Você sabe o que é alimentação consciente? Alimentos vivos? Medicina Ayurvédica? Bom, hoje trouxe para vocês essas respostas e muito mais. Leia até o final e descubra como o seu metabolismo pode ser seu aliado.

Alimentação Saudável

A alimentação saudável não tem a ver com limitações alimentares rigorosas, com a falta de realismo ou com a privação dos alimentos que você ama. Na verdade, é sobre se sentir bem, ter mais energia, melhorar sua saúde e estabilizar seu humor. Se você se sentir sobrecarregado por todos os conselhos de nutrição e dieta conflitantes, você não está sozinho. Parece que para cada especialista que lhe diz que determinada comida é boa para você, você encontrará outro dizendo exatamente o contrário. Mas, você pode acabar com a confusão e aprender como criar uma dieta saborosa, variada e nutritiva que seja tão boa para a mente quanto para o corpo.

Nós todos sabemos que comer direito pode ajudá-lo a manter um peso saudável e evitar certos problemas de saúde, mas sua dieta também pode ter um efeito profundo no seu humor e sensação de bem-estar. Estudos associaram o consumo de uma típica dieta ocidental – recheada com carnes processadas, refeições prontas, comida para viagem e lanches açucarados – com taxas mais altas de depressão, estresse, transtorno bipolar e ansiedade. Comer uma dieta pouco saudável pode até desempenhar um papel no desenvolvimento de transtornos mentais, como TDAH, doença de Alzheimer e esquizofrenia, ou no aumento do risco de suicídio em jovens.

Comer mais frutas e verduras frescas, cozinhar refeições em casa e reduzir a ingestão de açúcar e carboidratos refinados, por outro lado, pode ajudar a melhorar o humor e diminuir o risco de problemas de saúde mental. Se você já foi diagnosticado com um problema de saúde mental, comer bem pode até ajudar a controlar seus sintomas e recuperar o controle de sua vida.

Para saber mais sobre alimentação saudável conheça o curso Alimentação Consciente.

Curso de Alimentação Consciente

O que significa “comer conscientemente”? Pense na sua última grande refeição. Mesmo quando você procurava satisfazer a fome, você saboreava cada sabor e sabia intuitivamente quanto comer para se sentir contente, não cheio demais. Os estados emocionais acompanhantes eram prazerosos. A lembrança da refeição permaneceu, cada lembrança provocando agradáveis respostas sensoriais. Isso é comer conscientemente.

Compare isso com um momento em que você estava com muita fome, quando havia uma sensação desesperada em sua fome que reduzia a satisfação, eliminava o prazer e minimizava as boas lembranças. Você mastigou e engoliu, sem estar terrivelmente consciente disso, ou do seu entorno. Você pode ter se sentido desconfortavelmente cheio e letárgico. Isso se assemelha a comer inconscientemente.

Soa familiar, certo? Todos nós já fizemos isso. Pode começar com uma escolha consciente ou não. Pode ser bom (se notarmos) ou pode ser sem gosto. Não leva a nenhum sentimento de satisfação, mas a um sentimento mais próximo de desconforto. Os estados emocionais que acompanham esse estilo de alimentação são desagradáveis, até mesmo um pouco perturbadores.

Quanto mais consciente você estiver, maior a probabilidade de ter uma experiência alimentar saudável e satisfatória. Você pode fazer uma avaliação rápida da consciência e ajustá-lo em qualquer momento do processo de alimentação – antes, durante ou depois de qualquer refeição.

Basta considerar as quatro perguntas a seguir:

  • O seu sentimento de satisfação é alto ou baixo?
  • Seu nível de prazer é alto ou baixo?
  • Você está consumindo uma porção normal de tamanho adequado ou uma porção extrema?
  • Quando você termina de comer, fica contente ou desconfortável?

Quando nossa consciência está engajada e nossa atenção adequadamente colocada, nossa alimentação tende a ser apropriada. Quando nossa consciência é distraída por alguma outra necessidade irresistível, estamos muito menos atentos à experiência de comer e podemos comer em nosso detrimento.

Os sintomas da alimentação aparecem inconscientemente de três maneiras: fisicamente, intelectualmente e emocionalmente. Os sintomas físicos da alimentação inconsciente são fáceis de observar – sendo o excesso de peso o mais óbvio e comum.

A alimentação inconsciente também pode ser sintomática de problemas emocionais. Quando usamos comida para acalmar nossas mágoas emocionais, para amortecer a experiência da emoção, nossa consciência está principalmente concentrada em encontrar uma distração.

É muito comum medicar estados emocionais desconfortáveis com comida. O principal aspecto emocional da alimentação tem a ver com a autoestima. Quando a autoestima é positiva e a confiança é forte, estamos muito mais conscientes de comer. Quando nos sentimos vulneráveis e a autoestima é baixa ou negativa, somos muito menos conscientes e podemos nos voltar para a comida para aumentar artificialmente nossa confiança.

Para alguns, comer é, na verdade, uma maneira de aquietar ou drenar o crítico interior.

Praticar a auto-observação regular é uma ótima maneira de melhorar suas habilidades de comer conscientes e reduzir o risco de auto-sabotagem.

Conheça mais sobre o Curso Alimentação Consciente.

Alimentação Viva

Você já ouviu falar da alimentação viva? Os adeptos dizem que não se trata de uma dieta, mas de um estilo de vida em que o indivíduo passa a consumir tão somente alimentos naturais, orgânicos e, de preferência, cruz. Para eles comer consciente é ingerir o alimento de forma natural, sem preparo, sem mutação nenhuma, pois acreditam que isso faz eles se reconectarem à natureza.

Além disso, ao reduzir o consumo de alimentos cozidos, processados, ricos em pesticidas, conservantes, gorduras e açúcares consequentemente diminui o risco de doenças crônicas como diabetes, obesidade e problemas cardiovasculares.

Os alimentos consumidos na alimentação viva são ricos em Energia Vital. Isso significa que quanto mais orgânico e fresco, melhor. O suco verde, por exemplo, é o mais consumido dessa alimentação.

Dentre os benefícios da sua alimentação estão a melhora na disposição, no bem-estar e a possibilidade de reverter o diabetes.

Gostou desse tipo de alimentação? Saiba mais.

Redução Alimentar

Muito se fala sobre reeducação alimentar, mas é difícil iniciá-la por inúmeros motivos a começar pelos gastos com alimentação saudável e pela dificuldade da mudança de hábito.

Portanto, os profissionais de nutrição indicam para começar a mudar seus hábitos a redução alimentar, pois consideram que reduzir aos poucos as suas porções de comida, possibilita o emagrecimento, o ganho de massa magra, aumenta a disposição e diminui drasticamente o risco de você romper a dieta ou de retroceder em uma reeducação alimentar.

Existem várias maneiras de fazer essa redução alimentar, uma delas é diminuindo os carboidratos e substituímos por uma fruta ou legume e outra forma é diminuir a quantidade de comida ingerida em uma refeição diminuindo também o intervalo entre as mesmas, dessa forma seu cérebro não enviará o impulso de comer em excesso e você poderá controlar a quantidade de alimentos ingeridos de acordo com a sensação de saciedade.

Contudo, se você ainda tem dificuldade para reduzir aqui vão 8 dicas rápidas para a redução alimentar:

  • Diminua o tamanho do garfo, da colher, do copo e do prato.
  • Não espere a fome chegar, seja rigoroso(a) em seus horários e coma mesma sem fome.
  • Comece sempre pela salada, seja em casa ou no restaurante.
  • Compre porções unitárias para evitar comer mais do que o necessário.
  • Faça 6 pequenas refeições por dia e dê preferência a alimentos saudáveis.
  • Coma o tanto que realmente precisa, evite repetir e pegar muita comida.
  • Mastigue muitas vezes, pois a mastigação ajuda a dar promover a saciedade.
  • Evite distrações, comer em frente à TV ou executando outras tarefas pode interromper saciedade.

Ainda falando sobre redução alimentar, existe uma vertente que está ganhando força principalmente para quem está aderindo a alimentação viva, que é o reducetarismo, uma nova filosofia alimentar que visa reduzir, mas não abdica totalmente do consumo de alimentos de origem animal, sobretudo, as carnes.

Precisa de mais dicas sobre redução alimentar? Clique aqui.

Veja este vídeo completo sobre o Escola Sem Partido e a realidade do professor. Vamos bater de frente nesta discussão e argumentar como professores, pois nós entendemos a realidade escolar!

Não deixe de se inscrever no meu canal do youtube: Vídeos diários para professores!

Temos um anunciante!!! Clique na imagem ou no link e confira o material deste anunciante que está ajudando a manter o Demonstre:

Você já parou para pensar que uma dieta real faz a diferença? Estou fazendo e me sinto bem melhor!

dieta de 21 dias demonstre

O que me impressionou neste dieta foi esse teste que mede o grau de inflamação celular, muito interessante!

Link do quiz de inflamação celular: https://goo.gl/vCPzVJ

Você conhece Froebel? Neste vídeo apresento este teórico da educação infantil, responsável pela criação dos jardins de infância como conhecemos hoje, assim como do conceito do brinquedo pedagógico.

Não deixe de se inscrever no meu canal do youtube: Vídeos diários para professores!

Confira também as entrevistas com poetas que estamos realizando no canal do Demonstre:

Não deixe de se inscrever no canal do youtube do Demonstre: Vídeos diários de poesia!

E ainda temos os vídeos de poesias, sempre maravilhosos e diários no canal do Demonstre:

Não deixe de se inscrever no canal do youtube do Demonstre: Vídeos diários de poesia!

 

Alimentos Saudáveis

É complexo fundamentar qual é a nutrição humana mais correta, pois uma dieta saudável pode variar muito de acordo com a genética, saúde e meio ambiente de um indivíduo.

Em resumo, ter uma alimentação saudável é fazer escolhas sobre a quantidade e o que deve comer com a intenção principal e primordial de melhorar ou manter uma boa saúde.

No entanto, o conceito de alimentação saudável também depende do estilo de vida e da quantidade de atividades físicas ao ar livre, também há de se levar em consideração a prática regular de exercícios, o relaxamento da mente, a alimentação propriamente dita e o lazer.

Portanto, pequenas mudanças na sua alimentação podem fazer uma grande diferença para a sua saúde, como por exemplo:

  • Consumir muito cereais integrais.
  • Compor metade da sua dieta com frutas e vegetais.
  • Diminuir o sódio.
  • Retirar completamente o álcool da sua vida.
  • Diminuir a quantidade de açúcar ingeridos.

Quer saber quais são os alimentos mais saudáveis com detalhes? Clique aqui.

Medicina Ayurvédica

Ayurveda é o conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dessa medicina um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade.

Vale lembrar que no Brasil, a medicina ayurvédica é altamente praticada principalmente pelos fisioterapeutas e psicólogos, mas pode ser executada por qualquer profissional da saúde, desde que tenha cursado a especialização necessária.

A medicina ayurvédica é conhecida como a mãe da Medicina, pois seus princípios e estudos são a base do desenvolvimento da medicina tradicional chinesa, árabe, grega e romana.

A medicina ayurvédica auxilia a tratar as doenças antes dos sintomas aparecerem, quer conhecer mais? Clique aqui.

Tipos de alimentos

Se alimentar é uma característica típica dos seres vivos bem como uma forma de trocar energia entre os mesmos através da famigerada teia alimentar.

Comida é qualquer substância consumida para fornecer suporte nutricional para o corpo. É geralmente de origem vegetal ou animal e contém nutrientes essenciais, como carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas ou minerais. A substância é ingerida por um organismo e assimilada pelas células do organismo, em um esforço para produzir energia, manter a vida ou estimular o crescimento.

Existe uma lista extensa de cada tipo de alimento, no curso alimentação consciente, você verá mais.

Tipos de Metabolismos

A comida que você escolhe deve ser ditada pelo seu próprio metabolismo. Uma pesquisa há 6 anos mostrou que, assim como você nasceu com um tipo sanguíneo ou corporal específico, também é abençoado com um tipo metabólico específico. Isso significa que os mesmos alimentos que o mantêm aparente e bonito podem fazer com que outra pessoa engorde e pareça inchada ou cansada.

Existem três tipos metabólicos gerais – A, B e C – listados abaixo. Cada um requer uma quebra de refeição única com base em diferentes quantidades de proteínas, gorduras e carboidratos. Naturalmente, todas essas avarias gerais de refeição devem incluir uma variedade de frutas e vegetais coloridos.

Veja os tipos de metabolismos:

Tipo Metabólico A

Se você é do Tipo A, adora comida salgada, como batata frita, e também é propensa à ansiedade. O que você provavelmente não percebe é que crises frequentes de ansiedade podem ser causadas pela reação do seu corpo ao comer alimentos salgados ou gordurosos. Como Tipo A, você também tem um forte apetite, experimenta fadiga com frequência, é falador e possui uma personalidade extrovertida.

Se você é do tipo A, você queima proteínas e gorduras com muito mais eficiência do que queima carboidratos. Os desejos salgados e gordurosos que você experimenta derivam da necessidade de proteína do seu corpo. Na hora das refeições, o seu prato deve ser composto principalmente de proteína e degradação da seguinte forma:

  • 50% de proteína
  • 30% de gorduras
  • 20% de carboidratos

Escolha cortes magros de proteína, como carne, frango ou peru, e peixe, como atum ou salmão. Estes alimentos de são ricos em purinas, uma substância do corpo que protege e nutre os vasos sanguíneos.

Vá para laticínios que contenham gordura. Está certo! O Tipo A deve comer queijo gordo, creme, 2% de leite e ovos. Esses itens são melhores para você do que laticínios com pouca ou nenhuma gordura carregados com açúcar. Lembre-se, gorduras completas não são hidrogenadas ou gorduras trans encontradas em alimentos processados, como batatas fritas e biscoitos. Esses itens desagradáveis devem ser evitados, não importa qual seja seu tipo metabólico.

Coma uma variedade de frutas e legumes, mas evite muitos refinados e ricos em amido. Estes são carregados de açúcar e vão realmente adicionar à sua ansiedade. Em vez de batatas brancas ou pão branco, procure por grãos integrais, como farinha de aveia e macarrão integral.

Tipo Metabólico B

Se você é do Tipo B, tem uma forte inclinação por doces – doces, sorvetes, biscoitos, bolo. Seu corpo está realmente clamando por carboidratos saudáveis, mas você está desejando açúcar em vez disso. Como um Tipo B, você também possui um apetite relativamente fraco, é sensível, ambicioso, organizado, às vezes estressado, tem uma dependência de cafeína e também pode lutar com seu peso.

Se você é do Tipo B, você se sai bem com uma dieta com baixo teor de gordura e relativamente baixa em proteínas, que inclui principalmente carboidratos bons, muitas frutas e vegetais e grãos integrais. Seu prato de refeições deve conter:

  • 70% de carboidratos
  • 20% de proteína
  • 10% de gorduras

Viva para o Tipo B! Você começa a comer principalmente refeições à base de carboidratos. No entanto, você deve comer grãos integrais: cevada, arroz integral e pão de trigo integral, etc.

Esteja ciente de que você precisa de proteína baixa ao invés de não-proteína. Escolha proteínas de baixa pureza que são leves e magras: aves de carne branca, peixe branco, como bacalhau ou linguado, e proteínas à base de plantas, incluindo lentilhas e grão-de-bico. Coma laticínios com baixo teor de gordura, como queijo, iogurte e leite.

Para reduzir sua dependência da cafeína, comece cortando o café ou o chá preto e substitua pelo chá verde.

Tipo Metabólico C

Se você é incapaz de determinar se você é um Tipo A ou B e gosta tanto de alimentos doces quanto salgados igualmente, você provavelmente é um Tipo C. Os tipos C são tipos mistos que têm apetites flutuantes, podem sentir fadiga, ansiedade e nervosismo. pode sofrer dores e ter poucos problemas com o controle de peso.

Os tipos C têm a capacidade de metabolizar proteínas, gorduras e carboidratos igualmente, e é por isso que você almeja comidas salgadas e doces. Seu prato de refeição deve ser dividido em três partes:

  • 33% de proteína
  • 33% de gorduras
  • 33% de carboidratos

Como um Tipo C, você pode colocar mais gorduras no seu prato. Escolha uma mistura de alimentos com pouca ou muita gordura, como queijo com baixo teor de gordura, iogurte, azeite, etc. Misture e combine proteínas escuras e claras também: carne leve e escura, carne bovina, salmão, bacalhau, feijão, soja, etc.

A última porção do seu prato deve conter bons carboidratos, incluindo vários grãos integrais e vegetais ricos em amido: 100% de pães integrais e cereais, batata doce, banana, etc.

Descubra como combinar os alimentos certos para o seu tipo metabólico, no Alimentação Consciente.

Despedida!

Essa leitura foi boa não é mesmo? Acredito que mudará a visão sobre alimentação de muitas pessoas. Opte por uma alimentação saudável e faça sua vida melhorar em todos os âmbitos, e até a próxima.

“A saúde não está na forma física, mas na forma de se alimentar”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.