolidações Sociais face a Relação Metrópole Colônia:

Dom João VI e o Ensino Superior Profissional

A educação ao tempo de D. João VI. Desde a expulsão dos jesuítas em 1759 até a transferência da corte portuguesa para o Brasil, a educação da colônia passou por um período de desagregação e decadência.

Resultado de imagem para Aspectos Quantitativos da Organização escolar

A chegada do príncipe regente, D. João, modificou a política educacional que o governo luso adotava em relação ao Brasil. A fundação de várias instituições culturais deu novo impulso à educação: a Imprensa Régia, a Biblioteca Nacional e um museu, e, sobretudo, as escolas de ensino superior, a Escola Naval, a Escola Militar, cursos de medicina no Rio de Janeiro e na Bahia, e nesta última cursos de agricultura, química e desenho técnico.

As escolas

Essas escolas rompiam com a tradição de ensino excessivamente literário, vigente na época dos jesuítas. Ficaram, porém, circunscritas quase exclusivamente ao Rio de Janeiro e à Bahia. O resto da colônia continuava mergulhado no mesmo atraso. Esse período foi um dos mais importantes na evolução cultural do Brasil, pois nele foram lançadas as bases de notáveis instituições culturais.

Vídeo Sobre Dom João VI e o Ensino Superior Profissional:

A fase Politicamente

A população brasileira estava descontente com relação ao governo de Portugal, pelo excessos cometidos por eles no desempenho dessa função, pela demora no regresso da família real e da corte. A desocupação do território português aconteceu em 1809. Esse descontentamento leva, em 1820, à revolução constitucional.

Esses acontecimentos contribui para o aceleramento do processo de emancipação política. Conseguida a autonomia política em 1822, fazia-se necessária uma constituição. Quanto à educação, estava presente a idéia de um ecossistema nacional de educação em seu duplo aspecto: graduação das escolas e distribuição racional por todo o território nacional.

Vídeo Sobre a fase politicamente:

Autonomia e a Descentralização da Educação

Foi marcada pela flexibilidade e pelas diferentes relações que se estabelecem entre a União e as unidades subnacionais, que compreendem os estados e os municípios. Dessa forma, a descentralização educacional não é um processo homogêneo e praticado em uma única direção.

A descentralização, a municipalização e a autonomia da unidade escolar constituem, a configuração do sistema educacional brasileiro, sendo o fortalecimento local exercido através da autonomia da escola, meta principal da descentralização dos sistemas educacionais.

Constituição de 1824

Ela responde à lógica da organização federativa, no sentido de: ordenar responsabilidades e competências nos planos administrativo e financeiro aos entes federativos; instituir processos desconcentrados de administrações financeira, administrativa e pedagógica; e instaurar a gestão democrática da escola, em cumprimento a preceito constitucional, cuja regulação maior encontra-se na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de 1996, institucionalizando a escola autônoma.

Vídeo Sobre descentralização da educação:

Aspectos Quantitativos da Organização escolar

Para a maior parte das escolas e profissionais de educação, avaliar a aprendizagem do aluno significa atribuir uma nota após a realização de um método avaliativo.

Daí decorrem os vários testes, exames e outros instrumentos aos quais estamos habituados e que medem tão somente a capacidade do aprendiz de – naquele momento – responder conforme o esperado e atingir determinada nota, conceito, classificação ou hierarquia.

Avaliação Quantitativa

As avaliações qualitativas, por outro lado, centram-se em todo o processo de ensino-aprendizagem, e requerem um diagnóstico desse processo. A própria legislação educacional brasileira, desde a Lei de Diretrizes e Bases, aponta para a necessidade de uma “avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais”.

Vídeo Sobre aspectos quantitativos da organização escolar:

FIM

Chegamos ao fim de uma lista que foi recheada de conteúdos, e hoje falamos de 2º Período da História da Educação Brasileira com suas características. Se você gostou do assunto e do texto, compartilha nas redes sociais, e ajude a divulgar nossos trabalhos. Você também pode acessar as nossas redes sociais.