Tag: história da educação brasileira

7º Período da História da Educação Brasileira (1937 – 1955)

Hoje vamos apresentar um texto onde mostra trabalhos de diferentes representações e neste poste vamos falar um pouco mais aprofundado de “7º Período da História da Educação Brasileira” mostrando seus pontos principais.

Os pontos principais da educação brasileira e os métodos, mostrando como pode ser aplicada na educação de crianças e jovens.

7º Período da História da Educação Brasileira (1937 – 1955)

Foi um período onde Getúlio Tomou uma série de medidas que visaram a formação de uma política educacional de alcance nacional.

Projeto sem título 4 3

Teve a Criação de órgãos educacionais: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos – INEP – 1938, Serviço nacional de radiodifusão educativa – 1939, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI – 1942, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC – 1942, Conselho Nacional de Pesquisas – CNP – 1951, Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior – CAPES – 1951.

Os Debates no Congresso Nacional e a Promulgação da Lei de Diretrizes e Bases

A primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional foi debatida e elaborada no contexto de redemocratização do país logo após a queda do Estado Novo (1937-1945). Foi promulgada somente em 1961, com o n° 4.024, e duas vezes reformulada: pela Lei nº 5.692/1971 e pela Lei nº 9.394/1996.

No período que se seguiu, o projeto recebeu numerosas emendas e vários substitutivos, o mais importante dos quais foi apresentado por Carlos Lacerda em 1959, e continha mecanismos de transferência de recursos públicos para as escolas particulares.

A Política após 1964

Entre as medidas mais importantes, destacam-se: suspensão dos direitos políticos dos cidadãos; cassação de mandatos parlamentares; eleições indiretas para governadores; dissolução de todos os partidos políticos e criação de duas novas agremiações políticas: a Aliança Renovadora Nacional (Arena), que reuniu os governistas, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que reuniu as oposições consentidas.

Vídeo Sobre a Promulgação da Lei de Diretrizes e Bases:

Reformas Educacionais – Leis 5540/68, 5692/71 e 7044/82

Tendo o Estado como o principal fomentador das políticas educacionais. Isto se observa nas propostas em relação a reforma da educação brasileira, a partir de 1930. Sucessivamente, a luta pela Escola Nova, a escola industrial e profissionalizante (SENAI, SESI, em 1942), a reforma de Capanema (1942), a primeira Lei de Diretrizes e Base (1961).

Imagem relacionada

A Reforma do Ensino Superior (1968) e de 1° e 2° graus (1971), até a institucionalização do Mobral (1967), têm procurado realizar o ajustamento da escola para a efetuação das funções caracterizadas como necessidades do modelo de desenvolvimento implantado.

Leis 5540/68, 5692/71 e 7044/82

LEI 5692/71 – Feita na época da ditadura militar; Universidade estão em confronto c/ poder estabelecido – Reforma do Ensino começou com a do Ensino Superior (Lei 5540/68). A política educacional instituída precisou adaptar o sistema educacional ao atendimento dos interesses da estrutura de poder edificada, propagando seu ideário, reprimindo seus opositores e reestruturando uma tripla função: a reprodução da força de trabalho, a conservação das relações de classes e a eliminação de um dos principais focos de dissenso político.

Vídeo Sobre as Reformas Educacionais:

O Pensamento Pedagógico

A história do pensamento pedagógico da Educação e Educação Física brasileira ao longo do século XX, o que irá ajudar na escolha de qual pensamento seguir e, posteriormente, traçar uma especificidade para Educação Física na escola.

Cada um defende uma visão de homem e de mundo, sendo que o marco divisor entre os diferentes pensamentos é a tentativa de provar que não existe a neutralidade pedagógica, estando toda teoria educacional a serviço de uma classe. Vimos também que o pensamento pedagógico da Educação Física se fundiu ao da Educação com as pedagogias críticas dos anos 80, tendo grande influência na sua construção atual. Concluímos o trabalho compartilhando com os ideais das pedagogias críticas de formar indivíduos autônomos e capazes de reger sua própria vida, sem serem controlados pelo interesse do Estado, do comércio e da ciência, visando assim, à transformação social.

Vídeo Sobre O Pensamento Pedagógico:

https://youtube.com/watch?v=pQAcSPa0CpY

O Progresso Constituinte e a Elaboração da Nova Lei de Diretrizes e Bases

Consequentemente, tal como poderemos objetivamente constatar ao longo do trabalho em questão, a carta constitucional de 1988 se constitui num notável progresso em matéria de proteção ao direito social á educação frente as que a precederam, uma vez que não apenas inovou na definição e concepção do direito de acesso ao ensino fundamental obrigatório e gratuito se afigura num direito público subjetivo e, portanto, num dever do poder público estatal em oferece-lo mas também dotou seus dispositivos referentes ao direito á educação da necessária coercibilidade ao revesti-lo da força coercitiva da sanção, no caso específico de descumprimento do Estado no oferecimento da referida modalidade de ensino aos cidadãos brasileiros.

Essa realidade, é de fundamental relevância para o aprimoramento bem como para o aperfeiçoamento da legislação educacional brasileira, pelo simples fato de que, conforme poderemos constatar no decorrer do presente trabalho, a CF não somente favoreceu bem como estimulou consideravelmente a elaboração e formulação de um nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, a partir dos próprios avanços proporcionados pela carta de 1988, os quais por sua vez ensejaram a necessidade de se ampliar bem como aprofundar as conquistas obtidas pela constituição de 1988 em matéria educacional.

Elaboração da Nova Lei de Diretrizes e Bases

A principal divergência era em relação ao papel do Estado na educação. Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo. Apesar de conter alguns elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final da LDB se aproxima mais das ideias levantadas pelo segundo grupo, que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da tramitação.

Vídeo Sobre o Progresso Constituinte:

Aspectos Qualitativos e Quantitativos da Organização Escolar

Teve alguns A principal divergência era em relação ao papel do Estado na educação. Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo.

Apesar de conter alguns elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final da LDB se aproxima mais das ideias levantadas pelo segundo grupo, que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da tramitação.

Vídeo Sobre os Aspectos Qualitativos e Quantitativos da Organização:

FIM

Chegamos ao fim de uma lista que foi recheada de conteúdos, e hoje falamos de 7º Período da História da Educação Brasileira com suas características. Se você gostou do assunto e do texto, compartilha nas redes sociais, e ajude a divulgar nossos trabalhos. Você também pode acessar as nossas redes sociais.

6º Período da História da Educação Brasileira

Hoje vamos apresentar um texto onde mostra trabalhos de diferentes representações e neste poste vamos falar um pouco mais aprofundado de “6º Período da História da Educação Brasileira” mostrando seus pontos principais.

Os pontos principais da educação brasileira, mostrando como pode ser aplicada na educação de crianças e jovens.

6º Período da História da Educação Brasileira

Esse foi um período da educação brasileira que passou por diversas transformações, onde foi criada as leis bases da educação brasileira, usando de maiores e melhores conceitos mundiais.

Projeto sem título 2 4

Teve a nova crise do modelo agrário comercial exportador dependente e início da estruturação do modelo nacional desenvolvimentista com base na industrialização.

O Modelo Nacional Desenvolvimentista

É esse contexto de redemocratização do país, com uma política baseada no populismo e nacionalismo, e no plano econômico pela opção ao desenvolvimento econômico nacional associado ao capital externo e da crescente urbanização das capitais de Estado, que explica as linhas gerais da educação nesse período e que foi marcada, principalmente, pela elaboração da lei de diretrizes e bases da educação nacional.

Resultado de imagem para O Modelo Nacional Desenvolvimentista

A quarta Constituição da República foi promulgada em 1946, inspirada na ideologia liberal-democrática. A União, com a atribuição que recebeu de “fixar as diretrizes e bases da educação nacional”, encaminhou uma proposta de LDB ao Congresso, que teve um período de treze anos de tramitação, com acaloradas discussões entre os educadores progressistas defensores da escola pública e os conservadores que eram partidários da defesa de privilégios à escola privada.

Educação no Estado Novo As Leis Orgânicas

As Leis Orgânicas do Ensino, que estruturou o ensino industrial, reformou o ensino comercial e criou o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI, como também trouxe mudanças no ensino secundário. Gustavo Capanema esteve à frente do Ministério da Educação durante o governo Getúlio Vargas, entre 1934 e 1945.

Vídeo Sobre Educação no Estado Novo As Leis Orgânicas:

https://youtube.com/watch?v=XdSNlf4Dy1k

A Constituição de 1946

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – foi aprovada através da Lei 4024, em 1961. Como principais características desta lei, pode-se destacar: a garantia de igualdade de tratamento por parte do Poder Público para os estabelecimentos oficiais e particulares; a obrigatoriedade do ensino primário, conquistada na Legislação anterior, foi prejudicada pelas isenções que a Lei permitia e que, na prática, anulava a sua obrigatoriedade; a estrutura de ensino não foi alterada: continuava o ensino pré-primário, o ensino primário de 4 anos, o ensino médio, nas modalidades: ginasial em 4 anos e colegial em 3 anos, e o ensino superior;

Resultado de imagem para A educação em 1946

O Conselho Federal de Educação recebeu a delegação de determinar os valores das bolsas de estudo e financiamento para os graus de ensino, que a lei atribuia aos Estados, ao Distrito Federal e aos Territórios. Pode-se destacar, também, como aspectos positivos da LDBEN: a unificação do sistema escolar e a sua descentralização; a autonomia do Estado para exercer a função educadora e o da distribuição de recursos para a educação.

AnteProjeto da Lei de Diretrizes e Bases da Educação

A Lei de Diretrizes e Bases criou o Conselho Federal de Educação e introduziu profunda modificação descentralizadora na administração do ensino, conferindo àquele colegiado funções normativas que abrangiam o quadro da educação nacional. Tais funções também seriam gradualmente modificadas por diferentes leis, que transferiram ao ministro de Estado e a outros órgãos atribuições pertinentes àquele colegiado.

Vídeo Sobre a Constituição de 1946:

Aspectos Qualitativos e Quantitativos da Organização Escolar

Para o ensino de grau médio, o objetivo propagado era o desenvolvimento, a organização envolvendo múltiplos tipos de cursos e integrado o primário e superior. Para este, defendiam a organização universitária, visando o atendimento das necessidades profissionais e de pesquisa, e a criação da faculdade de filosofia e letras.

Imagem relacionada

Neste período o aspecto positivo está no fato de ter levado os educadores a diagnosticar as deficiências na estrutura escolar brasileira e a denunciá-las categórica e permanentemente.

Vídeo Sobre os Aspectos da Organização Escolar:

FIM

Chegamos ao fim de uma lista que foi recheada de conteúdos, e hoje falamos de 6º Período da História da Educação Brasileira com suas características. Se você gostou do assunto e do texto, compartilha nas redes sociais, e ajude a divulgar nossos trabalhos. Você também pode acessar as nossas redes sociais.

5º Período da História da Educação Brasileira

Hoje vamos apresentar um texto onde mostra trabalhos de diferentes representações e neste poste vamos falar um pouco mais aprofundado de “5º Período da História da Educação Brasileira” mostrando seus pontos principais.

Os pontos principais da História da Educação Brasileira, mostrando como pode ser aplicada na educação de crianças e jovens.

5º Período da História da Educação Brasileira

Nesse período a sociedade brasileira se caracterizava pelo combate ao florianismo, que era: afastar do poder o componente militar que nele representava a camada média e utilizar o novo regime (republicano) para alcançar antigos fins (atendimento dos interesses da camada senhorial).

Projeto sem título 1 5

Se deu pouca atenção à formação do magistério, não foram organizados cursos para a formação do magistério secundário e os critérios de seleção para professores de nível superior não eram suficientes.

Estrutura do Modelo Nacional Desenvolvimentista com Base na Industrialização

É esse contexto de redemocratização do país, com uma política baseada no populismo e nacionalismo, e no plano econômico pela opção ao desenvolvimento econômico nacional associado ao capital externo e da crescente urbanização das capitais de Estado, que explica as linhas gerais da educação nesse período e que foi marcada, principalmente, pela elaboração da lei de diretrizes e bases da educação nacional.

Resultado de imagem para educação

A quarta Constituição da República foi promulgada em 1946, inspirada na ideologia liberal-democrática. A União, com a atribuição que recebeu de “fixar as diretrizes e bases da educação nacional”, encaminhou uma proposta de LDB ao Congresso, que teve um período de treze anos de tramitação, com acaloradas discussões entre os educadores progressistas defensores da escola pública e os conservadores que eram partidários da defesa de privilégios à escola privada.

Emergência de Novas Forças Sociais

A emergência de novos movimentos sociais no Brasil e sua importância para a democracia brasileira Ronaldo B. Colvero 1 Vinicius de Lara Ribas 2 Juliana Macedo de Lima 3 1 Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa e do Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural. 2 Graduando em Ciêcias Sociais Ciência Política e bolsista FAPERGS.

Vídeo Sobre Estrutura do Modelo Nacional Desenvolvimentista com Base na Industrialização:

Os Anos 20 e o Pensamento Pedagógico Brasileiro

A trajetória do pensamento pedagógico brasileiro teve durante seu percurso grandes marcas causadas pela influência de nossos colonizadores e países tidos como os “países desenvolvidos”, que demonstraram claramente muitos interesses políticos e econômicos ao influenciar nosso pensamento pedagógico.

Resultado de imagem para pensamento pedagógico brasileiro

Nesse período a educação serviu como uma mercadoria a ser consumida, servindo muitas vezes como, se não a única, uma das principais fontes de ascensão do País. Acreditava-se que a Educação seria o meio no qual o Brasil se utilizaria para conquistar uma sociedade pautada nos moldes europeus e norte americanos.

Educação como Identidade Própria

Existem grandes desafios a serem vencidos e o caminho certamente será longo. Porém, mais desafiador que a construção de identidade própria é o desafio em lidar com a Educação em pleno século XXI, marcado pela era do conhecimento, da digitalização e da demanda de informações existentes hoje.

Vídeo Sobre os Anos 20 e o Pensamento Pedagógico Brasileiro:

A Renovação da Igreja Católica

Uma renovação da Igreja, a escolha do novo papa não diminui um evidente distanciamento entre seus dogmas e o modo de vida da esmagadora maioria dos católicos.

Resultado de imagem para a igreja catolica

O movimento procura oferecer uma abordagem inovadora às formas tradicionais de doutrinação e dos ritos da Igreja, mas sem desviar-se da Doutrina da Igreja Católica como muitos o fazem e permanecendo fiel a todos os preceitos católicos romanos. Existem atualmente mais de 100 milhões de membros espalhados pelo mundo (comumente denominados Católicos Carismáticos).

Vídeo Sobre a Renovação da Igreja Católica:

A Criação da ABE

A ABE surge na década de 20, um período da história cheio de grandes e graves apreensões, reunindo personalidades ilustres e cultas, com o propósito de avaliar suas responsabilidades e deveres em relação aos grandes problemas nacionais.

Resultado de imagem para abe associação brasileira de estudantes

O sentimento comum ao grupo era a recusa da apatia, indiferença e inércia diante dos fatos que estavam ocorrendo, contrários aos legítimos direitos da pessoa humana e pondo em perigo o ideal de uma vida democrática, aspiração de nosso povo ao longo de sua evolução histórica.

O Manifesto dos Pioneiros da Educação

Redigido por Fernando de Azevedo que, pela repercussão alcançada em nossos meios educacionais e culturais, constituiu-se num acontecimento marcante na história da educação brasileira. Ao longo de sua atuação, a ABE promoveu diversas Conferências Nacionais de Educação, com educadores de todo o país, para debater importantes questões educacionais.

Vídeo Sobre A Criação da ABE:

A Constituinte de 1934

Ela foi a que menos durou em toda a História Brasileira: durante apenas três anos, mas vigorou oficialmente apenas um ano (suspensa pela Lei de Segurança Nacional). O cumprimento à risca de seus princípios, porém, nunca ocorreu.

Resultado de imagem para A Constituinte de 1934

Ainda assim, ela foi importante por institucionalizar a reforma da organização político-social brasileira — não com a exclusão das oligarquias rurais, mas com a inclusão dos militares, classe média urbana e industriais no jogo de poder.

Conflitos Ideológicos

Com a Constituição de 1934, a questão social passou a assumir grande destaque no país: direitos democráticos foram conquistados, a participação popular no processo político aumentou, as oligarquias sentiram-se ameaçadas – juntamente com a burguesia – pela crescente organização do operariado brasileiro e de suas reivindicações. Nessa conjuntura registrou-se a primeira grande campanha nacional em que a Imprensa esteve envolvida: o debate a respeito do apelo nacionalista apregoado pelo Integralismo, movimento antiliberal, anti-socialista, autoritário, assemelhado ao Fascismo italiano.

Vídeo Sobre a Constituinte de 1934:

FIM

Chegamos ao fim de uma lista que foi recheada de conteúdos, e hoje falamos de 5º Período da História da Educação Brasileira com suas características. Se você gostou do assunto e do texto, compartilha nas redes sociais, e ajude a divulgar nossos trabalhos. Você também pode acessar as nossas redes sociais.

Demonstre Atividades

Demonstre Atividades é um Portal Educacional focado em conteúdo e atividades para professores.

Demonstre Atividades - 2020 | Desenvolvido por Nixem Dev