Astronomia na Antiguidade

O que é Astronomia?

A astronomia é uma das ciências mais antigas. Os povos antigos usavam as posições das estrelas para navegar e descobrir quando é o melhor momento para plantar. A astronomia na antiguidade é muito semelhante à astrofísica. A cosmologia é uma disciplina relacionada, relacionada ao estudo de todo o universo e à maneira como o universo muda com o tempo.

astronomia-na-antiguidade-4877164
astronomia na antiguidade

Lembrando que a astronomia na antiguidade é diferente da astrologia, que acredita que o movimento de estrelas e planetas pode afetar a vida humana. E nesse texto nós vamos falar sobre Astronomia na Antiguidade.

O que os Astrônomos fazem? – Astronomia na Antiguidade

De um modo geral, os astrônomos tentam entender como o universo funciona. Dos planetas em nosso sistema solar à evolução das estrelas e nebulosas, ao sistema galáctico inteiro, às características e ao destino de todo o universo.

A astronomia moderna é uma ciência interdisciplinar, que se baseia e promove o desenvolvimento de áreas como física, química, ciência da computação e matemática.

As naves espaciais só podem alcançar o objeto astronômico mais próximo (tudo dentro do nosso sistema solar) dentro de um tempo razoável. As informações sobre todos os outros objetos vêm indiretamente de telescópios ou satélites terrestres que orbitam a Terra e observam a luz emitida ou refletida por esses objetos.

A coleta e a análise detalhada dessa luz são essenciais para descobrir os mistérios do universo observável. O único objetivo do telescópio é coletar essa luz. Os astrônomos são responsáveis ​​por analisar e interpretar esses dados.

Ela é tão antiga?

Até 500 anos atrás, as pessoas pensavam que o mundo era plano. Em 1609, Galileu Galilei fez seu primeiro telescópio e observou as luas de Júpiter na Via Láctea, crateras lunares e milhares de estrelas fracas. Seu telescópio tinha energia insuficiente, mas ele abriu uma porta para a descoberta.

astronomia-antiga-6922307
Astronomia Antiga

A história da astronomia na antiguidade até o telescópio Galileo e as fórmulas matemáticas de Newton é mais fascinante do que a história de qualquer outro ramo da ciência e, acompanhando o progresso da ciência, podemos entender melhor a Terra, os planetas e as estrelas. Na seção anterior, estudamos antigos sítios astronômicos arqueológicos e como o desenvolvimento de calendários e ferramentas de navegação desencadeou a civilização.

Berço da civilização na Antiguidade

O povo primitivo acreditava que a terra era plana e todo o céu girava em torno da terra. Isso ainda é óbvio para quem acredita. Afinal, para eles, a terra não parece redonda. A bola não vai rolar infinitamente na superfície. A terra não pode girar, caso contrário, sentiremos movimento e continuaremos tontos.

Até os meteorologistas de TV modernos mencionam o nascer e o pôr do sol. Eles acreditam que a terra está no centro ou têm preguiça de dizer: “A terra girará para o sol às 7h22 e sairá do sol às 18h54. A terra está achatada”.

Crenças antigas sobre astronomia na antiguidade

Em cada lugar tinham suas crenças e lendas sobre astronomia na antiguidade

Os padres védicos indianos:

Acreditavam que a terra era sustentada por doze enormes pilares. No momento da escuridão, o sol passou de baixo de algum modo entre os pilares sem atingi-los.

Os hindus:

Acreditavam que esta terra estava localizada nas costas de quatro elefantes. Esses elefantes ficam nas conchas de tartarugas gigantes, e as tartarugas são sustentadas por uma cobra gigante que flutua indefinidamente no oceano.

Os chineses:

Acreditavam que o eclipse solar foi causado por um dragão tentando devorar o sol. Eles emitiam o máximo de sons possível para assustar a fera. A participação de todas as pessoas, gritando, lamentando, batendo gongos e tambores, agravou o alvoroço. Eventualmente, eles descobriram que após 18 anos e 11 dias qualquer eclipse solar pode ocorrer.

Dragão Chinês
Dragão Chinês

Mantendo registros, eles podem sempre se preparar para “o retorno do dragão”. Durante o ano, o eclipse solar ocorreu em um momento inesperado e as pessoas foram pegas de surpresa pelo “dragão”. O imperador ficou tão zangado que imediatamente ordenou que os astrônomos da corte Hsi e Ho fossem executados.

Os egípcios:

Alinharam suas pirâmides com estrelas. Esse fato importante nos ajuda a determinar a idade aproximada da pirâmide, medindo a direção da posição da pirâmide em relação à posição conhecida de Polaris (a estrela parece permanecer na mesma posição, mas na verdade se move um pouco devido à precessão e rotação).

pirâmides
pirâmides

Outros arqueólogos afirmam que a Grande Pirâmide está alinhada com a estrela em Órion porque, teoricamente, quando a pirâmide é construída, é impossível para Polaris estar em uma posição percebida no céu. De qualquer forma, a conexão entre esses edifícios e constelações muito antigas mostra o quanto era importante para os antigos egípcios estudar o céu noturno.

Os israelitas:

Acreditavam que Deus criou tudo dentro de 6 dias, e a terra plana estava no centro do universo, enquanto tudo o mais girava em torno dele.

A Bíblia registra que houve uma batalha entre Israel e os amorreus. Em Josué 10 , o líder do exército israelense, Josué, orou a Deus para lhes dar mais tempo para terminar a batalha. A oração de Josué foi respondida: “O sol parou durante o dia, o que atrasou o pôr do sol por um dia inteiro. Nunca houve um dia como este antes do Senhor ouvir uma pessoa”.

Povos da Mesopotâmia – Astronomia na Antiguidade

São os primeiros a observar e registrar sistematicamente os fenômenos astronômicos. Eles definiram os conceitos de dia, mês e ano e organizam os primeiros calendários.

A astronomia na antiguidade babilônica

É um estudo ou registro de corpos celestes durante a Mesopotâmia. Esses registros podem ser encontrados em placas de argila suméria na escrita cuneiforme que remonta a 1000 aC. Os sumérios combinaram sua mitologia para desenvolver uma astronomia que influenciou a cultura babilônica. Os deuses do planeta tiveram um papel importante.

A astronomia na antiguidade babilônica parece focalizar um grupo de estrelas e constelações chamadas estrelas Ziqpu. Essas constelações podem ter sido coletadas de várias fontes anteriores. Os primeiros catálogos, cada um com três estrelas, mencionaram o Império Acadiano, Amurru, Elam e outras estrelas.

Um sistema de numeração baseado em hexadecimal é usado. O sistema simplifica o cálculo e o registro de números muito grandes e pequenos. A partir dos sumérios, prática moderna de dividir o círculo em 360 graus.

Séculos 8 e 7 aC – Astronomia na Antiguidade

Os astrônomos da Babilônia desenvolveram um novo método empírico para a astronomia na antiguidade.

Eles começaram a estudar e registrar suas crenças e sistemas filosóficos que lidavam com a essência dos ideais do universo, e começaram a adotar a lógica interna em seus sistemas planetários preditivos. Essa é uma contribuição importante para a astronomia na antiguidade e a filosofia da ciência: alguns estudiosos modernos chamam esse novo método de primeira revolução científica.

Este método astronômico foi adotado e desenvolvido na Grécia e na astrologia grega grega. As fontes gregas e latinas clássicas costumam usar o termo caldeus para se referir aos astrônomos da Mesopotâmia, que são considerados sacerdotes – escribas especializados em astrologia e outra astrologia.

Apenas fragmentos da astronomia na antiguidade babilônica sobreviveram, compostos principalmente de tabletes contemporâneos contendo diários astronômicos, efemérides e texto processual; portanto, o conhecimento atual da teoria planetária babilônica está em um estado de fragmentação.

No entanto, os fragmentos restantes indicam que a astronomia na antiguidade babilônica é a primeira tentativa de fornecer com êxito uma descrição matemática exata dos fenômenos astronômicos e no mundo helenístico, na Índia, no Islã e no Ocidente eles são decisivos e fundamentais, O caminho depende da astronomia na antiguidade da Babilônia.

Babilônica antiga

A astronomia na antiguidade babilônica antiga foi realizada antes e depois da primeira dinastia babilônica cerca de 1830 aC e antes e depois do Novo Império Babilônico cerca de 626 aC.

Os babilônios foram os primeiros a reconhecer que os fenômenos astronômicos são periódicos e aplicam a matemática às suas previsões. Um tablet que remonta à Babilônia registra a aplicação da matemática na alteração da duração da luz do dia no sol.

Os Babilônios observaram fenômenos celestes por centenas de anos e é registrada em uma série de scripts cuneiformes chamados Enûma Anu Enlil – o mais antigo trabalho astronômico importante que temos é Enma Anu O 63º monumento de Enlil, que é uma observação visível de Vênus na forma de Vênus de Ammisaduqa em cerca de 21 anos.

Essa é a evidência mais antiga de que os fenômenos planetários são considerados periódicos. Um objeto chamado prisma de marfim foi encontrado nas ruínas de Nínive.

Antes de tudo, é provavelmente para descrever uma regra do jogo, que mais tarde foi interpretada como um conversor de unidades para calcular o movimento de corpos celestes e constelações. Os astrônomos babilônicos desenvolveram signos do zodíaco. Eles são compostos do céu dividido em três grupos de trinta e três graus e da constelação que habita cada setor.

Astronomia na Antiguidade

Também diferenciam os planetas (estrelas errantes) das estrelas (estrelas fixas). E ainda reconheceram os planetas observáveis a olho nu – Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno – e desenvolveram métodos matemáticos para calcular seus movimentos e os da Lua.

Teoria planetária 

Os babilônios foram a primeira civilização a ter uma teoria das funções planetárias. O texto astronômico planetário sobrevivente mais antigo é a tábua Babilônia de Vênus de Ammisaduqa, que é uma lista de observações dos movimentos planetários de Vênus copiados no século VII aC, que podem ser rastreados até o segundo aC Mil anos.

Os astrólogos babilônicos também lançaram as bases para eventualmente se tornar astrologia ocidental. Enuma anu enlil, escrito no período neo assírio do século VII aC, incluía uma série de sinais e sua relação com vários fenômenos celestes, incluindo o movimento de planetas.

Astronomia grega

Os gregos são os primeiros a afirmar que a Terra é esférica, realiza um movimento de rotação em torno do Sol e que a Lua apenas reflete a luz solar. Organizam vários catálogos de estrelas e chegam a afirmar o heliocentrismo, 15 séculos antes de Copérnico, embora o geocentrismo seja predominante.

Nesta área, os gregos exibiram talentos extraordinários. A astronomia na antiguidade observacional é a principal forma de astronomia em outros lugares, dando um passo na Grécia: eles tentaram construir um modelo cósmico que pudesse explicar as observações.

Eles exploraram todas as opções possíveis e consideraram muitas soluções diferentes para os vários problemas astronômicos que encontraram. Eles não apenas previram muitas idéias da astronomia moderna, mas algumas delas duraram cerca de dois mil anos.

Mesmo na época de Isaac Newton, a Universidade de Cambridge ainda ensinava certos aspectos da cosmologia de Aristóteles.

Geocentrismo

O conhecimento astronômico da Antiguidade está sintetizado na obra Almagesto, de Ptolomeu. Escrita no século II d.C., afirma o geocentrismo e constrói um modelo de cosmos que é aceito como verdade por mais de um milênio.

Astronomia na Antiguidade, o modelo geocêntrico é uma descrição alternativa da Terra, onde a Terra está no centro. Sob o modelo geocêntrico, o sol, a lua, as estrelas e os planetas giram em torno da terra. O modelo geocêntrico é a principal descrição do universo por muitas civilizações antigas, como Aristóteles na Grécia clássica e Ptolomeu em Roma e Egito.

O modelo geocêntrico entrou na astronomia na antiguidade e na filosofia gregas desde o início. Pode ser encontrado na filosofia pré-socrática. No século VI aC, Anaximandro propôs a cosmologia com a Terra na forma de um cilindro (cilindro) erguido no centro de tudo.

O sol, a lua e os planetas são buracos nas rodas invisíveis ao redor da terra. Através do buraco, os humanos podem ver o fogo escondido. Ao mesmo tempo, Pitágoras acreditava que a Terra era uma esfera (baseada em observações do eclipse), mas não no centro.

Ele acreditava que estava se movendo em torno do fogo invisível. Essas visões foram posteriormente combinadas, de modo que os gregos instruídos no século IV aC acreditavam que a Terra era uma esfera no centro do universo.

Cosmologia

Ao contrário da visão de mundo proposta na literatura mesopotâmica e assíria-babilônica, especialmente a visão de mundo na Mesopotâmia e na mitologia babilônica, pouco se sabe sobre a cosmologia e a visão de mundo dos antigos astrólogos e astrônomos da Babilônia .

Isso se deve em grande parte ao fato de que a teoria planetária babilônica está atualmente fragmentada e também porque a astronomia babilônica é independente da cosmologia da época. No entanto, traços de cosmologia podem ser encontrados na literatura e na mitologia babilônicas.

Na cosmologia babilônica, a terra e o céu são descritos como “todo o espaço, mesmo um círculo”, e mencionam “o perímetro do céu e da terra” e “todo o céu e a terra”. A visão de mundo deles não é inteiramente geocêntrica.

A teoria geocêntrica de que o centro da terra é o centro exato do universo ainda não existe na cosmologia babilônica, mas foi mais tarde proposta pelo filósofo grego Aristóteles. Por outro lado, a cosmologia de Babilônia acredita que o universo gira ciclicamente sob a condição de igualdade e unidade entre o céu e a terra.

Os babilônios acreditavam em muitos céus e terras. Essa ideia remonta ao encantamento sumério no século II aC, referindo-se a sete céus e sete terras, possivelmente ligados à criação de sete gerações de deuses em ordem cronológica.

Calendários

O calendário astronômico é baseado em observações contínuas; por exemplo, o calendário religioso islâmico durante o período do Segundo Templo e o antigo calendário religioso judaico.

Esse calendário também é chamado de calendário baseado em observação. A vantagem desse calendário é que ele é perfeito e sempre preciso. A desvantagem é que é difícil determinar quando uma data específica ocorrerá.

Quase todos os povos da Antiguidade desenvolvem calendários lunares, baseados nas fases da Lua: dividem o ano em 12 meses de 29 ou 30 dias, num total de 354 ou 355 dias. A defasagem de 11 dias em relação ao ano solar é corrigida pela inclusão de um mês extra ao final de um certo número de anos.

Calendário juliano e gregoriano

O calendário de Júlio foi proposto por Júlio César em 708 e foi uma reforma do calendário romano. De acordo com o decreto, entrou em vigor em 1º de janeiro de 709 45 aC Foi projetado com a ajuda de matemáticos gregos e astrônomos gregos como Alexander Sosykins.

Esse calendário era o principal calendário de assentamentos europeus no mundo romano, na maior parte da Europa e nas Américas e em outros lugares, até que foi gradualmente substituído pelo calendário gregoriano promulgado pelo papa Gregório XIII em 1582. O calendário juliano ainda é usado em partes de igrejas ortodoxas, partes de igrejas ortodoxas e berberes.

calendário juliano e o gregoriano
calendário juliano e o gregoriano

Os egípcios são os primeiros a calcular calendários com base no ciclo das estações: o ano tem 360 dias divididos em 12 meses de 30 dias e mais cinco dias extras, dedicados aos deuses. Os romanos adotam o calendário egípcio em 46 a.C., com a introdução de um ano bissexto, com 366 dias, a cada quatro anos.

Em 1582, o papa Gregório XIII reforma o calendário juliano: suprime dez dias de diferença que haviam se acumulado ao longo dos séculos e, para evitar defasagens futuras, opta pela supressão de três anos bissextos a cada 400 anos.

Referências bibliográficas sobre Astronomia na Antiguidade

  • NICOLINI, Jean. Manual do astrônomo amador . Campinas: Papirus, 1985.
  • ODISHW, Hugh. Panorama das ciências do espaço . Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1965.
  • TOURINHO, Plínio Alves Monteiro. Tratado de astronomia . Curitiba: Mundial, 1960.
  • BOCZKO, R. Conceitos de astronomia na antiguidade . São Paulo: E. Blucher, 1984.
  • CANIATO, Rodolpho. O que é astronomia na antiguidade . São Paulo: Brasiliense, 1982.
  • MOURAO, Ronaldo Rogerio de Freitas. Astronomia na antiguidade e astronáutica . Rio de Janeiro: Ed.Francisco Alves, 1981.

O que você também pode aprender

Perguntas relacionadas

Mais sobre o assunto

  1. Como era a astronomia na antiguidade?

    Desde a antiguidade, o céu vem sendo usado como mapa, calendário e relógio. Os registros astronômicos mais antigos datam de aproximadamente 3000 a.C. e se devem aos chineses, babilônios, assírios e egípcios.

  2. O que um astrônomo fazia antigamente?

    Um astrônomo  é um cientista que estuda corpos celestes como planetas, estrelas e galáxias. Historicamente, a astronomia se preocupava mais com a descrição de fenômenos no céu, enquanto a astrofísica tentava explicar esses fenômenos e a diferença entre eles com o uso de leis da física.

  3. Qual é a ciência mais antiga do mundo?

    Há muito tempo o homem realiza registros astronômicos. A Astronomia é considerada a mais antiga das ciências. 

  4. Quem é o maior astrônomo da Antiguidade?

    Hiparco de Nicéia (160-125 a.C.)

  5. Como os povos antigamente observavam o céu?

    Os povos antigos sempre realizaram as observações do céu e das constelações a olho nu. Em que todos os povos indígenas usavam a mesma maneira de observar o céu e fazer orientações através das estrelas ou do sol. 

Espero ter ajudado

Fim da matéria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Demonstre Atividades

Demonstre Atividades é um Portal Educacional focado em conteúdo e atividades para professores.