Cinco Filmes Negros do Orgulho – Dia da Consciência Negra

4
1501
Cinco Filmes Negros do Orgulho - Dia da Consciência Negra 2

Filmes Para o Dia da Consciência Negra

Infelizmente, diferente da realidade, o nosso cinema não está repleto de heróis negros, pardos ou índios. Em geral, vemos uma replicação dos preconceitos que vivenciamos todos os dias, estigmatizando e criando uma cultura distorcida por preconceitos sociais.

Neste post você vai encontrar 5 filmes que mostram a mudança social acontecendo pelas mãos de seus heróis, negros de corpo e alma, que se colocaram frente as armas e ousaram modificar seu espaço.

Selma: Uma luta pela igualdade

Selma é um filme biográfico de drama histórico realizado por Ava DuVernay e escrito por Paul Webb. Foi baseado nas marchas de Selma a Montgomery de 1965 liderada por Martin Luther King, James Bevel, Hosea Williams e John Lewis. O filme protagonizou David Oyelowo como Martin, Tom Wilkinson como o presidente Lyndon B. Johnson, Tim Roth como George Wallace, Carmen Ejogo como Coretta King, e o rapper e ator Common como Bevel.

É o primeiro filme em que o protagonista é de fato o pastor protestante e ativista social Martin Luther King, Jr (David Oyelowo), que acompanha as históricas marchas realizadas por ele e manifestantes pacifistas em 1965, em busca de direitos eleitorais iguais para a comunidade afro-americana.

Ficha técnica

Ano: 2014.
Gênero: Drama histórico.
Direção: Ava DuVernay.
Roteiro: Paul Webb.
País: Estados Unidos.

Teza

Anberber é um intelectual que se formou em medicina. Ele retorna ao seu país de origem durante o forte regime marxista de Haile Mariam Mengistu, que reprime a sociedade. Anberber se vê impotente diante da desintegração da humanidade e dos valores sociais de seu povo. Ele passou vários anos na Alemanha estudando Medicina e volta para a Etiópia com esperanças e sonhos, mas acaba deparando-se com seu país em guerra.

Seu sonho de usar o que aprendeu para melhorar a saúde dos etíopes é esmagado pela junta militar que usa os cientistas para seus próprios objetivos políticos. Mesmo buscando o conforto de sua casa no campo, Anberber não consegue fugir da violência. A solidão que as memórias de sua juventude trazem é rapidamente substituída pela competição entre os militares e as facções rebeldes. Ele precisa decidir se resiste à tensão ou se tenta refazer sua vida com os fragmentos que estão à sua volta.

Ficha técnica

Ano: 2008.
Gênero: Drama.
Direção: Haile Gerima.
Roteiro: Haile Gerima.
País: Etiópia.

Anúncios do Demonstre que vão te interessar:

Primeiro anúncio: Compre nossos ebooks autorais e ajude o blog!!!

EBOOKS DEMONSTRE

Fundamental I e II:

Livros com mais de 150 páginas cada, super ilustrados, com aulas e projetos completos para cada dia do mês:

48 Atividades com datas comemorativas para o mês de Setembro: 25,00 — Compre aqui!

45 Atividades com datas comemorativas para o mês de Agosto: 10,00 — Compre aqui!

31 Atividades com datas comemorativas para o mês de Julho: 10,00 — Compre aqui!

Educação Infantil:

Apostilas em PDF com 20 atividades específicas cada uma, que você professor poderá aplicar e utilizar com seus alunos para desenvolver várias habilidades.

Caderno de atividades sobre o Folclore: 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre o Circo: 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre o Índio 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre o Carnaval: 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre o Natal: 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre o São João: 6,00 — Compre aqui!

Caderno de atividades sobre a Páscoa: 6,00 — Compre aqui!

Concurso Público:

Meu primeiro caderno para concurso, nele você não aprende a resolver apenas questões de concurso, mas a fazer um PPP:

Apostila sobre o Projeto Político Pedagógico: 40,00 — Compre aqui!

Segundo anúncio: 

Estamos com o nosso aplicativo de formação de professores baseado em QUIZ já na Google Play. Baixe agora e teste suas habilidade docentes.

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.demonstre.quizapp

O aplicativo é gratuito e recebe um teste novo por semana. Ideal para quem quer revisar o conteúdo ou estudar para concurso.

Obs: o aplicativo é preparado com uma metodologia baseada em reflexão de tarefa, então, cada questão e resposta são apresentadas de maneira a validar e construir o conhecimento do usuário.

Terceiro anúncio:

Continuamos com o projeto Poema de bom dia firme e forte, com mais de 30 publicações. Para ter acesso basta visitar o canal do Demonstre no Youtube: https://www.youtube.com/user/demonstrec ou clicar no play aqui na nossa playlist:

Para enviar o seu poema, basta encaminhar o mp3 + o texto para o e-mail: [email protected].

A Negação do Brasil

A Negação do Brasil é um documentário dirigido por Joel Zito Araújo o qual faz uma viagem pela história da telenovela brasileira e realiza uma análise crítica aos papéis atribuídos para atores e atrizes negras. O que o diretor demonstra em sua percepção é que normalmente tais papéis eram negativamente estereotipados.

Além disso, o filme conta com o depoimento de vários atores, tais como Milton Gonçalves, Maria Ceiça, Ruth de Souza, Zezé Mota, Léa Garcia, entre outros que discutem à respeito da carreira e dos preconceitos enfrentados por artistas negros. O diretor é notadamente reconhecido por suas pesquisas minuciosas e faz uma análise geral das influências da teledramaturgia brasileira no processo de identidade étnica dos atores afro-brasileiros.

Vale ressaltar que o filme recebeu diversos prêmios nacionais além de ser convidado para vários festivais e mostras internacionais.

Ficha técnica

Ano: 2001.
Gênero: Documentário.
Direção: Joel Zito Araújo.
Roteiro: Joel Zito Araújo.
País: Brasil.

12 Anos de Escravidão

12 Anos de Escravidão, do inglês 12 Years a Slave, é uma adaptação para o cinema da autobiografia de Solomon Northup (publicada em 1853), músico e negro livre nascido no Estado de Nova Iorque. Solomon recebe uma proposta de trabalho de dois homens e, acaba sendo sequestrado em Whashington, D. C. pelos mesmos, que na verdade o haviam enganado. Depois de capturado Solomon Northup é enviado para Luísiana, Nova Orleans, onde é ilegalmente sujeito à escravidão.

12 Anos de Escravidão foi premiado em três categorias na 86ª edição do Oscar, em 2014, sendo elas a de melhor atriz coadjuvante, que ficou com a atriz Lupita Nyong’o, melhor roteiro adaptado e melhor filme.

Ficha técnica

Ano: 2013.
Gênero: Drama épico.
Direção: Steve McQueen.
Roteiro: John Ridley
País: Estados Unidos.

Xala

El Jadi, um funcionário público senegalês corrupto que casa-se pela terceira vez utilizando fundos roubados. Quando ele finalmente realiza seu casamento acaba descobrindo, após a noite de núpcias, que foi amaldiçoado, ficando impotente sexualmente. A maldição é conhecida como “Xala”. O contexto histórico no qual a história acontece é logo após o Senegal conquistar a sua independência.

Pode parecer conflituoso, pois o protagonista nesse filme, El Jadi é na verdade é um anti-herói, um imoral. Porém, na verdade o roteiro apenas é construído de maneira a denunciar e a criticar as consequências da corrupção no Senegal de uma maneira que se pensada à fundo percebe-se genial! Então, nesse sentido, existe sim um herói nesse filme: Ousmane Sembene, o diretor.

Costumeiramente chamado apenas de Sembene, apesar do tom satírico e humorístico, na verdade faz uma grande crítica contra a corrupção que as elites semearam pela África e como isso afeta diretamente a vida de seu povo.

Ficha técnica

Ano: 1975.
Gênero: Comédia.
Direção: Ousmane Sembene.
Roteiro: Ousmane Sembene.
País: Senegal.

4 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente o preconceito racial é forte e está impregnado na nossa cultura. Presente não apenas nas atitudes, mas também nas piadinhas de mau gosto. Raça não define caráter ou capacidade, mas racismo sim.

    • Grazi, infelizmente essa é nossa realidade cultural. Mas não somos obrigados a concordar ou a ouvir e ficar de braços cruzados. Os debates e denúncias contra o racismo que tem acontecido ultimamente tem reforçado a ideia que o discriminação racial não é ou não deveria ser algo normal ou aceitável, mas sim um desrespeito. Somos seres que vivemos no século XXI e que avançamos tanto como civilização, mas em alguns aspectos continuamos tão primitivos como a séculos atrás. Cabe a nós não passarmos esses pensamentos e conceitos adiante. Meus pais pensam assim, mas eu não penso e espero que meus filhos, se eu tiver um dia, também não pensem dessa forma. Temos que combater essa cultura tão radical e injusta. Hasta! 😀

  2. As minorias não tem voz e nem representatividade, mas as nossas minorias são um pouco estranhas uma vez que as mulheres representam 51% da população e os negros (pretos + pardos) 53%. O que falta são boas lideranças para promover a união dessas ditas ‘minorias’. E consciência do poder que se tem. Todos nós pagamos os mesmo impostos e quanto mais pobre é a família, maior o percentual em relação aos ganhos. Não faz sentidos alguns grupos serem privilegiados. Eu faço a minha parte, nas eleições eu geralmente voto em mulheres. Essa é a minha contribuição para aumentar a representatividade das mulheres.

  3. Cinema é cultura e é bom ter indicação de bons filmes para assistir com a família e amigos no feriadão. Uma oportunidade de combater o racismo começando dentro da nossa casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.