• Início
  • Artigos
  • Bandidos na TV é incrível e chocante, assim como a política no Brasil

É impossível falar sobre Bandidos na TV, a série documental da Netflix e não estabelecer relações com a nossa política. A história fala do caso Wallace Souza, o apresentador de TV acusado de comandar o crime organizado em Manaus. Não por ser no Brasil, mas também por suas relações de herói/mártir do povo ser algo recorrente no país.

O acontecimento de Bandidos na TV

cinerama-1024x576-5377088-6022411
Reprodução/Netflix/Bandidos na TV

Tudo começa com o programa Canal Livre e seu comandante, Wallace Souza. O apresentador reportava crimes em seu programa, informando a população acerca da violência em Manaus. Além de alertar a população, o Canal Livre apresentava um forte apelo populista ao demonstrar os crimes e cobrar atitudes das autoridades locais. Além disso, conforme o programa foi crescendo, Wallace passou a ser acusado de comandar homícidios na cidade, que segundo a polícia, tinham objetivo de aumentar a audiência do Canal Livre e eliminar inimigos de Wallace. O deputado negava o crime, pelo qual estava sendo julgado e investigado. Cerca de 10 anos após o caso, a Netflix recupera todas as informações e apresenta ao seu telespectador todas as visões de cada testemunha e pessoa envolvida no caso.

A premissa envolvendo o documentário já é por si só intrigante. Os absurdos demonstrados, a trilha sonora de acordo com as situações e os finais dos episódios demonstram alto teor de dramaticidade e superficialidade. Porém, é importante citar que a série demonstra tudo o que aconteceu. Desde as reportagens sensacionalistas do programa, até mesmo a montagem da força-tarefa policial designada para descobrir os segredos de Wallace.

Pontos positivos

cinerama-1-1911624-6121798
Reprodução/Netflix/Bandidos na TV

Um dos pontos mais interessantes no documentário, é seu quebra-cabeças e suas reviravoltas. De fato, você uma hora pensa que Wallace é culpado, e outra acha que ele é inocente. Ao ouvir cada depoimento e versão diferente dos fatos, você passa a tender ou não para um dos lados. Além disso, há uma preocupação evidente da Netflix em expor os dois lados da história, estabelecendo conexões entre os depoimentos.

Algo a ser notado na série também é a forma como aparecem as críticas sociais. O poder da mídia e como ela controla a população, as autoridades que possuem uma ética duvidosa e parecem atender aos próprios interesses, além da questão do herói/mártir do povo. Ademais, não há uma conclusão explicíta na história de quem seja o culpado ou não, somente de que não há inocentes na trama.

Bandidos na TV demonstra quão absurdo e surreal pode ser um caso envolvendo crimes no Brasil. Além disso, demonstra que nunca devemos partir de uma conclusão precipitada ou apontar um único culpado. É necessário notar os erros que foram feitos por cada um e não julgar somente um lado. Sendo assim, a trama gira o tempo todo sobre as visões de cada depoimento, e cabe ao espectador, decidir o final da mesma.

Assista ao trailer da série:

É impossível falar sobre Bandidos na TV, a série documental da Netflix e não estabelecer relações com a nossa política. A história fala do caso Wallace Souza, o apresentador de TV acusado de comandar o crime organizado em Manaus. Não por ser no Brasil, mas também por suas relações de herói/mártir do povo ser algo recorrente no país.

O acontecimento de Bandidos na TV

cinerama-1024x576-5377088-6022411
Reprodução/Netflix/Bandidos na TV

Tudo começa com o programa Canal Livre e seu comandante, Wallace Souza. O apresentador reportava crimes em seu programa, informando a população acerca da violência em Manaus. Além de alertar a população, o Canal Livre apresentava um forte apelo populista ao demonstrar os crimes e cobrar atitudes das autoridades locais. Além disso, conforme o programa foi crescendo, Wallace passou a ser acusado de comandar homícidios na cidade, que segundo a polícia, tinham objetivo de aumentar a audiência do Canal Livre e eliminar inimigos de Wallace. O deputado negava o crime, pelo qual estava sendo julgado e investigado. Cerca de 10 anos após o caso, a Netflix recupera todas as informações e apresenta ao seu telespectador todas as visões de cada testemunha e pessoa envolvida no caso.

A premissa envolvendo o documentário já é por si só intrigante. Os absurdos demonstrados, a trilha sonora de acordo com as situações e os finais dos episódios demonstram alto teor de dramaticidade e superficialidade. Porém, é importante citar que a série demonstra tudo o que aconteceu. Desde as reportagens sensacionalistas do programa, até mesmo a montagem da força-tarefa policial designada para descobrir os segredos de Wallace.

Pontos positivos

cinerama-1-1911624-6121798
Reprodução/Netflix/Bandidos na TV

Um dos pontos mais interessantes no documentário, é seu quebra-cabeças e suas reviravoltas. De fato, você uma hora pensa que Wallace é culpado, e outra acha que ele é inocente. Ao ouvir cada depoimento e versão diferente dos fatos, você passa a tender ou não para um dos lados. Além disso, há uma preocupação evidente da Netflix em expor os dois lados da história, estabelecendo conexões entre os depoimentos.

Algo a ser notado na série também é a forma como aparecem as críticas sociais. O poder da mídia e como ela controla a população, as autoridades que possuem uma ética duvidosa e parecem atender aos próprios interesses, além da questão do herói/mártir do povo. Ademais, não há uma conclusão explicíta na história de quem seja o culpado ou não, somente de que não há inocentes na trama.

Bandidos na TV demonstra quão absurdo e surreal pode ser um caso envolvendo crimes no Brasil. Além disso, demonstra que nunca devemos partir de uma conclusão precipitada ou apontar um único culpado. É necessário notar os erros que foram feitos por cada um e não julgar somente um lado. Sendo assim, a trama gira o tempo todo sobre as visões de cada depoimento, e cabe ao espectador, decidir o final da mesma.

Assista ao trailer da série:

Comentar

  • Em momento algum eu acreditei na inocência do Wallace. O documentário tenta forçar uma neutralidade. As provas materiais são contundentes demais para inocentá-lo: registros telefônicos do Moa ligando para ele (apesar dele dizer que não o conhecia), listas de armas pesadas dentro de uma mala com segredo, grande quantidade de dinheiro em um cofre, lista com criminosos mortos (principal prova, a meu ver), além do forte depoimento da repórter do programa dele (que acabou sendo diluído em meio ao espaço demasiado dado ao filho, à irmã e ao advogado, que nada acrescentaram ao documentário).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20