Autismo 8

Atualmente no Brasil estima-se que existam mais de 2 milhões de pessoas com Transtorno de Espectro do Autismo (TEA) – Denominado pelo DMS-5 Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais – e mais de 70 milhões no mundo. Pois bem, há muitas dúvidas quanto ao autismo, como por exemplo: Do que se trata? Como identificar? Como ajudar, lidar e conviver? Podemos sanar essas dúvidas em uma pesquisa na internet, mas obviamente será muito mais esclarecedor um curso sobre o autismo.

Curso sobre Autismo

Embora muitas pessoas se apresentem entendedoras no assunto, é preciso salientar que nenhum autista é igual ao outro, porque cada um tem sua personalidade e suas características. Contudo, o estudo pode auxiliar muito na convivência, no estímulo e no desenvolvimento do autista.

Esse curso convém tanto para quem só deseja saber mais sobre o autismo, quanto para pais que visam aprender para ajudar seus filhos e também para profissionais da educação que querem ensinar seus alunos de modo que todos absorvam o conteúdo. Inclusive os com autismo, além de desenvolver o raciocínio lógico e intelectual e o senso crítico.

Vamos entender mais sobre o autismo? Leia ate o final para saber o que é autismo, suas características e os tipos.

E se você deseja conhecer mais sobre a história do autismo, como diagnosticar, como lidar, ensinar e desenvolver o autista, conheça o Curso Autismo e Educação – Abordagens e Desafios.

O que é Autismo?

Se você pesquisar no dicionário vai encontrar uma explicação rasa e sem especificar o que é autismo de verdade, a definição de autismo segundo o dicionário é: “polarização privilegiada do mundo dos pensamentos das representações e sentimento, com perda, em maior ou menor grau, da relação com os dados e as exigências do mundo circundante”.

Então, o que entendeu? Basicamente nada não é mesmo? Um curso te ajudará a se aprofundar, mas vamos ao que interessa. O autismo ou Transtorno de Espectro do Autismo é uma condição geral para um grupo de desordens complexas no desenvolvimento do cérebro, ou seja, são transtornos neurológicos que causam problemas no desenvolvimento da linguagem, na interação social, no comportamento e nos processos e andamentos da comunicação.

O autismo compromete as habilidades de comunicação verbal e não-verbal, por consequência a interação social. O autismo costuma ser identificado entre 1 e 3 anos, porém os sinais iniciais em alguns casos podem aparecer nos primeiros meses de vida.

Vale ressaltar que, o autismo apresenta desenvolvimento físico normal, o que implica em evidências que não se pode diagnosticar pela aparência. É comum os pais ouvirem frases como: “Ele não parece autista” e “olhando ele não tem nada”, mas isso se deve a falta de informação e conhecimento.

Os autistas têm grande dificuldade de estabelecer relações sociais e afetivas, de forma que dão sinais de viver em um mundo isolado, digamos que em um mundo só deles.

Ainda falando sobre o que é autismo, devemos mencionar que pode ser associado a deficiência intelectual, dificuldade de coordenação motora e de atenção. Contudo, essa deficiência intelectual deve-se a dificuldade de aprender da mesma forma que as outras pessoas, porque a maioria das pessoas com autismo possuem facilidade em aprender visualmente.

Esta é apenas uma introdução sobre o que é autismo, caso queira e tenha a necessidade de conhecer mais sobre o assunto, clique aqui.

Tipos de Autismo

O autismo é considerado um espectro e, por isso abrange uma ampla gama de níveis de funcionamento e transtornos, que vão desde o autismo não-verbal até o altamente verbal.

Logo, depreender todos os tipos de autismo pode ajudar os professores e os pais à trabalhar na evolução e no desenvolvimento do autista.

De acordo com o Centro de Controle de Prevenção de Doenças (CDC), existem 3 tipos de Autismo, são eles:

Autismo Clássico – tipos de autismo

O Transtorno Autista ou Autista Clássico é um tipo de autismo em que o funcionamento da capacidade social, cognitiva e linguística é muito afetada e vale mencionar que há também comportamentos repetitivos.

O Autismo Clássico é geralmente diagnosticado antes dos três anos de idade, a doença provoca atrasos consideráveis no desenvolvimento e assim os pais e responsáveis pelas crianças tem o dever de notar o que está acontecendo com elas.

Os sinais de alerta incluem: atraso na linguagem, ecolalia, falta de contato nos olhos, falta de apontador ou gesticulando e auto-estimulação (comportamento como: balançar ou bater as mãos e andar na ponta dos pés).

Essa foi mais uma introdução ao assunto, porque há muito á acrescentar e neste curso de autismo, você vai adquirir muito mais conhecimento sobre o autismo e ajudará aquele que precisa de você.

Síndrome de Asperger – tipos de autismo

Este tiposperger de autismo de alto funcionamento tem características bem distintas e incluem habilidades verbais excepcionais, problemas sociais, problemas com simbologia, desafios ou desenvolvimento de mobilidade fina ou grossa, intensa e obsessiva em interesses especiais.

A diferença entre o Autismo Clássico e a Síndrome de Asperger, é que nesta não há nenhum tipo de atraso na linguagem, porém o uso da linguagem pode ser difícil.

A Síndrome de Asperger é um transtorno neurobiológico incluso na categoria de Transtornos Globais do Desenvolvimento, foi considerada por muito tempo como uma condição distinta, todavia observou-se próxima, muito similar e correlacionada ao autismo. Após ser inserida no termo médico TEA, esta síndrome passou a ser vista como uma forma mais branda de autismo.

Transtorno Invasivo de Desenvolvimento – tipos de autismo

O Transtorno Invasivo do Desenvolvimento é um tipo de Autismo que sua gravidade está entre a Síndrome de Asperger e o Autismo Clássico.

O Transtorno Invasivo do Desenvolvimento é conhecido como um autismo atípico, significa que demonstra algumas características clássicas do autismo, mas nem todas. Em resumo, as pessoas diagnosticadas com esse tipo de autismo podem ter problemas com a linguagem, com as habilidades sociais ou com comportamentos repetitivos, mas de forma alguma terá desafio em todas as três áreas.

Os sintomas mais comuns são: interação social prejudicada, pouco comportamento repetitivo, competência linguística inferior a Síndrome de Asperger e superior ao Transtorno Autista.

E no Manual de Diagnósticos e Estatística de Doenças Mentais foram incorporados mais 2 tipos de autismo, sendo eles:

 Síndrome de Rett – tipos de autismo

A Síndrome de Rett é considerada um transtorno do espectro do autismo, no entanto há uma diferença gritante: a Síndrome de Rett é causada por uma mutação genética. Embora as crianças com esse problema possuam comportamentos muito parecidos com o dos autistas, essa síndrome não está relacionada ao Espectro Autista.

Os sintomas incluem perda de comunicação e de habilidades sociais, o que se assimila bastante ao Autismo Clássico.

A síndrome passa por muitas fases e uma delas é a deterioração de habilidades motoras e postural, um ponto importante é que a mutação é aleatória e não é herdada, afeta geralmente crianças do sexo feminino.

Sintomas da Síndrome de Rett: torce demais as mãos, perde competências linguísticas, não responde socialmente e o crescimento da cabeça reduz consideravelmente. Estes sintomas surgem após os primeiros seis meses até mais ou menos um ano e meio de idade.

Caso queira saber mais, conheça o curso que pode te ensinar como entender os diferentes tipos de autismo.

Transtorno Desintegrativo da Infância – tipos de autismo

O Transtorno Desintegrativo da Infância é o mais grave de todos no TEA, contudo é o menos comum, a proporção é de 2 para 100 mil crianças.

Até os 2 anos de idade as crianças têm um desenvolvimento normal e, infelizmente entre dois e quatro anos de idade perdem bruscamente as habilidades sociais, linguísticas e intelectuais, portanto essas funções não são mais recuperadas.

Esse é um autismo regressivo e doloroso, se deseja saber como ajudar seu filho, aluno, parente ou ente querido, busque saber mais sobre autismo.

Características do Autismo 

Existem vários tipos de autismo, vai de casos mais leves aos mais graves. As características mais comuns que são independentes do grau do autismo e aparecem com muita frequência nos pacientes são:

  • Estereotipia: é uma ação repetitiva, ou seja, é quando a criança demonstra mania de enfileirar seus brinquedos ou contar milimetricamente todos os pisos ou azulejos.
  • Apego à rotina: Tudo deve ser feito da mesma maneira, seguindo a rotina à risca. Digamos que se o autista faz algo hoje, amanhã fará a mesma coisa. O autista gosta de fazer tudo exatamente como está acostumado, respeitando rigorosamente a ordem das coisas e os horários de forma categórica.
  • Atraso na fala: No autismo é comum a criança desenvolver tardiamente a fala, porém pode não desenvolver tal habilidade, por isso é importante procurar um fonoaudiólogo.
  • Interesses restritos: a criança desperta predileção por apenas um objeto ou assunto, ou seja, ela pode passar a maior parte de seu tempo se dedicando a um tipo de assunto, deixando de lado os outros assuntos.
  • Ecolalia: Mania de repetir trechos dos desenhos preferidos e de repetir a última frase ou última palavra durante um diálogo.
  • Hipersensibilidade: Os autistas são muito sensíveis, possuem irritabilidade com sons altos, cheiros e algumas texturas, sensação de aperto ou algo pegajoso, paladar extremamente apurado e visão pouco resistente a alguns tons de cores.
  • Comorbidades: O autismo pode estar acompanhado de: TDAH, Transtorno Bipolar, Transtorno Opositor Desafiador, etc.
  • Riso inapropriado: É comum não darem risadas para coisas engraçadas e as vezes começarem a rir no escuro no meio da noite.
  • Insensibilidade a dor: Alguns autistas caem, batem a cabeça e outras partes do corpo e não sentem dor, e em alguns casos até repetem o movimento.
  • Sem contato visual: As pessoas com autismo não olham nos olhos ao estabelecer diálogo. O olhar é como algo invasivo para eles.

Você pode ler mais sobre essas características e outras no curso de autismo, e saber como lidar e amenizar as que são possíveis.

Autismo tem cura?

O autismo é um transtorno global do desenvolvimento, é considerado uma doença crônica, ou seja, não há cura até o momento. Tomando os cuidados necessários, o indivíduo se torna cada vez mais adaptado e incluso à sociedade.

Existe tratamento e este tem o objetivo de melhorar o aprendizado, a capacidade de solucionar problemas, estimular o desenvolvimento social e a educação, ajudar as famílias a lidarem com o autismo e diminuir comportamento que interfira no aprendizado e vida social.

Em 2010, falou-se em cura do autismo pela primeira vez, quando uma pesquisa científica feita na Universidade da Califórnia conseguiu curar um neurônio autista em laboratório, no entanto é só uma esperança para os familiares, ainda não há aplicação clínica e para chegar a cura serão necessárias muitas pesquisas.

O tratamento consiste em acompanhamento com pediatra, psiquiatra, psicólogo, fonoaudiólogo, pedagogo, terapeuta ocupacional e o papel da família para a evolução do autista.

Para saber mais sobre o tratamento do autismo e sobre a possibilidade de cura confira aqui.

Autismo na Sala de Aula

Ensinar um autista não é impossível, pelo contrário, eles aprendem bem e são muito inteligentes, porém a maneira como o conhecimento deve ser transmitido é diferente. Seja qual for o aluno se você não sabe falar a língua dele não saberá ensiná-lo, tampouco estabelecer uma relação de ensino-aprendizagem. Por isso use a mesma linguagem que ele, a linguagem visual.

Primeiro saiba que cada caso é um caso, e que para entendê-los é fundamental ter uma boa conversa com os familiares, pedir um relatório que denota as coisas que ele gosta, os interesses e preferências e o que desagrada.

Aposte em menos palavras e mais figuras, fotos e ilustrações, portanto mantenha um ambiente estruturado.

Falar sobre autismo na sala de aula requer mais tempo para aprofundar no assunto confira o curso Autismo e Educação.

Autismo em casa

Ter um autista em casa não é sinal de problema, posso dizer por conta própria que dá um ânimo a mais, ver o sorriso no rosto deles e cada evolução é motivo de festa, é uma grande conquista.

O autista nasce saudável ou aparentemente saudável. É possível ver nos olhos deles e no gestual e no desenvolvimento que tudo ocorrerá dentro esperado. Contudo, você começa a perceber alguns comportamentos repetitivos, alguns atrasos na linguagem e no desenvolvimento da motricidade fina, assim os meses passam e o desenvolvimento é tardio.

Portanto, é fundamental procurar ajuda especializada de forma que o autismo seja diagnosticado logo no início.

A priori o que devemos sempre lembrar, é que o autista não precisa nascer em uma família rica para ter todos os atendimentos específicos, há escolas como o APAE, que auxiliam bastante. No entanto, o mais importante para eles é o amor, por isso trate-os com amor, esteja aberto a se adaptar e se desenvolver junto ao seu filho.

Quer saber mais sobre o autismo? Clique aqui.

“Pessoas com autismo não mentem, não julgam, não fazem jogos mentais. Talvez possamos aprender alguma coisa com elas.” Cafe Press 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.