• Início
  • Artigos
  • Crítica | Estrada sem lei – Além de Bonnie e Clyde

Crítica | Estrada sem lei – Além de Bonnie e Clyde

O bem articulado e desenvolvido plano para capturar e matar um dos maiores casais de ladrões de todos os tempos ganha filme, Estrada sem lei disponível pela Netflix.

Produzido pela Netflix, dirigido por John Lee Hancock e estrelado por Kevin Costner, Woody Harrelson e Kathy Bates, Estrada sem lei traz de volta parte da história do casal mais romantizado da história americana.

Nos anos ‘30 quando Bonnie e Clyde começaram a praticar assaltos à bancos e pequenos furtos a polícia local não imaginava que teria tanto trabalho pela frente. Após inúmeras tentativas falhas em capturar a dupla, e com as mortes constantes de policiais por eles a governadora do Estado entra no caso e decide que precisa colocar um fim naquela onda de crimes. Para isso, estabelecem contato com os agentes especiais, Frank Hamer (Costner) e Maney Gault (Harrelson).

O detalhe que poderia ser preocupante a respeito dos agentes é que eles estavam, há tempos, aposentados do serviço. Essa é uma questão muito bem colocada no longa em cenas que enfatizam a preocupação com a idade e a falta de habilidade, como a cena em que Frank (Costner) volta a praticar o tiro em garrafas no ar, sem muito sucesso, e quando Maney (Harrelson) é questionado por seu neto sobre ter sido um herói.

Esse aspecto leva a momentos onde os próprios agentes começam a duvidar de si mesmos, às vezes pela falta de resistência física durante a investigação do caso, outras pela insistência de outras pessoas em relembrar os grandes feitos da dupla.

Também é explorado sutilmente a relação que Bonnie e Clyde tinham com seus familiares, considerando que a aproximação entre eles foi um ponto decisivo para a sua captura e morte. Toda a comoção da cidade natal do casal também é mostrada, dando a impressão de que toda a conduta deles seria justificável por serem tão preocupados com as suas famílias e amigos. Isso também ocorre após a morte dos criminosos em uma cena que choca ainda mais por ter sido verídica.

Estrada sem lei traz uma fotografia e trilha sonora que se encaixam muito bem, mas quem espera apenas por cenas de tiroteios e perseguições sem pausa pode achar um tanto entediante, já que a proposta do roteiro não se limita à isso. Por mais que o foco pareça ser os criminosos, não é.

Para aqueles que conhecem essa parte da história americana como para os que desconhecem é interessante ver sob o ângulo dos agentes, sendo uma perspectiva que mostra tanto a necessidade de se fazer o trabalho como de se ter consciência daquilo que esta sendo feito.

Assista ao trailer:

Comentar

  • O filme é interessante e vale ser visto.
    Quanto ao enredo em si, fica claro que tentam fazer com que se tenha raiva, ate ódio do casal, principalmente de Bonnie, quando imputam a ela ter a tirado nos policiais friamente e de forma covarde, o que em depoimentos de outros membros e testemunhas de casos, não foi comprovado…
    Outra que mais de 80% dos golpes do casal, eram em loja de conveniência, postos de gasolina, raros foram os bancos… mas esses deram a fama e tem alguns que parecem ter forjado o assalto para recorrer ao seguro, culpado o casal, que nem na cidade estava, enfim, muitos mistérios que a polícia não investigou, pois a atitude no desfecho final foi uma execução, segundo dizem, por ordem da governadora, o casal não poderia chegar vivo aos jornais… por que será?
    Também, por depoimentos e pessoas próximas e de testemunhas locais, disseram que Bonnie nunca tinha atirado num policial e depois do acidente, ela tinha grande dificuldade de andar, muitas vezes nem saindo do carro.
    Clyde tinha revolta do sistema pelo tratamento que recebeu nas prisões desde sua adolescência, onde dizem ter sido abusado, por isso tinha dificuldades de se relacionar, e encontrou em Bonnie a parceira perfeita, que aceitava seu jeito de ser.
    Bonnie casou aos 15 anos, mas pouco depois se separou, não formalmente, e seu ex foi preso por roubo de carro.
    DIzem que Bonnie nunca tirou a aliança, não se sabe exatamente o por que, mas todos comenta, que ela e Clyde tinha uma quimica muito especial.
    Eles tinham a mesma idade, e foram mortos de forma covarde, sem direito a defesa,
    O carro esta exposto num cassino proximo a las vegas e quem ver a foto, ira perceber a intenção concentração de tiros no lado do carona, onde Bonnie estava sentada, isso foi devido aos intensos boatos de que ela era uma matadora de policiais, o que nunca se comprovou.
    Ao morrer, Bonnie Elizabeth Parker tinha 23 anos e Clyde Chestnut Barrow, 25. O carro em que estavam, tinha nada menos do que 187 tiros, todos a menos de 5 metros o que levantou a suspeita de que tiveram contato visual, nem Bonnie nem Clyde derem um tiro sequer.
    Não defendo o casal, mas esse fuzilamento a sangue frio, é tão somente um incentivo de que se faça justiça com as próprias mãos, 187 tiros… que machões hein.
    Muita podridão envolvida e em diversos outros casos, tudo porque se aproveitavam da fama, construída pela mídia, historicamente vendida ao poder, para culpar esses e outros bandidos pro crimes que não cometeram, mas alguém cometeu, alguém ficou com o dinheiro.. por que eles não podiam chegar vivos, porque tinham de ser fuzilados… exemplo para a juventude que via neles heróis, heróis criados pela mídia, eles nem ai… mas alguém estava ai, alguém tinha interesse que a fama deles crescessem… alguém já tinha tudo planejado.

    Bonnie tinha 1.50m, aproximadamente 42kg, Clyde 1,64m, 60kg
    ambos faziam dieta low carb com jejum intermitente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20