Hereditário é para mim um dos melhores filmes de terror de todos os tempos, confira aqui no Demonstre a crítica desse terror dirigido por Ari Aster.

Hereditário, o herdeiro maior

É comum vermos pessoas tecendo comentários sobre como tal filme “copiou” de um filme mais antigo que ele e é natural que as pessoas busquem originalidade e pioneirismo no que consomem, no entanto, é necessário entender que plágio e referência são duas coisas bem distintas.

hereditario

Hereditário conta a história de uma família que perde a sua matriarca, demarcando cada traço de convivência com cada membro da família após sua morte e a sua relação mais próxima com a sua neta caçula, Charlie.

Com o desenrolar da narrativa se percebe que a sua relação de fascínio não usual pela garota possui interesses muito maiores.

Hereditário é o tipo de filme que você assiste e logo pega, se tiver um bom repertório de filmes do gênero, as referências utilizadas pelo diretor Ari Aster para o desenrolar da narrativa.

É possível identificar referências gráficas de O Exorcista, referências narrativas de O bebê de Rosemary, e tudo isso é normal, principalmente quando utilizado de tão boa forma quanto Aster utilizou em Hereditário.

Filmes importantes deixam legados que devem ser aproveitados para enriquecer narrativas posteriores, isso é referência e não faz o filme perder a sua originalidade, diferente do plágio, que é uma mera cópia.

A cinematografia de Hereditário

Após a morte da matriarca, que dá o tom inicial do filme (não sendo assim um spoiler de fato), nos é apresentado o resto da família que fica. Nisso identificamos sua filha, a mãe da família e seu trabalho: uma artista que produz maquetes para grandes obras.

hereditario

Os maçons chamam Deus de “o grande arquiteto do universo”, e como podemos identificar nossa vida como uma obra em constante construção, é de se imaginar pela lógica que Deus, como arquiteto, esteja sempre a observar e mexer os pauzinhos para que tudo saia como planejado por ele. Mas e se Deus não for o único arquiteto a mexer os pauzinhos dessa obra?

Crítica: hereditário

Com o uso constante de grande angulares, Ari Aster destina o ofício de construtor de maquetes não apenas à mãe da família, mas a algo maior, invisível, que nos é apresentado já nos primeiros planos do filme e nos acompanha até o fim.

Sempre com planos abertos da casa, interior e exterior, com seus habitantes caminhando minúsculos, como bonecos a serem manipulados, inclusive por luzes que apontam as direções que devem seguir, como que controlados por uma organização que foge totalmente as suas compreensões.

Hereditário e a segurança familiar

Em tempo como os de hoje, onde o valor da família é tão citado como relacionado a segurança e proteção do ser para o seu desenvolvimento, é necessário lembrar que nem toda família age como nos é apresentado pelos comerciais de margarina.

Crítica: hereditário

Hereditário, a partir já do seu título, deixa explícito que esse caráter protetor da família não é tão absoluto assim.

O perigo quando vem da família é duplamente assustador por ser algo que você convive diariamente, e por ser hereditário (não havendo assim, escolha), é triplamente desesperador, principalmente tratando-se de algo sobrenatural que não se tem controle.

Você foi escolhida para aquilo desde antes do seu nascimento e não há para onde correr, não tem escapatória, não tem a quem recorrer, você nasceu para aquilo, um membro da sua família que deveria cuidar de você e te proteger, impôs aquilo sobre você e não há nada que você possa fazer. Daí, um dos horrores de Hereditário.

A representação demoníaca em Hereditário

Se alguém chegar e falar que hereditário é um filme sobre aparições e possessões demoníacas provavelmente várias pessoas que ouvirem isso farão uma cara de desprezo imaginando que já existem centenas de filmes com a mesma temática, no entanto, é necessário ressaltar que os elementos de Hereditário impõem nessa presença demoníaca uma originalidade cirúrgica.

hereditario

É comum a presença, em vários filmes, de tabuleiros ouija, de demônios com nomes genéricos criados apenas para aquela película e nada mais.

No entanto, Hereditário possui uma pesquisa própria sobre demônios, é perceptível esse fator quando se observa a utilização de um demônio (daemon, para usar o melhor termo) da goétia, Paimon, incluindo seu selo próprio e traçando ao longo do filme todas as características descritas.

Segundo a goétia, Paimon é o nono rei do inferno, bastante próximo a Lúcifer, que ensina sobre mistérios da existência, governa o dinheiro (não riqueza em aberto, mas dinheiro em específico), dá boas posições na sociedade e pode influenciar e controlar outras pessoas.

Além disso, Paimon é descrito como um daemon do âmbito familiar. A riqueza nos detalhes de pesquisa e sua inserção no filme é um trunfo da boa utilização demoníaca na narrativa de Hereditário.

Veredito sobre Hereditário

Hereditário é mais um filme que veio para sacudir de vez a produção de filmes de terror no nosso século.

Quando filmes como Hereditário, A Bruxa, Midsommar, aparecem nas telonas, estabelecem um padrão de qualidade para os filmes daquele gênero serem vistos com bons olhos pela crítica e público, incentivando a produção de filmes melhor elaborados, com menor apelo comercial.

Hereditário é, portanto, na minha opinião, um clássico instantâneo do terror contemporâneo e uma ode às boas referências. Que venham como vieram em Hereditário, servindo de apoio à originalidade.

Espera, não vai embora agora! Acompanhe outros artigos sobre cinema no nosso blog. Eu reservei um especial pra você que está lendo sobre Ari Aster, seu segundo trabalho de longa metragem: Midsommar.

Hereditário é para mim um dos melhores filmes de terror de todos os tempos, confira aqui no Demonstre a crítica desse terror dirigido por Ari Aster.

Hereditário, o herdeiro maior

É comum vermos pessoas tecendo comentários sobre como tal filme “copiou” de um filme mais antigo que ele e é natural que as pessoas busquem originalidade e pioneirismo no que consomem, no entanto, é necessário entender que plágio e referência são duas coisas bem distintas.

hereditario

Hereditário conta a história de uma família que perde a sua matriarca, demarcando cada traço de convivência com cada membro da família após sua morte e a sua relação mais próxima com a sua neta caçula, Charlie.

Com o desenrolar da narrativa se percebe que a sua relação de fascínio não usual pela garota possui interesses muito maiores.

Hereditário é o tipo de filme que você assiste e logo pega, se tiver um bom repertório de filmes do gênero, as referências utilizadas pelo diretor Ari Aster para o desenrolar da narrativa.

É possível identificar referências gráficas de O Exorcista, referências narrativas de O bebê de Rosemary, e tudo isso é normal, principalmente quando utilizado de tão boa forma quanto Aster utilizou em Hereditário.

Filmes importantes deixam legados que devem ser aproveitados para enriquecer narrativas posteriores, isso é referência e não faz o filme perder a sua originalidade, diferente do plágio, que é uma mera cópia.

A cinematografia de Hereditário

Após a morte da matriarca, que dá o tom inicial do filme (não sendo assim um spoiler de fato), nos é apresentado o resto da família que fica. Nisso identificamos sua filha, a mãe da família e seu trabalho: uma artista que produz maquetes para grandes obras.

hereditario

Os maçons chamam Deus de “o grande arquiteto do universo”, e como podemos identificar nossa vida como uma obra em constante construção, é de se imaginar pela lógica que Deus, como arquiteto, esteja sempre a observar e mexer os pauzinhos para que tudo saia como planejado por ele. Mas e se Deus não for o único arquiteto a mexer os pauzinhos dessa obra?

Crítica: hereditário

Com o uso constante de grande angulares, Ari Aster destina o ofício de construtor de maquetes não apenas à mãe da família, mas a algo maior, invisível, que nos é apresentado já nos primeiros planos do filme e nos acompanha até o fim.

Sempre com planos abertos da casa, interior e exterior, com seus habitantes caminhando minúsculos, como bonecos a serem manipulados, inclusive por luzes que apontam as direções que devem seguir, como que controlados por uma organização que foge totalmente as suas compreensões.

Hereditário e a segurança familiar

Em tempo como os de hoje, onde o valor da família é tão citado como relacionado a segurança e proteção do ser para o seu desenvolvimento, é necessário lembrar que nem toda família age como nos é apresentado pelos comerciais de margarina.

Crítica: hereditário

Hereditário, a partir já do seu título, deixa explícito que esse caráter protetor da família não é tão absoluto assim.

O perigo quando vem da família é duplamente assustador por ser algo que você convive diariamente, e por ser hereditário (não havendo assim, escolha), é triplamente desesperador, principalmente tratando-se de algo sobrenatural que não se tem controle.

Você foi escolhida para aquilo desde antes do seu nascimento e não há para onde correr, não tem escapatória, não tem a quem recorrer, você nasceu para aquilo, um membro da sua família que deveria cuidar de você e te proteger, impôs aquilo sobre você e não há nada que você possa fazer. Daí, um dos horrores de Hereditário.

A representação demoníaca em Hereditário

Se alguém chegar e falar que hereditário é um filme sobre aparições e possessões demoníacas provavelmente várias pessoas que ouvirem isso farão uma cara de desprezo imaginando que já existem centenas de filmes com a mesma temática, no entanto, é necessário ressaltar que os elementos de Hereditário impõem nessa presença demoníaca uma originalidade cirúrgica.

hereditario

É comum a presença, em vários filmes, de tabuleiros ouija, de demônios com nomes genéricos criados apenas para aquela película e nada mais.

No entanto, Hereditário possui uma pesquisa própria sobre demônios, é perceptível esse fator quando se observa a utilização de um demônio (daemon, para usar o melhor termo) da goétia, Paimon, incluindo seu selo próprio e traçando ao longo do filme todas as características descritas.

Segundo a goétia, Paimon é o nono rei do inferno, bastante próximo a Lúcifer, que ensina sobre mistérios da existência, governa o dinheiro (não riqueza em aberto, mas dinheiro em específico), dá boas posições na sociedade e pode influenciar e controlar outras pessoas.

Além disso, Paimon é descrito como um daemon do âmbito familiar. A riqueza nos detalhes de pesquisa e sua inserção no filme é um trunfo da boa utilização demoníaca na narrativa de Hereditário.

Veredito sobre Hereditário

Hereditário é mais um filme que veio para sacudir de vez a produção de filmes de terror no nosso século.

Quando filmes como Hereditário, A Bruxa, Midsommar, aparecem nas telonas, estabelecem um padrão de qualidade para os filmes daquele gênero serem vistos com bons olhos pela crítica e público, incentivando a produção de filmes melhor elaborados, com menor apelo comercial.

Hereditário é, portanto, na minha opinião, um clássico instantâneo do terror contemporâneo e uma ode às boas referências. Que venham como vieram em Hereditário, servindo de apoio à originalidade.

Espera, não vai embora agora! Acompanhe outros artigos sobre cinema no nosso blog. Eu reservei um especial pra você que está lendo sobre Ari Aster, seu segundo trabalho de longa metragem: Midsommar.

Comments (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20