Escola Para Todos

Olá pessoal, o post de hoje vai tratar do tema Escola para todos. Espero que curtam e gostem a discussão sobre Escola para todos!

Escola Para Todos

 É a escola que reconhece e respeita as diferenças dos alunos, ou seja, que entende que todos podem aprender. Não devendo importa assim a etnia, língua, classe social, estado de saúde para se configurar uma escola inclusiva. Com isso, a escola para todos auxilia no desenvolvimento do aluno com síndrome de Down ao inseri-lo na comunidade escolar de forma mais efetiva.

escola-para-todos-2985339-6679818

Ao incluir alunos com deficiência, a instituição escolar muda sua perspectiva de mundo. Ajuda professores a repensarem seu papel e contribui para a construção de uma nova geração – aquela que sabe que, mesmo entre as diferenças, todos somos iguais.

Há mais de duas décadas e meia, a Constituição brasileira prevê a inclusão de alunos com deficiência nas classes comuns. De modo a estabelecer a igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola. Embora ainda existam resistências, essas crianças deixaram de ser “invisíveis”, não se encontram mais “escondidas” e já ocupam seu espaço no ambiente socioeducativo.

Escola para todos em números

Os resultados preliminares do Censo Escolar de 2012 indicam, mais uma vez, aumento nas matrículas em educação especial na rede pública. Mas, para que sejam incluídas de fato, e não se tornem meras figurantes de um sistema e sim protagonistas do próprio aprendizado, é fundamental que a instituição escolar reveja suas premissas.

Segundo os resultados preliminares do Censo Escolar MEC/Inep de 2012, o Brasil ampliou em 7,64% o número das matrículas em educação especial na rede pública em relação ao ano anterior, passando de 584.124 para 628.768 matrículas.

Os dados finais de 2012 para a rede particular de ensino ainda não foram divulgados, mas em 2011 foram registradas 163.409 matrículas de alunos com deficiência em estabelecimentos privados. Lembrando que 20% delas em escolas inclusivas, as demais (130.798) em instituições exclusivas e classes especiais.

Escola para todos e os direitos das crianças

Toda criança possui direitos na escola, como direito à:  Matrícula em classes de ensino regular com todo o apoio necessário; Professores preparados para receber as crianças e incluí-las; Materiais didáticos acessíveis e Transporte acessível.

A criança também tem direito ao AEE (Atendimento Educacional Especializado) para complementar o ensino regular, no turno contrário ao que a criança está matriculada. Por exemplo se a criança estudar de manhã, o AEE será de tarde. É direito também o acesso ao mesmo material que as outras crianças usam.

Não pode-se esquecer do direito aos vários instrumentos de avaliação, já que a avaliação escrita tradicional não é suficiente para medir o desenvolvimento de todos os alunos, como a participação das atividades na escola.

Escola para todos e as atividades complementares

Todos devem ser incluídos nos mesmos objetivos e nas mesmas metas de aprendizagem, cada um em seu tempo, cada um a seu modo, afinal, somos todos diferentes. Os alunos com necessidades especiais devem frequentar atividades complementares no contraturno. Essas atividades devem ser suplementares à formação e devem visar a autonomia e a independência dentro e fora da escola.

É importante frisar que o atendimento complementar não é reforço escolar, ele tem como objetivo primordial complementar as necessidades específicas de cada estudante. Como por exemplo, o aprendizado das linguagens de braile e Libras que propiciaram a comunicação em sociedade. É um importante instrumento também para guiar os professores nas formas de auxiliarem seus alunos em sala de aula.

Entre os marcos importantes no processo de inclusão de alunos com deficiência em salas regulares de ensino, existiram aquele que ocorreram em 1988 com a promulgação da Constituição, que em seu artigo 208. Esse artigo estabelece a obrigatoriedade do atendimento educacional especializado às pessoas com deficiência. Em 1989, a lei 7853 determinou a obrigatoriedade de matrícula de alunos com deficiência em escolas regulares.

Escola para todos e o papel de cada um

É necessário colaboração para uma escola para todos, tais como:

  • Professor Assistente ou Auxiliar– Um professor ou professora que divide a sala com o professor titular, que pode ter ou não formação em educação especial.
  • Mediador-O mediador ajuda o aluno a se desenvolver, isto é, dispõe de ferramentas para que esse aluno aprenda, participe das atividades na sala de aula e seja acolhido por colegas e professores. Assim que ele avaliar que o objetivo foi atingido, sua participação não é mais necessária.
  • Aluno Colaborador- Sua ação deve ser elaborada junto ao professor. Ele atua como um tutor, já que ajuda o aluno em suas tarefas do dia-a-dia. Além de promover a inclusão desse aluno na comunidade escolar.
  • Cuidador-Uma pessoa que acompanha o aluno de forma mais pessoal. Ele atua em suas necessidades pessoais e realização de tarefas quando o aluno estiver com condições recomendadas para isso.

 Fim do post sobre Escola para todos

Espero que tenha sido proveitosa a sua leitura e que tenha lhe feito refletir sobre nossa realidade escolar.

Não deixe de compartilhar conosco suas sugestões sobre esse post e sobre qualquer outra ideia sobre o Blog Demonstre.

Você também pode gostar de:

https://demonstre.com/evolucao-da-escola-e-comunidade-escolar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Demonstre Atividades

Demonstre Atividades é um Portal Educacional focado em conteúdo e atividades para professores.