Anuncio Publicitário

10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil

10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil para oferecer em sala de aula e ajudar seus alunos a se prepararem para esta prova.

A interpretação textual permite a compreensão de todo e qualquer texto ou discurso e se amplia no entendimento da sua essência e ideia principal. Trata-se de uma competência imprescindível no mercado de trabalho e nos estudos. Para que a interpretação ocorra de forma satisfatória é necessário que esteja atrelada a outros elementos como, praticar a leitura com regularidade que proporciona o enriquecimento do vocabulário, dominar as estruturas lingüísticas, compreender relações semânticas.

10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil
10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil

A interpretação abarca peculiaridades como elementos gramaticais, pontuação, preposições, conjunções entre outras que devem estar corretamente dispostas em um texto, um outro ponto que contribui para que a interpretação transcorra de forma concisa são os elementos que compõem o texto como coesão, coerência e estrutura semântica bem definida, para que o leitor possa interagir plenamente com as ideias expostas pelo conteúdo em questão.

Anuncio Publicitário

A interpretação de texto permite que as pessoas possam estender o domínio sobre a linguagem escrita e falada e se tornem cada vez mais eficientes dentro das informações a serem transmitidas e compreendidas. Por isso a interpretação favorece a compreensão profissional e acadêmica, ofertando um maior entendimento e assimilação de conteúdo e ideias.

10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil

Vamos começar então com nossos textos e questões e colocar em pratica nosso plano de estudos.

O cabo e o soldado

Anuncio Publicitário

Um cabo e um soldado de serviço dobravam a esquina, quando perceberam que a multidão fechada em círculo observava algo. O cabo foi logo verificar do que se tratava.

Não conseguindo ver nada, disse, pedindo passagem: — Eu sou irmão da vítima. Todos olharam e logo o deixaram passar.

Quando chegou ao centro da multidão, notou que ali estava um burro que tinha acabado de ser atropelado e, sem graça, gaguejou dizendo ao soldado:

Anuncio Publicitário

— Ora essa, o parente é seu.

No texto, o traço de humor está no fato de:

(A) o cabo e um soldado terem dobrado a esquina.

Anuncio Publicitário

(B) o cabo ter ido verificar do que se tratava.

(C) ter sido um burro a vítima do atropelamento.

(D) todos terem olhado para o cabo.

Anuncio Publicitário

O bicho

Vi ontem um bicho Na imundice do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato. Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem.

BANDEIRA, Manuel. Poesias reunidas. Rio de Janeiro: Ática, 1985.

Anuncio Publicitário

O que motivou o bicho a catar restos foi:

(A) a amizade pelo cão.

(B) a imundice do pátio.

Anuncio Publicitário

(C) a própria fome.

(D) o cheiro da comida.

Populares 3 1024x680 8191030
10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil

Os melhores contos de Rubem Braga. São Paulo: Editora Global Ltda, 1985.

Anuncio Publicitário

O mato

(crônica descritiva)

Veio o vento frio, e depois o temporal noturno, e depois da lenta chuva que passou toda a manhã caindo e ainda voltou algumas vezes durante o dia, a cidade entardeceu em brumas.

Anuncio Publicitário

Então o homem esqueceu o trabalho e as promissórias, esqueceu a condução e o telefone e o asfalto, e saiu andando lentamente por aquele morro coberto de um mato viçoso, perto de sua casa. O capim cheio de água molhava seu sapato e as pernas da calça; o mato escurecia sem vagalumes nem grilos.

Pôs a mão no tronco de uma árvore pequena, sacudiu um pouco, e recebeu nos cabelos e na cara as gotas de água como se fosse uma bênção.

Ali perto mesmo a cidade murmurava, estalava com seus ruídos vespertinos, ranger de bondes, buzinar impaciente de carros, vozes indistintas; mas ele via apenas algumas árvores, um canto de mato, uma pedra escura.

Anuncio Publicitário

Ali perto, dentro de uma casa fechada, um telefone batia, silenciava, batia outra vez, interminável, paciente, melancólico. Alguém com certeza já sem esperança insistia em querer falar com alguém.

Por um instante, o homem voltou seu pensamento para a cidade e sua vida. Aquele telefone tocando em vão era um dos milhões de atos falhados da vida urbana. Pensou no desgaste nervoso dessa vida, nos desencontros, nas incertezas, no jogo de ambições e vaidades, na procura de amor e de importância, na caça ao dinheiro e aos prazeres. Ainda bem que de todas as grandes cidades do mundo o Rio é a única a permitir a evasão fácil para o mar e a floresta.

Ele estava ali num desses limites entre a cidade dos homens e a natureza pura; ainda pensava em seus problemas urbanos — mas um camaleão correu de súbito, um passarinho piou triste em algum ramo, e o homem ficou atento àquela humilde vida animal e também à vida silenciosa e úmida das árvores, e à pedra escura, com sua pele de musgo e seu misterioso coração mineral.

Anuncio Publicitário

E pouco a pouco ele foi sentindo uma paz naquele começo de escuridão, sentiu vontade de deitar e dormir entre a erva úmida, de se tornar um confuso ser vegetal, num grande sossego, farto de terra e de água; ficaria verde, emitiria raízes e folhas, seu tronco seria um tronco escuro, grosso, seus ramos formariam copa densa, e ele seria sem angústia nem amo; sem desejo nem tristeza, fone, quieto, imóvel, feliz.

No texto, o elemento que gera a história narrada é:

(A) a preocupação do homem com os problemas alheios.

Anuncio Publicitário

(B) a proximidade entre a casa do homem e o morro com mato viçoso.

(c) o desejo do homem de buscar alento próximo da natureza.

O Quiromante

Anuncio Publicitário

Há muitos anos atrás, havia um rapaz cigano que, nas horas vagas, ficava lendo as linhas das mãos das pessoas. O pai dele, que era muito austero no que dizia respeito à tradição cigana de somente as mulheres lerem as mãos, dizia sempre para ele não fazer isso, que não era ofício de homem, que fosse fazer tachos, tocar música, comerciar cavalos.

E o jovem cigano teimava em ser quiromante. Até que um dia ele foi ler a sorte de uma pessoa e, quando ela se virou de frente, ele viu, assustado, que ela não tinha mãos. A partir daí, abandonou a quiromancia.

(D) o toque insistente do telefone em uma casa fechada e silenciosa.

Anuncio Publicitário

PEREIRA, Cristina da Costa. Lendas e histórias ciganas. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

O trecho “A partir daí, abandonou a quiromancia” (ℓ. 8) apresenta, com relação ao que foi dito no parágrafo anterior, o sentido de:

  1. comparação. (B) condição. (C) consequência. (D) finalidade

(Paulo D’Amaro)Disponível em: <http://galileu.globo.com/edic/116/rep_internet.htm>. Acesso em Julho /2008.

Anuncio Publicitário

Não se perca na rede

A Internet é o maior arquivo público do mundo. De futebol a física nuclear, de cinema a biologia, de religião a sexo, sempre há centenas de sites sobre qualquer assunto. Mas essa avalanche de informações pode atrapalhar. Como chegar ao que se quer sem perder tempo? É para isso que foram criados os sistemas de busca.

Há vários tipos. Alguns são genéricos, feitos para uso no mundo todo (Google, por exemplo). Use esse site para pesquisar temas universais. Outros são nacionais

Anuncio Publicitário

Porta de entrada na rede para boa parte dos usuários, eles são um filão tão bom que já existem às centenas também. Qual deles escolher? Depende do seu objetivo de busca. ou estrangeiros com versões específicas para o Brasil (Cadê, Yahoo e Altavista). São ideais para achar páginas “com.br”.

O artigo foi escrito por Paulo D’Amaro. Ele misturou informações e análises do fato. O período que apresenta uma opinião do autor é:

(A) “foram criados sistemas de busca.”

Anuncio Publicitário

(B) “essa avalanche de informações pode atrapalhar.”

(C) “sempre há centenas de sites sobre qualquer assunto.”

(D) “A internet é o maior arquivo público do mundo.”

Anuncio Publicitário

(E) “Há vários tipos.”

Ivana Arruda Leite. Tio Pádua. Internet: http://www.doidivana.zip net.

Tio Pádua TEXTO I

Anuncio Publicitário

Tio Pádua e tia Marina moravam em Brasília. Foram um dos primeiros. Mudaram-se para lá no final dos anos 50. Quando Dirani, a filha mais velha, fez dezoito anos, ele saiu pelo Brasil afora atrás de um primo pra casar com ela. Encontrou Jairo, que morava em Marília. Estão juntos e felizes até hoje. Jairo e Dirani casaram-se em 1961. Fico pensando se os casamentos arranjados não têm mais chances de dar certo do que os desarranjados.

Ingo Muniz Sabage. O casamento e o amor na Idade Média. Internet: <http://www.milenio.com.br/ingo/ideias/hist/casament.htm>.

TEXTO II

Anuncio Publicitário

O casamento e o amor na Idade Média

(fragmento)

Nos séculos IX e X, as uniões matrimoniais eram constantemente combinadas sem o consentimento da mulher, que, na maioria das vezes, era muito jovem. Sua pouca idade era um dos motivos da falta de importância que os pais davam a sua opinião. Diziam que estavam conseguindo o melhor para ela. Essa total falta de importância dada à opinião da mulher resultava muitas vezes em raptos.

Anuncio Publicitário

Como o consentimento da mulher não era exigido, o raptor garantia o casamento e ela deveria permanecer ligada a ele, o que era bastante difícil, pois os homens não davam importância à fidelidade. Isso acontecia talvez principalmente pelo fato de a mulher não poder exigir nada do homem e de não haver uma conduta moral que proibisse tal ato.

Sobre o “casamento arranjado”, o texto I e o texto II apresentam opiniões

(A) complementares. (C) opostas.

Anuncio Publicitário

(B) duvidosas. (D) preconceituosas.

PAES, José Paulo. O que disse o passarinho. In: _.Um passarinho me contou. São Paulo: Editora Ática, 1996.

Anuncio Publicitário

O que disse o passarinho

Um passarinho me contou que o elefante brigou com a formiga só porque enquanto dançavam (segundo ele) ela pisou no pé dele!

Um passarinho me contou que o jacaré se engasgou e teve de cuspi-lo inteirinho quando tentou engolir, imaginem só, um porco-espinho!

Anuncio Publicitário

Um passarinho me contou que a ostra é muito fechada, que a cobra é muito enrolada que a arara é uma cabeça oca, e que o leão-marinho e a foca… Xô, xô, passarinho, chega de fofoca!

about image 5887676
10 textos e 20 questões de leitura e interpretação para Prova Brasil

Um passarinho me contou que o namoro do tatu e a tartaruga deu num casamento de fazer dó: cada qual ficou morando em sua casca em vez de morar numa casca só.

A pontuação usada no final do verso “e que o leão-marinho e a foca…” (ℓ. 20) sugere que o passarinho:

Anuncio Publicitário

(A) ainda tem fofocas para contar.

(B) está cansado.

(C) está confuso.

Anuncio Publicitário

Acho uma boa ideia abrir as escolas no fim de semana, mas os alunos devem ser supervisionados por alguém responsável pelos jogos ou qualquer opção de lazer que se ofereça no dia. A comunidade poderia interagir e participar de atividades interessantes. Poderiam ser feitas gincanas, festas e até churrascos dentro da escola.

(D) não tem mais fofocas para contar.

(Juliana Araújo e Souza) (Correio Braziliense, 10/02/2003, Gabarito. p. 2.)

Anuncio Publicitário

Em “A comunidade poderia interagir e participar de atividades interessantes.” a palavra destacada indica:

(A) adição.

(B) alternância.

Anuncio Publicitário

(C) explicação.

(D) oposição.

Anuncio Publicitário

(O Melhor da crônica brasileira. Raquel de Queiroz/Viagem de Bonde. Editora Olympio. Rio de Janeiro/1980.p.53)

Viagem de Bonde

(Fragmentos)

Anuncio Publicitário

Era o Bonde Engenho de Dentro, ali na Praça Quinze. Vinha cheio, mas como diz, empurrando sempre encaixa. O que provou ser otimismo, porque talvez encaixasse metade ou um quarto de pessoa magra, e a alentada senhora que se guindou ao alto estribo e enfrentou a plataforma traseira junto com um bombeiro e outros amáveis soldados, dela talvez coubesse um oitavo. Assim mesmo, e isso prova bem a favor da elasticidade dos corpos gordos, ela conseguiu se insinuar, ou antes, encaixar. E tratava de acomodar-se gingando os ombros e os quadris à direita e à esquerda, quando o bonde parou em outro poste, e o soldado repetiu o tal slogan do encaixe. E foi subindo − logo quem! − uma baiana dos seus noventa quilos…

E aquela baiana pesava seus noventa quilos, mas era nua, com licença da palavra, pois com tanta saia engomada e mais os balangandãs, chegava mesmo era aos cem…

  1. O trecho que apresenta característica de humor é:

(A) “Assim mesmo, e isso prova bem a favor da elasticidade dos corpos gordos, ela conseguiu se insinuar, ou antes, encaixar. “

Anuncio Publicitário

(B) “E aquela baiana pesava seus noventa quilos, mas era nua, com licença da palavra, pois com tanta saia engomada e mais os balangandãs, chegava mesmo era aos cem… “

(C) “Era o Bonde Engenho de Dentro, ali na Praça Quinze. Vinha cheio, mas como diz, …“

(D) “quando o bonde parou em outro poste, o soldado repetiu o tal slogan do encaixe. “

Anuncio Publicitário
  1. Leia: “Era o Bonde Engenho de Dentro, ali na Praça Quinze.” O vocábulo destacado nos dá ideia de:
  2. dúvida.
  3. lugar.
  4. modo.
  5. tempo.

(ASH, Russel; HIGTON, Bernard (Comp.). Fábulas de Esopo. Tradução Heloisa Jahn. São Paulo:

O burro que vestiu a pele de um leão

Um burro encontrou uma pele de leão que um caçador tinha deixado largada na floresta. Na mesma hora o burro vestiu a pele e inventou a brincadeira de se esconder numa moita e pular fora sempre que passasse algum animal. Todos fugiam correndo assim que o burro aparecia.

Anuncio Publicitário

O burro estava gostando tanto de ver a bicharada fugir dele correndo que começou a se sentir o rei leão em pessoa e não conseguiu segurar um belo zurro de satisfação. Ouvindo aquilo, uma raposa que ia fugindo com os outros parou, virou-se e se aproximou do burro rindo:

__ Se você tivesse ficado quieto, talvez eu também tivesse levado um susto. Mas aquele zurro bobo estragou sua brincadeira!

Moral: Um tolo pode enganar os outros com o traje e a aparência, mas suas palavras logo irão mostrar quem ele é de fato.

Anuncio Publicitário

Companhia das Letrinhas, 1994. p. 70.)

  1. No trecho “Mas aquele zurro bobo estragou sua brincadeira”, a palavra sublinhada refere-se à brincadeira:

(A) do burro.

(B) do caçador.

Anuncio Publicitário

(C) do leão.

(D) da raposa.

  1. O burro “não conseguiu segurar um belo zurro de satisfação” quer dizer que o burro soltou um som de:

(A) alegria.

Anuncio Publicitário

(B) desânimo.

(C) dúvida.

(D) espanto.

Anuncio Publicitário
  1. Para entender o texto, é preciso saber que o burro é um animal:

(A) bravo.

(B) esperto.

(C) tolo.

Anuncio Publicitário

(D) feroz.

  1. O burro assustou os bichos quando:

(A) encontrou uma pele de leão.

(B) estragou a pele de um leão.

Anuncio Publicitário

(C) segurou a pele de um leão.

(D) vestiu a pele de um leão.

  1. Todos os bichos fugiam correndo porque tinham medo de:

(A) burro.

Anuncio Publicitário

(B) caçador.

(C) leão.

(D) raposa.

Anuncio Publicitário
  1. O ponto de exclamação em “Mas aquele zurro bobo estragou sua brincadeira!” indica que a raposa está;

(A) chorosa.

(B) gozadora.

(C) irritada.

Anuncio Publicitário

(D) quieta

Texto I

Jacaré lava o pé

Anuncio Publicitário

(Fragmentos)

Eloí Elizabet Bocheco

O jacaré esfrega o pé

Anuncio Publicitário

com água e sabão

Enxágua e repete

trinta vezes a operação

Anuncio Publicitário

Se acha uma craquinha,

começa tudo outra vez.

Imagine a conta d’água

Anuncio Publicitário

no fim do mês!

(http://www.revista.agulha.com.br)

Texto II

Anuncio Publicitário

Um minicrocodilo, uma grande descoberta

(Fragmentos)

Se comparado aos seus parentes atuais, ele é pequeno. Porém, para os cientistas que estudam animais pré-históricos, saber que ele viveu há 90 milhões de anos onde hoje está o Brasil é uma grande descoberta. Sabe de quem estamos falando? Do Adamantinasuchus navae, um crocodilo terrestre muito diferente das espécies pré-históricas desse tipo de réptil descoberta até hoje. Seus fósseis foram apresentados à imprensa.

Anuncio Publicitário

(http://www.cienciahoje.uol.com.br)

A leitura dos textos permite concluir que:

(A) o texto I discute a fome do jacaré. O texto II questiona os estudos dos animais pré-históricos.

Anuncio Publicitário

(B) o texto I descreve poeticamente a vida do jacaré. O texto II analisa a extinção de um famoso réptil.

(C) o texto I escreve em versos, bem-humorados, o banho do jacaré. O texto II informa sobre a descoberta de um pequeno crocodilo.

(D) o texto I informa em estrofes, bem-animadas, o calor do jacaré. O texto II afirma com certeza o fim das pesquisas pré-históricas.

Anuncio Publicitário

Almanaque Brasil de Cultura Popular. São Paulo, ano 2, n. 15, jun. 2000, p. 30.

Sempre o Juquinha

No primeiro dia de aula, a professora explica que vai testar a capacidade de raciocínio das crianças, fazendo-as ligar determinadas características ao animal certo. Chama o Juquinha e começa:

Anuncio Publicitário

– Quem pia é…

– Pião! – diz o garoto terrível.

Com paciência, a professora diz que é o pintinho da galinha que pia.

Anuncio Publicitário

– Vou lhe dar outra chance: quem ladra é…

– Ladrão!

A professora, irritada, explica que é o cachorro.

Anuncio Publicitário

– Seu Juquinha, vou lhe dar a última chance: quem muda de cor é…

E o Juquinha:

– Semáforo!

Anuncio Publicitário

Nos trechos ”– Quem pia é…”; “quem ladra é…”; “quem muda de cor é…”, o uso das reticências, em relação ao aluno, reforça:

  1. a fala da professora.
  2. a fala do Juquinha.
  3. a irritação da professora.
  4. O momento que a professora espera pela resposta de Juquinha.

FAQ sobre leitura e interpretação

Seja de exatas, humanas ou saúde, a interpretação de texto está presente em diversas situações cotidianas, através da linguagem verbal ou não-verbal.  Diante da diversidade de discursos e gêneros textuais, ter conhecimento prévio sobre o assunto e leitura possibilita a compreensão de distintos contextos, nesta parte do artigo iremos responder as duvidas mais frequentes.

Como sabemos que não estamos preparados?

Muitas vezes, principalmente na escola, a professora sugere uma leitura e, logo em seguida, ordena que seja feita a interpretação referente ao texto lido. Mas como realizá-la, se não lembramos quase nada daquilo que acabamos de ler? Quando isso acontece é porque ainda não temos a habilidade necessária a todo bom leitor.

Anuncio Publicitário

Qual a impotancia de ter essa habilidade?

Essa habilidade em saber interpretar um texto, pelo fato de ser muito importante, precisa ser rapidamente conquistada, pois ela nos ajudará em todas as disciplinas, a começar por aquele probleminha de matemática. Quantas vezes o lemos e não conseguimos resolvê-lo, não é verdade?

O que é interpretação de texto?

A interpretação de texto pode ser conceituada facilmente como o elemento-chave na compreensão de todo e qualquer discurso ou texto, ampliando-se o entendimento de sua ideia principal, isto é, de sua finalidade.
Como competência, a interpretação de texto é imprescindível para os resultados acadêmicos e profissionais. Isso acontece justamente pela maior eficiência na resolução de exercícios e na própria compreensão de situações do dia a dia.

Como melhorar a leitura?

Quanto mais você lê, mais conhecimento da língua você terá. Separe um tempo para as leituras, pois interpretar um texto não pode ser feito às pressas.
Uma dica é que você faça a leitura de gêneros diferentes, para engrandecer o seu vocabulário. Por isso, aposte em revistas, livros de literatura, jornais, publicações científicas, blogs e outros meios.

Anuncio Publicitário

Como achar pegadinhas no texto?

A melhor forma de identificar pegadinhas no texto e prestar atenção nos detalhes de informação  é grifar termos e linhas importantes do texto. Assim, na hora de responder às questões pode evitar ter de ler todo o conteúdo novamente para encontrar a resposta.

Importância de uma boa interpretação de texto?

Somente pelo conceito é possível determinar a tamanha importância de uma interpretação textual. Basicamente, essa ação procura permitir que uma pessoa estenda o seu domínio sobre a linguagem (tanto escrita quanto falada), tornando-se mais eficiente em relação às informações que são transmitidas e recebidas.

Isto é, a interpretação de texto serve para favorecer a compreensão, o maior entendimento e a assimilação de conteúdos e ideias.
É ainda importante mencionar que a interpretação de texto é uma aptidão que pode proporcionar mais conhecimento de mundo aos indivíduos, bem como pensamento crítico.

Anuncio Publicitário

Atividades e muito mais!

Se você gostou de aprender um pouco mais sobre estes textos incríveis e quer continuar aprendendo com a ajuda de nossas dicas, sugestões e atividades, aproveite para ler mais de nossos artigos e se torne o professor número um.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anuncio Publicitário

Anuncio Publicitário

Anuncio Publicitário

Demonstre Atividades

Demonstre Atividades é um Portal Educacional focado em conteúdo e atividades para professores.

Demonstre Atividades - 2020 | Desenvolvido por Nixem Dev