O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Existem maneiras diferentes de abordar o longa-metragem “O Homem Que Desafiou o Diabo”. Vem comigo entender melhor sobre esta obra Nordestina de 2007.

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Se optarmos por expô-lo à sua obra, podemos considerá-lo um exemplo típico da recente “cinema sanguessugadas regionalidades”, onde grandes produtores do Sudoeste (para ser sincero: principalmente o Rio) são proprietários de obras literárias e / ou dramáticas. E / ou folclore e / ou sítios históricos de diferentes partes do Brasil.

Análise geral /O Homem Que Desafiou o Diabo

Tendo em vista seus técnicos, atores, produtores, e quase sempre leve recursos locais, mão de obra barata e algumas imagens e costumes de lá, quase sempre exóticos.

São tantos que não há necessidade de tentar listar todos os trabalhos que seguiram esse caminho na produção brasileira a partir de 1995, mas vale destacar que o produtor deste filme, se dedicam ao extremo.

Lembra Bela Donna é do filme de Paixão de Jacobina, do filme de Nossa Senhora de Caravaggio – estranhamente, todos esses filmes são “filmes populares” e não tiveram retorno emotivo do público (assim como O Homem Que Desafiou o Diabo).

Como compreender ?

Uma maneira de lidar com esse filme é como um projeto dramático. Neste caso, o filme mostra claramente a sua ligação com uma certa tradição épica fauvista, encarnada na personagem de Palmeira, curiosa personagem do herói cujo herói vive suas pelejas, o título do livro que origina o filme, é obviamente atribuído às 12 obras de Hércules.

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Ojuara, goza de uma reputação fabulosa de “machão”, se tem um aspecto competitivo interessante (impondo-se ao coronelismo ou ao beatismo), é inegavelmente um aspecto forte do machismo (porque as mulheres sempre aparecem como uma prostituta ou “santa”).

Sua origem

No entanto, o projeto cinematográfico popular de Moacyr Góes aqui delineado não só explora suas origens, mas também parece buscar uma abordagem um tanto estranha ao típico universo do cinema popular brasileiro dos anos 70: até agora, para a maioria dos espectadores, Este filme recente tem a maioria dos filmes de sexo e sexo.

Mulheres com roupas pequenas consideram as palavras vulgares como um discurso contínuo e consideram certos momentos como os verdadeiros herdeiros do povo Trapalhões (principalmente assistindo às cenas de Otto ou de Flavia Alexandra solução).

 Uma perspectiva de produção

É impossível para nós ignorar qualquer um desses dois aspectos como o fator principal na análise de “O Homem Que Desafiou o Diabo”, porque devemos ignorar um aspecto mais direto e direto: a pureza e a simplicidade de seu artesanato.

Moacyr Góes tem até direito de reclamar das críticas ali veiculadas em matéria do jornal O Globo, que é preconceito franco, elitismo, e também foi muito mal debatido em última instância – e antes fundamentalmente Não é aceitável tentar usá-lo em cinemas com base na popularidade do binômio deficiente da comédia sexual.

Aliás, aliás, não foi em seus projetos cinematográficos, produtivos ou dramáticos, que se descobriu o maior pecado do filme (afinal, o mesmo processo produziu filmes bastante interessantes, como Lisbela e o Prisioneiro ou O auto da compadecida).

Entenda a narrativa

Não é porque O Homem normalmente atira no seu pé, em cada sequência, em cada cadeia narrativa. Então, vamos dar alguns exemplos para que não fiquemos apenas no papinho sem verdadeiras explicações.

A introdução deste filme fez com que José Araújo se transformasse em Ojuara, cuja velocidade de encenação / edição era tão rápida que parecia um trailer, com todas as cenas equivalentes a Informações básicas (José, ele é “raparigueiro”, ele tem relações com Dualiba, eles se casam, ela oprime ele, ele se revolta).

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Portanto, como não sentimos a duração de nenhuma situação, essa ideia de mudança soa absurda, e a impressão que fica é que ou o filme pode simplesmente narrar as pelejas de Ojuara.

Manter esse ritmo ao longo do filme, o acúmulo de cenas e pequenos personagens podem atrair a força de cada segmento

Ojuara parece apenas existir, e vagar por aí no filme, e esse filme parece ridiculamente longo (porque acumula muitas sequências) e não tem substância.

Considerações finais

Como cineasta eu entendo que o preconceito e o elitismo existe realmente, porém o filme não tem tanto afetivo popular por seus aspectos preconceituosos no roteiro.

Mas pra um filme de 2007 levando em consideração o lado de humor do filme, posso dizer que ele tira boas risadas.

Perguntas frequentes

Quem é Moacyr Góes ?

Moacyr Góes (Natal, 23 de outubro de 1961) é um roteirista e diretor de cinema e teatro brasileiro. É filho do educador e historiador Moacyr de Góes e irmão do ator Leon Góes.

O que acontece em O Homem Que Desafiou o Diabo?

Zé Araújo é um viajante recém-chegado em Jardim dos Caiacós. Ele seduz a filha de um comerciante e é obrigado a se casar com ela. Araújo torna-se um escravo do sogro e da mulher. Percebendo que vira motivo de piada na cidade, ele resolve mudar de vida e começar uma nova.

Quando foi lançado o filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

O filme o homem que desafiou o diabo foi lançado em 28 de setembro de 2007

Quais os nomes dos roteiristas do filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

Moacyr Góes, Nei Leandro de Castro, Bráulio Tavares

Qual origem do filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

O filme tem origem Nordestina, mais precisamente potiguar

Espero ter ajudado e que tenha entendido mais sobre o assunto e criado seu ponto de vista a partir da leitura.

Gostou do post sobre O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise ?

Gostou? Compartilhe!

Que horas ela volta? (2015)

Que horas ela volta? (2015)

Que horas ela volta?-(2015), O filme foi Dirigido e escrito por Francisca Bulevt (de É proibido fumar) , estava no período pós-eleitoral e colidia com o sistema político brasileiro. O filme começa a criticar as divisões sociais e regionais que o país tem vivido, levando em consideração a história do Brasil, que a desigualdade social é eterna.

Que horas ela volta? (2015)
Que horas ela volta? (2015)

O filme estreou no Sundance Film Festival, em Utah – EUA. Antes de chegar ao Brasil em 27 de agosto de 2015, estreou em cinemas de sete países europeus. O 15º Prêmio do Cinema Brasileiro conquistou sete troféus Grand Otelo.

Que horas ela volta? (2015)

O filme conta a história de Val (Regina Casé), dona de casa nordestina que mora há mais de dez anos na casa de um patrão de classe média em São Paulo (interpretada por Karine Teles e Lourenço Mutarelli).

Val era tratado de maneira diferente dos outros membros da casa, não questionava por que tinha que comer em mesas diferentes, morar no cômodo mais desconfortável e não poder desfrutar da piscina.

Seus chefes parecem muito modernos, mas são mais conservadores nos costumes sociais, sempre dizem que ela é uma família, mas mesmo que ela cuide dos filhos como se fosse dela, nunca a trataram assim.

Jéssica deixa Recife

Quando Val recebeu um telefonema de sua filha Jéssica (Camila Márdila), o enredo mudou. Quando se mudou para São Paulo, ficou no Recife em busca de melhores condições de vida.

Val espera estreitar o relacionamento com a filha que não via há dez anos, por isso a recebe na capital paulista, onde fará o vestibular, que por coincidência é igual ao filho do patrão, Fabinho (Michel Joelsas).

Que horas ela volta? (2015)
Que horas ela volta? (2015)

Jessica mora com sua mãe em seu ambiente de trabalho e fica nervosa em casa porque não é o esperado por Val e principalmente por seus chefes.

Ela é uma menina esperta e indagadora , sua chegada é como uma visitante do filme O Teorema, destruindo o pensamento e o comportamento dos membros da casa, principalmente da mãe, que sempre obedecem às ordens sem reclamar.

Crítica Social / Que horas ela volta? (2015)

As formas do longa-metragem apresentar as críticas sociais levou o público a reavaliar sua sociedade. É justamente isso que o direção tenta retratar nesta e em outras obras: as discrepâncias sociais que o Brasil vive e viveu.

Anna Muylaert gosta de usá-lo, assim como seu trabalho “Durval Discos”. Por se tratar de uma crônica, a história do filme não se aprofunda nos temas abordados pela pesquisa, deixando alguns finais soltos.

Que horas ela volta? (2015)
Que horas ela volta? (2015)

Além disso, possui também símbolos como o de sorvete e xícaras de café, mais importantes do que o normal, de modo que preconceitos simples do cotidiano permitem que o espectador reflita.

Regina Casé

A performance de Regina é mais simples e eficaz, o que a surpreendeu, o que não é comum para quem já assistiu seu pós show “Esquenta!” O humor em sua fala é um estereótipo óbvio dos pobres e traz o tom da crônica social.

Considerações finais

Desta forma, o grande roteiro, os papéis cuidadosamente elaborados dos atores e a narrativa dramática bem contada do filme “Que horas ela volta? (2015)

Isso permite que muitos espectadores reconheçam o enredo e as questões sociais que são bem retratadas e critiquem vários temas que as pessoas muitas vezes não percebem.

Sem dúvidas pra mim foi o melhor filme que vi naquele ano e é uma grande recomendação que faço sempre, por ser um bom filme em todos os seus aspectos, levando em conta além das críticas sociais.

Perguntas frequentes sobre o tema

Qual a naturalidade da Regina Casé?

Regina casé é carioca, mais precisamente: Botafogo, Rio de Janeiro

Qual a idade da Regina Casé atriz?

Regina casé nasceu em 25 de fevereiro de 1954 em 2020 soma 66 anos 

O que acontece no filme que horas ela volta?

é um filme brasileiro de 2015, do gênero drama, escrito e dirigido por Anna Muylaert. O filme é protagonizado por Regina Casé e trata dos conflitos que acontecem entre Val, uma empregada doméstica do Brasil e seus patrões de classe média alta, criticando as desigualdades da sociedade brasileira.

Onde assistir que horas ela volta?

Você pode assistir legalmente “Que Horas Ela Volta?” no Globo Play.

Que horas ela volta tempo de duração?

O longa-metragem nacional Que horas ela volta, tem 1h 54m de duração.

Espero ter ajudado e espero que tenha se informado melhor sobre este filme maravilhoso que é uma obra nacional que merece todos os elogios possíveis.

Gostou do post sobre Que horas ela volta? (2015)

Gostou? Compartilhe!

5x favela

5x Favela – Resumo

5x Favela – Agora por Nós Mesmos é um filme brasileiro dirigido por um grupo de jovens cineastas residentes em favelas do Rio de Janeiro e produzido por Carlos Diegues e Renata de Almeida Magalhães.

5x favela
5x favela

O filme está dividido em cinco episódios, por isso é o título do longa-metragem e também cita o filme Cinco Vezes Favela (1962). 5x Favela – Agora por Nós Mesmos é o primeiro longa-metragem brasileiro totalmente concebido, criado e dirigido por jovens moradores de favelas

5x Favela – Resumo da divisão

Como citado anteriormente 5X Favela foi o primeiro longa totalmente Brasileiro e totalmente produzidos pelos jovens residentes das comunidades.

1ª Parte

“Fonte de Renda” conta a história de Maicon (Sílvio Guindane) que conseguiu passar no vestibular, mas logo teve problemas para comprar livros, comida e transporte.

Então ele quis começar a vender drogas para estudantes universitários para poder se pagar. Mas logo em seguida ele passou por uma tragédia.Não foi possível atravessar esta rua porque ele planejava levar a droga para um amigo naquele dia.Ela estava lotada de policiais e finalmente deixou a “ordem” em casa.

5x favela
5x favela

Depois de chegar à universidade, ele explicou aos amigos por que não usava drogas. De repente, ele recebeu uma ligação do patrocinador dizendo que seu irmão estava no hospital e estava gravemente doente devido à ingestão da substância e veias bloqueadas.

Ao chegar ao hospital, acabou sendo espancado pelo padrinho. Desde então, Maicon parou de vender cocaína e se graduou em direito.

2ª Parte

“Arroz e Feijão” conta a história de um pai que não conseguia comprar vários alimentos, ele e seu filho Wesley (Juan Paiva) cozinham diariamente e feijão juntos. No aniversário do pai, comprou uma galinha com o amigo Pablo Vinícius, e fez alguns trabalhos na tentativa de ganhar dinheiro para comprar galinhas.

5x favela
5x favela

Mas cada vez que terminarem seu trabalho, seu “pagamento” terá problemas, então os dois têm a ideia de roubar galinhas, ninguém sabe. Depois de um tempo, após comer as galinhas, ele se deitou no sofá para dormir e ouviu as conversas de seus pais, onde seu pai revelava porque ele não comia galinhas, dizendo que seu pai roubou as galinhas, e ele foi espancado no dia seguinte.

O dono do galinha soube da novidade, o menino saiu de novo, ganhou dinheiro, comprou outro galinho e colocou onde roubou.

3ª Parte

“Concerto para Violino” conta a história da amizade de três pessoas na infância. Vinte anos depois, Jota (Thiago Martins) fez um curso de narcotráfico, Ademir (Samuel de Assis) virou policial e Márcia (Cintia Rosa) violinista. Jota roubou algumas armas da prisão, a tarefa de Ademir é encontrá-lo e devolver as armas.

4ª Parte

“Deixa Voar” conta a história de um menino de 17 anos, Flávio, que vai soltar pipa depois da escola até deixar a pipa do amigo cair na favela de um rival, e ele precisa pegar a pipa.

5x favela
5x favela

Depois de chegar lá, acabou caindo com os meninos empinadores, mas seu primo chegou e resolveu tudo. Depois dessa bagunça, Flavio aproveitou a viagem para ir até a casa do amigo. O autor o mandou em segurança para a favela.

5ª e última parte

“Acender as luzes” conta uma história de Natal. As luzes na montanha estão apagadas e os técnicos da empresa precisam de uma luz para consertar as luzes, mas os moradores não querem que essa pessoa caia.

5x favela
5x favela

Essa pessoa liga para um amigo para ajudar Ele pegou a peça, mas não queria ir porque era Natal, então ele passou o Natal na favela e conseguiu colocar a luz no poste, e o Natal foi pra ele.

Perguntas frequentes relacionadas ao assunto

Quando 5x Favela foi lançado?

27 de agosto de 2010

Quem foram os diretores do longa 5x Favela?

Cadu Barcelos, Cacau Amaral, Rodrigo Felha, Wagner Novais, Manaira Carneiro, Luciana Bezerra, Luciano Vidigal

Qual a sinopse geral do longa 5x Favela?

O documentário apresenta cinco filmes de ficção, de cerca de 20 minutos cada um, sobre diferentes aspectos da vida em suas comunidades.

Qual a avaliação do longa 5x Favela ?

Segundo pesquisas 92% gostaram e recomendam esse filme

Em que estado se passa 5x Favela?

o longa 5x Favela se passa nas favelas do Rio de Janeiro

Espero que tenha gostado do post e entendido um pouco mais sobre o longa 5x Favela.

Gostou do post sobre 5x Favela – Resumo ?

Gostou ? Compartilhe!

Era uma Vez (2008) - Análise Crítica Geral

Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral

Era uma Vez … é um drama brasileiro e filme romântico dirigido por Breno Silveira em 2008. Situado no Rio de Janeiro contemporâneo.

Era uma Vez (2008) - Análise Crítica Geral
Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral

É produzido pela Conspiração Films, co-produzido pela Globo Filmes e Lereby Produções, e não só é distribuído no Brasil, mas também distribuído globalmente pela Columbia Pictures.

Era uma Vez – Enredo

Dé (Thiago Martins) é um menino que cresceu na favela do Cantagalo no Rio de Janeiro. Quando criança, ele viu seu irmão ser assassinado por traficantes por brigar em uma partida de futebol. Seu outro irmão Carlão (Rocco Pitanga) foi expulso do cheongsam e preso por negligência.

Era uma Vez 2008 Análise Crítica Geral vidigal
Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral

Dé está disposto a viver uma vida honesta, trabalhando em um quiosque na Praia de Ipanema, onde é atraído por uma moça rica, Nina (Vittoria Flat), que mora em frente ao quiosque. Os dois se apaixonaram profundamente e iniciaram um relacionamento.

Esquema do Carlão

Devido a um acordo com a polícia, Carlão acabou sendo condenado à prisão e planejou governar a favela e matar o assassino de seu irmão, tornando-se o dono do morro. A luta pelo poder na favela se intensificou, e o pai de Nina (Evandro) decidiu proibi-la de subir no morro para encontrar o namorado e disse que compraria passagem para a Europa.

Era uma Vez (2008) - Análise Crítica Geral
Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral

Nina fingiu aceitar uma viagem com o pai, mas na verdade seu namorado planejava fugir para o Nordeste e morar com eles. Carlão deu uma festa de despedida para os dois na favela, mas na mesma noite a polícia e o bandido recolheram o dinheiro que Carlão devia a eles.

Sequestro de Nina

Sem saída, Carlão aproveitou quando Nina saiu para sequestrá-la e pediu ao pai uma grande soma em dinheiro para pagar a dívida. Depois que Paulo César Grande soube do sequestro, imediatamente mandou uma foto do namorado da filha para o jornal, acreditando que Dé estivesse envolvido em um crime.

Dé não sabia de nada, foi até o irmão para ajudar a encontrar Nina, mas logo descobriu que estava levando a namorada como refém. Depois de duas lutas, Dé finalmente atirou em Carlão no peito. O topo da montanha se arrependeu e disse ao casal para fugir.

Era uma Vez (2008) - Análise Crítica Geral
Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral

Temendo que a polícia não acreditasse na inocência de Dé, os dois correram até o quiosque para pegar o dinheiro e fugiram juntos para o Nordeste, mas acabaram encontrando a polícia e a imprensa. No pavilhão, o namorado resolve fingir que Dé está soltando Nina para que elas possam sair de lá sem serem atacadas pela polícia.

Embora o menino tenha desistido pacificamente, a polícia atirou nele. Nina enlouqueceu e pegou a arma que Dé usou para atirar em Carlão e disparou vários tiros contra ele, sendo morta pela polícia.

Análise final

Esta é a adaptação do romance clássico de Shakespeare “Romeu e Julieta”, que só foi transplantado para o Brasil no início do século 21. Romeu queria Julieta de longe e, quando ela o conheceu, não conseguiram mais parar. Um perseguirá o outro e nada parece impedi-los.

Mas os dois viviam em mundos diferentes e suas famílias, amigos e histórias os forçaram a seguir caminhos opostos. Mas eles persistem e desafiam tudo. O final, todo mundo sabe como termina.

A Era Uma Vez foi lançado na região central do país em julho de 2008, e apontou a opinião de críticos entre cariocas que a amam, Como um bom carioca, não tenho medo de participar desta análise crítica e digo sem dúvidas: este foi o melhor filme nacional que vi naquele ano.

Perguntas frequentes sobre o tema

Qual o nome dos atores que fazem o casal do filme era uma vez?

Vitória Frate faz a (Nina) e o Thiago Martins faz o (Dé)

Em que ano lançou o filme era uma vez?

O filme era uma vez foi lançado na região central do Brasil no ano de 2008

Porque o Dé morre em era uma vez?

Ele é confundido com os sequestradores de Nina e é acusado pelo pai de Nina.

Em que obra o filme era uma vez foi inspirado?

Esta é a adaptação do romance clássico de Shakespeare “Romeu e Julieta”, que só foi transplantado para o Brasil no início do século 21.

Quem é o diretor do filme era uma vez?

Quem dirigiu o grande clássico dos filmes nacionais era uma vez foi o diretor Breno Silveira

Espero ter ajudado e espero que tenha gostado da análise deste filme maravilhoso que é uma obra Nacional que cada vez mais deve ser aclamada e citada com méritos.

Gostou do post sobre Era uma Vez (2008) – Análise Crítica Geral ?

Gostou? Compartilhe!

Cidade dos Homens (2007) - Análise Crítica

Cidade dos Homens (2007) – Análise Crítica

Em cidade dos Homens Laranjinha e Acerola são amigos, cresceram juntos em uma favela do Rio de Janeiro e hoje têm 18 anos. Acerola tem um filho de 2 anos para cuidar, mas se sente preso pelo casamento e lamenta o filho precoce.

Cidade dos Homens (2007) - Análise Crítica
Cidade dos Homens (2007) – Análise Crítica

Laranjinha está determinado a encontrar seu pai, que ele não o conhece. Ao mesmo tempo, a favela em que vivem ficaram chocadas com o mundo do narcotráfico, porque um dos primos, Madrugadão, perdeu seu status de chefe do local para Nefasto.

Análise Crítica

Cidade dos Homens pós filme ainda teve novas temporadas como série na Globo entre 2016 e 2017 e terminou como uma das maiores e mais bem-sucedidas lendas do cinema brasileiro.

Porém, ao contrário do que muitos pensam, o filme Cidade dos Homens não é uma continuação de “Cidade de Deus” (2002), mas a continuação de um piloto que começou com o curta “Pálace II” (2000). O projeto mostrou pela primeira vez os papéis de dois meninos da favela Acerola (Douglas Silva) e Laranjinha (Darlan Cunha).

A história que executaram continua na série Cidade dos Homens, que recebeu excelentes críticas e elogios do público na Rede Globo, até virar filme e ir para o cinema.

Cidade dos Homens (2007) - Análise Crítica
Cidade dos Homens (2007) – Análise Crítica

Ao contrário do possível, o que vemos em cena não é um enredo que só será entendido por quem acompanhou toda série, mas sim um enredo independente e relacionado, que merece ser contado em meios de comunicação mais específicos, e terminar este trabalho em estilo nobre.

Porém quem acompanhou a série desde seu início em piloto “Pálace II” (2000) tem um entendimento maior e melhor da história de cada um dos personagens.

Cidade dos Homens desde o início

Se “Pálace II” (2000), (direção de Fernando Meirelles e Kátia Lund e roteiro de Bráulio Mantovani e Paulo Lins, é a mesma equipe do filme Cidade de Deus) serviu de laboratório para os famosos longas-metragens de Meirelles.

Ele ganhou quatro indicações ao Oscar durante sua notável carreira, tem mais de três milhões de espectadores no Brasil e receita de bilheteria global de aproximadamente US $ 27 milhões.

Só neste desenvolvimento (seja no cinema ou na TV, a própria Cidade dos Homens) poderemos resolver melhor alguns dos problemas mais urgentes desta miniatura. Desta forma, você pode fornecer uma aparência mais complacente e ao mesmo tempo crítica.

Ou seja, haviam coisas que só poderiam ser mais trabalhadas e aproveitadas no além da série, tendo a iniciativa de fazer um longa!

Enredo

O filme Cidade dos Homens trouxe o foco da discussão para um dos temas mais caros e recorrentes na população-alvo: a ausência dos pais. Enquanto Acerola aprende a ser pai aos 18 anos, o crescimento de Laranjinha preocupa: quem é ou foi pai? Os dois são amigos desde que eram jovens e trabalharam juntos para aprender a lidar com essas preocupações.

Cidade dos Homens (2007) - Análise Crítica
Cidade dos Homens (2007) – Análise Crítica

O fato de seguirmos a evolução dos dois papéis é muito gratificante, porque se crescermos com eles, entenderemos melhor as motivações que os levam.

Por isso, não há necessidade de ver tudo o que foi produzido: o flashback usado no momento crítico da trama é muito claro e não foi explorado. Excelentes arquivos naturais serão salvos em scripts e terão uma contribuição positiva para todo o pessoal relevante.

A equipe e produção

Fernando Meirelles tem se envolvido cada vez mais em projetos de Hollywood após sua atuação internacional de maior sucesso, como o aclamado O Jardineiro Fiel (2005) e Ensaio sobre a Cegueira (2008). Com isso, assumiu o cargo de produtor e abriu espaço para o sócio da produtora O2 Paulo Morelli assumir a direção da Cidade dos Homens.

A transferência da mão é dificilmente sentida e os resultados apresentados são muito satisfatórios. O que falta ao CDH é a ambição do filme anterior, ousadia, originalidade e principalmente originalidade, que despertou outros estilos, perspectivas e reflexões nos cinemas brasileiros.

Este novo filme não quer fazer alarido sobre questões sociais – não, agora é a hora de descrever o que aconteceu aos dois habitantes do universo, e propor uma visão mais íntima e universal.

Considerações finais

“A Cidade dos Homens” é um dos melhores filmes do ano. acredito que é um filme nacional memorável.

E, o mais importante, este é um trabalho honesto e sincero, cumprindo suas sugestões com sua homenagem, e se posicionando como mais uma obra em maior escala, e se consolidando no cinema nacional e na indústria fotográfica status. Seus ancestrais são intimidantes, mas ninguém aqui não tem expectativas, o que temos é único, competente e digno de mérito.

Perguntas frequentes

Quem são os protagonistas de Cidade dos Homens?

Os protagonistas desde o piloto Paláce II (2000) são Laranjinha e Acerola.

Quem são os atores que fazem Laranjinha e Acerola ?

Douglas Silva (Acerola) e Darlan Cunha (Laranjinha) são os atores que fazem os personagens principais de cidade dos homens.

Quantas temporadas tem cidade dos homens?

A série tem 6 temporadas e um longa metragem

Quando surgiu a história de cidade dos homens ?

Surgiu em 2000 com o curta piloto Pálace II, a série deu início em 2002 e o filme foi lançado em 2007

Qual é a emissora original de cidade dos homens?

A emissora original da história é a Rede Globo

Espero ter ajudado

Gostou do post sobre Cidade dos Homens (2007) – Análise Crítica?

Gostou ? Compartilhe!

O Auto da Compadecida 2000 - História e Análise

O Auto da Compadecida 2000 -História e Análise

Auto da Compadecida é uma comédia teatral brasileira lançada em 2000, dirigida por Guel Arraes, escrita por Adriana Falcão, João Falcão e o próprio diretor. O filme é adaptado de Auto da Compadecida de Ariano Suassuna em 1955, e do mesmo autor com elementos de O Santo e a Porca e Torturas de um Coração, e a influência das obras clássicas de Giovanni Boccaccio Decameron.

O Auto da Compadecida 2000 - História e Análise
O Auto da Compadecida 2000 – História e Análise

No Grande Prêmio Cinema Brasil do Festival de Cinema do Ministério da Cultura, o filme ganhou os prêmios de Melhor Diretor, Melhor Roteiro, Melhor Lançamento e Melhor Ator. Este é o filme brasileiro de maior bilheteria em 2000, atraindo mais de 2 milhões de espectadores.

O Auto da Compadecida – História e Análise

Obra coproduzida pela Globo Filmes e Lereby Produções, foi filmada em Cabaceiras, no estado da Paraíba, em 1999. É palco de vários outros filmes brasileiros.

Estreou no Brasil em 15 de setembro de 2000, e foi exibido em cinemas e mídia de outros países. Nos Estados Unidos, o filme foi renomeado para “Testamento de um cachorro”. Na maioria dos países da América do Sul, foi bem recebido.

Enredo

No início da década de 1930, Chicó e João Grilo, dois pobres que moravam perto da cidade de Taperoá ns Paraíba, conseguiram emprego em uma padaria da cidade.O padeiro Eurico e sua esposa Dora Minta para ele.

Os patrões gostam mais de cachorros de estimação do que de seus empregados, dão comida estragada para Chicó e João Grilo e dão bifes de manteiga para seus cachorros, o que deixava João insatisfeito.

A morte da cadela

Depois que o cachorro morreu, Dora pediu a João Grilo e Chicó que pedissem ao padre da cidade que abençoasse seu cachorro antes do funeral. O padre discordou, João Grilo era esperto e astuto, alegando que a cachorra era do terrível Major Antônio Morais, e o padre aceitou.

Para que o padre usasse o latim no funeral, João Grilo também disse que a cadela era uma cristã devota e deixou dez vontades de Conto para a igreja.

O padre finalmente fez um funeral para a cachorra. Quando todos voltaram para a igreja, descobriram que o bispo estava muito chateado. Quando soube que a cachorra havia deixado suas sete contos de réis a paróquia, e três para igreja.

Chicó e Rosinha

Chicó apaixonou-se pela filha do Major Antônio Morais em Rosinha, e eles trabalharam com João Grilo para traçar um plano para obter a autorização de autorização do major. Em um de seus planos, Chicó deveria parecer corajoso diante de todos, eles encontraram o cangaceiro Severino, que fez seu subordinado “Cabra” matar o padre, o bispo e Eurico e Dora.

Morte de João Grilo

Por sua vez, João Grilo e Chicó, enganaram Severino com a chamada gaita mágica, que ressuscitou os mortos, e Severino era um crente. Ele vai visitar o Padre Cícero, o devoto, e depois voltar, pedindo aos capangas que o matem. Cabra viu que seu chefe não voltou nem mesmo depois de tocar gaita, então ele matou João Grilo e Chicó escapou.

O julgamento final

João Grilo, Eurico, Dora, Severino, padres e bispos reuniram-se no céu para fazer o julgamento final. Depois de intensas discussões com o diabo, se João Grilo ganhou a presença da Virgem e deu uma dica ao filho Jesus Cristo: mande Severino diretamente para o céu porque ele não é responsável por seus atos

O Auto da Compadecida 2000 - História e Análise
O Auto da Compadecida 2000 – História e Análise

E enviou Eurico, Dora, pastor e bispo ao purgatório, porque todos eles redimiram seus pecados quando morreram (Dora certa vez pediu a Eurico que perdoasse sua traição, ele a perdoou, e o padre e o bispo a perdoaram. ), e João Grilo volta à terra.

A volta de João grilo na terra

Depois que João Grilo ressuscitou, ele descobriu que Chicó havia enterrado seu corpo na árida região do interior. Continuaram a deixar Chico casar com Rosinha como planejado, mas quando o pai da menina descobriu que Chico não era rico como dizia antes, falhou e se preparou para “Arrancar uma tira de couro”.

O Auto da Compadecida 2000 - História e Análise
O Auto da Compadecida 2000 – História e Análise

No entanto, Rosinha e João Grilo salvaram Chicó. Ele disse que o contrato anterior entre Antônio Morais e Chicó não dizia que uma gota de sangue deveria ser pingada do couro de Chicó. Chicó e Rosinha fugiram com João Grilo, irritando Morais.

Parte final do filme

No caminho, após a fuga, Chicó, João Grilo e Rosinha encontraram um pobre andarilho negro, semelhante a Jesus Cristo, que perambulava por uma área remota, pedindo-lhes que trouxessem comida Rosinha separou um pedaço de pão e trouxe para o homem, que agradeceu e saiu.

Rosinha concluiu que Jesus “pode se disfarçar de mendigo pra testar a bondade do homem”, e Chicó afirmou ter conhecido um homem que viu o Jesus escuro de um andarilho e partiram na estrada enquanto João Grilo brincava alegremente pelo caminho Sua gaita.

Perguntas frequentes

O que quer dizer o Auto da Compadecida?

Auto é uma representação teatral, geralmente de alguma passagem bíblica. Portanto, quando se diz Auto de Natal, refere-se à encenação do nascimento de Cristo. No caso de Auto da Compadecida, trata-se de representação envolvendo Nossa Senhora, que se compadece (solidariza) dos sofrimentos dos humanos.

Em que ano se passa o filme O Auto da Compadecida?

Auto da Compadecida é uma peça teatral em forma de auto, em três atos, escrita pelo autor brasileiro Ariano Suassuna em 1955. Sua primeira encenação aconteceu em 1956, no Recife, em Pernambuco. A peça também foi encenada em 1974, com direção de João Cândido.

Onde assistir o Auto da Compadecida?

Você pode assistir “O Auto da Compadecida” legalmente no Apple iTunes, Microsoft Store para comprar o Download ou no Apple iTunes, Microsoft Store alugando online.

O que o filme O Auto da Compadecida retrata?

O filme é uma adaptação do livro “Auto da Compadecida” de Ariano Suassuna. Suassuna buscou nessa peça teatral retratar a região em que nasceu e sua cultura. … A peça escrita em 1955, contém elementos cômicos, porém trágicos ao retratar o contexto geográfico nordestino.

Em que cidade se passa toda a história?

O filme foi filmado na cidade de Cabaceiras, interior do estado da Paraíba.

Espero ter ajudado e que tenha gostado

Gostou do post sobre O Auto da Compadecida 2000 – História e Análise

Gostou? Compartilhe

Armageddon 1998 - Sua História e Análise

Armageddon 1998 – Sua História e Análise

Armageddon é um filme americano de 1998, drama de gênero, ficção científica e catástrofe, dirigido por Michael Bay, produzido por Jerry Bruckheimer e distribuído pela Touchstone Pictures. O filme foi realizado depois que a NASA enviou um grupo de petroleiros para destruir um asteroide gigante durante uma colisão com a Terra.

Armageddon 1998 - Sua História e Análise
Armageddon 1998 – Sua História e Análise

Armageddon surgiu apenas dois meses e meio após o lançamento do filme, baseado na história semelhante “Deep Impact”, com Mimi Leder com Robert Duvall e Morgan Freeman dirigido. Os resultados das bilheterias do grande confronto são melhores, e os astrônomos dizem que “Deep Shock” é mais preciso cientificamente.

Esses dois filmes também foram bem recebidos pelos críticos de cinema. Embora a Guerra do Juízo Final tenha suscitado comentários negativos dos críticos, ela tem uma bilheteria internacional alta. Superou o filme de guerra de Steven Spielberg, “Saving Private Ryan”, e se tornou o filme mais assistido do ano.

Armageddon 1998 – Elenco e Enredo

Quando o assunto é elenco, nós não falamos de qualquer elenco pois o filme conta com Bruce Willis, Ben Affleck, Billy Bob Thornton, Liv Tyler, Owen Wilson, Will Patton, Peter Stormare, William Fichtner, Robert Duvall, Michael Clarke Duncan, Keith David e Steve Buscemi. Formando um elenco incrível dando uma realidade ainda maior para o filme.

“Armageddon” – de onde surgiu o nome do filme ?

Da grande tragédia relatada na Bíblia. A trilha sonora do filme apresenta várias canções da banda de hard rock Aerosmith, incluindo o hit “I Don’t Want to Miss Anything”. Liv Tyler, filha do vocalista da banda Steven Tyler, que faz parte do elenco.

Armageddon 1998 – Enredo

Depois que a chuva de meteoritos destruiu o ônibus espacial em órbita e destruiu parte de Nova York, um astrônomo descobriu que a chuva foi causada por um asteroide do tamanho do Texas durante sua colisão com a Terra, que estava se movendo a uma certa velocidade.

Armageddon 1998 - Sua História e Análise
Armageddon 1998 – Sua História e Análise

Logo após do movimento atingir a média de 35.000 km / he o impacto for realizado, qualquer forma de vida deixará de existir e até mesmo as bactérias deixarão de existir.

Como agiram para resolver este problema?

Para salvar a Terra, os cientistas da NASA finalmente tiveram uma idéia diferente, mas viável: fazer buracos em asteróides e detonar bombas nucleares. Para esse fim, eles chamaram Harry S. Stampel, o chefe da plataforma de petróleo, para aconselhar os astronautas da NASA na perfuração de asteróides.

Sumpter insistiu que a única maneira de completar a tarefa era seguir seu próprio caminho e liderar sua equipe habitual para acompanhá-lo.

Porque os cientistas duvidaram da capacidade da equipe?

O motivo dessa desconfiança é que a equipe é composta por indivíduos cujas identidades estão longe das dos astronautas, incluindo ex-criminosos, jogadores e predadores sexuais.

Também inclui o namorado de Grace, Angie (Ben Affleck), e a filha de Stamp. Apesar da oposição generalizada, a NASA cedeu e dividiu os dois ônibus espaciais em dois ônibus espaciais: a Frota da Liberdade, uma equipe liderada por Stamper, e o Exército da Independência, liderado por A.J.

Como se desenvolveu?

Essas equipes foram para o espaço e pararam na estação espacial Mir para reabastecer o ônibus espacial antes de seguir para o asteroide. Devido a um vazamento de combustível, a operação quase pode levar ao desastre. Mir acabou sendo destruído, mas as duas equipes escaparam ilesas e levaram o único morador da estação, o astronauta russo Lev Andropov.

Como o filme chega ao fim?

Quando se aproximar do asteroide, a Independência será atingida por detritos e cairá no chão. A.J., Andropov e Bear (Michael Clarke Duncan) são os únicos sobreviventes.

O trio embarcou no “Armadilho” (veículo de perfuração) e tentou chegar ao Freedom Squad. O Freedom Squad pousou no asteroide e começou a perfurar, mas acabou perdendo equipamentos e membros da equipe devido à explosão.

Quando tudo parecia desaparecer, A.J. Finalmente chegou à cena. A equipe conseguiu perfurar até a profundidade necessária e colocar a bomba no local planejado para destruir o asteroide, mas o mau funcionamento fez com que um dos membros da equipe ficasse para trás e detonasse.

Após o sorteio, A.J. Foi atribuída uma tarefa. Stamper o acompanhou até a saída e finalmente o empurrou de volta para o ônibus espacial. Depois de se despedir de Grace, Stamper detonou a bomba e cortou o asteroide ao meio, salvando a humanidade da extinção.

Perguntas frequentes

Tem Armageddon na Netflix?

Infelizmente em 2020 o filme Armageddon não faz parte do catálogo da Netflix

Quando foi lançado o filme Armageddon?

No Brasil, o filme Armageddon foi lançado em 7 de agosto de 1998

O que o filme Armageddon tem haver com a física?

Podemos compreender e evidenciar que no filme intitulado “Armagedon” temos a presença da física nos seguintes aspectos a seguir descritos: as questões relacionadas às físicas experimentais, que dentre estas, podemos citar asteroide ameaça colidir com a Terra.

O que Armageddon significa?

é identificado na Bíblia como a batalha final de Deus contra a sociedade humana.

Qual a média de popularidade do filme Armageddon?

Segundo pesquisas, 88% das pessoas gostaram desse filme e recomendariam

Espero ter ajudado

Gostaram do post sobre Armageddon 1998 – Sua História e Análise?

Gostou? Compartilhe!

1996-como-fazer-um-filme-bom-e-simples-6483751

1996: como fazer um filme bom e simples

Olá, pessoal, faz um tempinho que eu não trago críticas aqui no Demonstre e hoje trarei a crítica do curta “1996”, premiado curta fantástico do festival Cine Taquary.

Como fazer um filme – 1996

Essa é a pergunta que enche o Google de sites que estampam sua resposta com suas irretocáveis palavras-chave, como se o cinema fosse uma fórmula pronta, uma cartilha a ser comprada, lida e executada e a partir dela você teria um bom filme.

Alguns diriam que para se fazer um bom filme seriam necessários equipamentos de ponta, muito dinheiro para a arte e um elenco conhecido, no mínimo, nacionalmente. Ou seja, basicamente, apenas grandes giallos seriam bons filmes se fôssemos seguir a risca essas ideias.

Eu atrevo-me porém a descrever o que pra mim é um bom filme: onde o roteiro for redondo, a narrativa condizente com o roteiro, a fotografia, som e arte forem harmônicos, com boas referências e usadas de maneira correta e a direção de atores tenha se saído bem, aí temos um bom filme. E é isso que eu acho de 1996.

1996, existe found footage no Brasil?

O gênero found footage é um dos meus favoritos, justamente por não exigir uma produção tão grandiosa como outros gêneros e subgêneros do terror e da ficção científica, pelo menos não em sua originalidade. E respondendo a pergunta do título, sim, existem filmes found footage no Brasil, mas por que não tantos?

Sabemos que estamos em um país de desigualdade gritante e para se fazer cinema independente então, nem se fala. Nem todos podem ter uma câmera RED ou Black Magic ou mesmo uma DSLR, mas alguns podem ter acesso a um material mais simples, que os permita contar uma história. Uma câmera na mão e uma história na cabeça, esse era o lema do nosso Glauber Rocha em seu Cinema Novo que pode muito bem ser transportado para a realidade brasileira atual.

Ditos esses dois parágrafos, exergo filmes como 1996, como de boa importância para o nosso cenário de curta metragens, em especial de curta metragens de terror e ficção científica. O filme adentra em um gênero pouquíssimo explorado pelo audiovisual brasileiro e o faz pisando no chão, sabendo em quem se referenciar e deve servir como inspiração para os milhares de apaixonados pelo terror pelo Brasil que infelizmente não dispõem de muito material técnico. Veja abaixo o trailer de 1996.

https://youtu.be/M7Lc_tint0Q

Atenção para o fato de que não falo especificamente que o filme 1996 foi feito com um material tecnológico inferior, é possível identificar o uso de alguma tecnologia, no entanto, destaco o fator de debate que esse tipo de filme propõe, em especial um filme premiado, de que dá para se fazer cinema, e um bom cinema, com muito menos do que se imagina.

Porque nem todo terror precisa ser um Giallo – 1996

Os Giallos são caracterizados pela sua grandiosidade artística, no quesito do orçamento destinado à construções de detalhes astronômicos, majestosos. Pois bem, Rodrigo Brandão faz nos dias atuais um filme ambientado no século passado utilizando de uma arte simples, bem combinada com a fotografia em relação à escolha de planos utilizados para que ela funcionasse bem. Destaque para Aline Freitas, que fez a produção e à arte do curta metragem de uma forma visivelmente eficiente.

Giallos também são conhecidos por estamparem, em suas formas mais comerciais, famosas musas italianas daquele período, como Edwige Fenech, e um outro erro de quem elege tópicos de como se fazer um bom filme é achar que utilizar atores famosos irá imprimir um ar importante à sua obra. Bobagem. Destaco a atuação simples, concisa, das atrizes Letícia Nogueira e Yuly Amaral, onde em determinados momentos a naturalidade dos diálogos e a forma como foram executados lembrou bastante como são apresentados os personagens do filme A Bruxa de Blair (1999), que acredito ter sido a referência principal, em seus momentos de início de desespero e desespero de fato, cada um no seu tempo.

Considerações finais acerca de 1996

Premiado no Curta Taquary na categoria de curtas fantásticos, 1996 é importante para demonstrar o quão um bom filme pode ser simples, se executado de maneira organizada. Rodrigo Brandão, diretor e roteirista, junto com a sua equipe fizeram um trabalho digno de referência, principalmente em universidades de cinema.

Gostou de ler sobre esse bom curta? Aproveite e veja mais críticas aqui no Demonstre! Temos aqui outra crítica, também escrita por Igor Gomes, de um filme que você pode gostar: Crítica: A Bruxa de Blair (2016)

o-apartamento-2016-a-critica-6158966

O Apartamento (2016), a crítica

O filme relata sobre um casal de atores que se muda para um novo apartamento onde a mulher sofre um ataque e logo em seguida o casal tem de decidir ir atrás do agressor ou não!

O Apartamento
O Apartamento

O Apartamento é um filme iraniano indicado que foi ao Oscar.

O Apartamento – Crítica

Não é de agora que o cineasta Asghar Farhadi tem se firmado como referência no cinema iraniano. Asghar, tem como característica suscitar a inquietação no público, trabalhando com o tema sobre dramas sociais.

Assim como uma de suas obras premiadas no Oscar “A separação” (2011), com “O apartamento” (2016), não seria diferente. O cineasta optou pelo mesmo seguimento causando reflexão com o conteúdo. Emad (Shahab Hosseini) e Rana (Taraneh Alidoosti) passam por uma fase conturbada, quando o prédio em que o casal mora aponta sinais de fragilidade na estrutura.

Logo o casal procuram um lugar para ficar e com sorte, Babak (Babak Karimi) um colega de peça declara poder ajudá-los.

A trama

O filme inicia brincando com a ligação de fatos no roteiro. Em pequenos detalhes é entregue uma ambição que acaba comprometendo a estrutura do prédio. Segue assim a narrativa causando mais reflexões, quando Emad um homem conservador, não consegue proteger Rana de uma violência gratuita na nova casa. Assim causando em Emad uma neurose e desejo de vingança.

A Direção

Asghar, trabalha com um paralelo no filme colocando Emad e Rana como protagonistas da peça teatral do dramaturgo Arthur Miller, “Death of a salesman” (1949). A peça trata-se de um vendedor considerado frustrado em sua vida profissional pela sociedade, sendo assim desconsiderando completamente sua grandeza pessoal.

Trazendo a narrativa da peça para a vida do casal, e fazendo uma comparação, vemos que Emad é tudo o que a sociedade exige.

O Apartamento - Crítica
O Apartamento – Crítica

E quando sua esposa é agredida, ele absorve uma atitude de impotente diante ao fato ocorrido. A obra finaliza com uma grande lição de moral, de que a agressão feita contra Rana, mesmo atitude essa sendo criminosa e sujeita a condenação, não é válido e compreensivo a busca pela vingança no lugar da justiça.

Desfecho

Com uma linda fotografia e um bom som “O apartamento” é um excelente filme, que conta com uma narrativa brilhante, removendo o público da zona de conforto, convidando-nos a mergulhar na história.

Filmes Iranianos que talvez você não conheça mas que deve assistir.

Espero ter ajudado e espero que tenha gostado.

Fim da crítica sobre o filme “O Apartamento”

Gostou da crítica?, compartilhe.

cidade-de-deus-2002-preparacao-de-elenco-5936136

Cidade de Deus (2002) – Preparação de elenco

O filme Cidade de Deus foi lançado em 30 de agosto de 2002 no Brasil.

Cidade de Deus - Preparação de elenco
Cidade de Deus – Preparação de elenco

Se passa nas favelas do Rio de Janeiro na década de 70.

Cidade de Deus e sua preparação de elenco

Cidade de Deus chega com um narrativa circular, deixando claro desde
o início o mérito da preparação de elenco; Notado na tranquilidade dos atores
dentro da composição de cena, até mesmo as reações autênticas vividas pelos
personagens. Fátima Toledo, mais um vez inicia um trabalho com crianças,
sendo novamente um trabalho delicado.

Escolhendo desta vez como ferramenta extrair o imaginário e formando a imaginação criativa (ressaltada por stand ladik), guiando para que cenas fortes estejam atreladas a momentos já passados pelo ator, momentos que possam fomentar durante o desempenho na cena.

Em suas entrevistas Fátima deixa claro o surgimento de uma nova
técnica de preparação, técnica esta que se molda ao ator criando uma ponte
para o personagem. Aflorando um novo “eu”, uma personalidade não explorada
e desconhecida dele mesmo.

Esta nova técnica se divide em três etapas:

Quem são (os atores), contribuição para o filme e o que é obstáculo,
levantamento de cena;

Na etapa de diagnosticar a personalidade dos próprios atores, é feita
com sutileza, onde não se tem perguntas diretas sobre o indivíduo (é preciso
ver a verdadeira face dele). Então todo o processo vai ocorrendo por jogos e
envolvimento dentro de cena, em que as ações e reações falam. O andar, o
olhar e a construção corporal do ator ajuda nesse diagnóstico, assim os jogos

podem ser ministrados especificamente para maior estímulo, daquilo que já foi
averiguado.

Zé Pequeno - Cidade de Deus
Zé Pequeno – Cidade de Deus

Após a análise do sujeito, se põe ao lado do personagem e avalia como
extrair do elemento um novo indivíduo, que seja tão orgânico quanto sua
verdadeira face.

Quais obstáculos o ator vai colocar para adentrar nessa nova
pele e como reverter isso, para que posso ser inserido com verdade na estória
narrada. Incorporando o ator ao personagem com formas harmoniosas e
técnicas que se enquadre ao contexto necessário.

Chegando ao levantamento de cena, vai adentrar com o personagem na
conjuntura do roteiro. É o momento de marcação de cena e avaliar as falas,
quais modos de deixá-las naturais, o que insistir e o que reorganizar para uma
maior desenvoltura em cena. Últimas questões com o espaço em cena e
marcações das falas.

Fátima Toledo

Ela diz ter construído esse trabalho a partir da necessidade
de cada filme em que fez a preparação de elenco e que em cada trabalho essa
necessidade vai sendo adaptada. Já no filme cidade de Deus essa adaptação
contou com um cuidado principalmente com o início e fim da atuação.

E que o resultado veio de todos os trabalhos anteriores que se tornaram na base deste.

Se tornando um marco, não só para sua carreira, mas também para o
surgimento de novas. “E o cidade de Deus revela a preparação publicamente.
Então, é o primeiro momento, depois de 21 anos que as pessoas entendem
que existe a preparação de ator” Fátima Toledo em entrevista para
diverso.

Espero ter ajudado e que tenha aprendido algo relevante.

Fim da matéria sobre a preparação de elenco do filme Cidade de Deus

Gostou da matéria?, compartilhe!

aquarius-2016-5339123

Aquarius (2016)

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, é um drama tanto quanto controverso onde, Clara (Sônia Braga), da vida a uma personagem de 65 anos, jornalista, viúva e aposentada, tem filhos adultos e netos.

Aquarius (2016)
Aquarius (2016)

Possui cinco apartamentos, porém se recusa a vender para a construtora, o qual onde cresceu e ainda habita.

O Filme Aquarius

A película trabalha bem com o afeto pela memória do ambiente, exibindo ligação forte com a personagem, a trama se passa em Recife, sendo maior parte no edifício na orla de Boa Viagem.

Clara, pelo seu apego a residência, termina tendo problemas de desconforto, com a construtora, que a todo custo e momento, tenta fazer com que ela não consiga mais suportar a pressão de, continuar morando no lugar que tanto gosta.

Exibir os vínculos desde o princípio é de suma relevância neste filme, ora, apesar de tratar-se sobre conservação de memórias, encontra-se um desassossego de não fazer da memória uma veda, retrógrada.

Sentimentos

Não é bem sobre algo conservador, como Clara fala em sua entrevista, que não tem nada contra Streaming e coisas atuais, ela tem um certo apego ao passado porém passa um pouco longe do saudosismo.

São momentos emocionais que fazem ela se agarrar ao sentimento, ao local, aos objetos, músicas, etc. Momentos como aniversários, passeios e reuniões familiares. São fatores que dão matéria para a trama.

O cenário tem um peso narrativo enorme, com memórias boas e ruins para clara porém não é uma personagem presa no seu mundinho.

A película tem uma boa finalização, narrativa e fatores bem pensados e trabalhados, poucas coisas que incomodam, apesar disso foi algo ciente, com uma ótima atuação da personagem que soube exibir de uma forma agradável os sentimentos com o cenário.

Espero ter ajudado e tirado todas as suas dúvidas sobre o filme.

Fim da matéria sobre Aquarius

Gostou? Compartilhe!

da-5-bloods-a-critica-1507361

Da 5 Bloods, a crítica

Olá, pessoal. Movimentando nossa sessão de críticas cinematográficas hoje trago Da 5 Bloods, o novo filme do diretor americano Spike Lee, lançado na Netflix.

Da 5 Bloods, mais um filme para o streaming

Spike Lee é um dos diretores que mais recentemente se destacou em filmes com o tema racial, mesmo que ele o tenha feito bastante durante toda a sua longa carreira, é impossível falar hoje de filmes que tratam o tema sem lembrar de Infiltrado na Klan, por exemplo, e ao lado de Jordan Peele, tem sido consagrado hoje por tratar do tema dos negros em uma época de luta tão intensa.

da 5 bloods

Pouco tempo depois do seu último lançamento, Spike Lee agora lança um filme em um serviço de streaming, prática que será cada vez mais comum e fortalece esses serviços no meio cinematográfico, sempre tão tradicional e de certa forma avesso à evolução sempre que ela aparece longe de grandes salas fechadas. Dito isso, Da 5 Bloods já é importante, ao menos para o fortalecimento desse novo tipo de exibir cinema.

A apresentação dos negros em Da 5 Bloods e o seu papel na guerra

Spike Lee possui um pé na Blaxploitation, isso já era bastante visível em Infiltrado na Klan quando ele demonstra em um dos diálogos do filme vários cartazes de heróis e anti heróis dos filmes do cinema negro dos anos 1970, isso se mantém presente em Da 5 Bloods, não por referências explícitas mas pela estrutura de apresentação que é bastante semelhante.

da 5 bloods

É característica do Blaxploitation um negro badass, capaz de derrotar vários inimigos sozinho, com um poder de luta superior muitas vezes (na grande maioria) a homens brancos, bem como também é comum é figura do “mau negro”, o que trai muitas vezes a seus companheiros. A utilização da black music, seja ela à capela, acústica, diegética, etc, também foi característica desse cinema e tudo isso é incorporado em meio a uma paródia satírica de Apocalypse Now, filme de 1979. Nessa parte da direção, analisando superficialmente, o filme funciona. Mas é justamente sobre a parte que não funciona que eu quero dedicar os meus próximos parágrafos.

O Afro Americano em Da 5 Bloods, com ênfase no Americano

Spike Lee sempre dirigiu muito bem filmes com o contexto racial dos Estados Unidos, dentro dos Estados Unidos. O Problema é que dessa vez ele abordou um contexto de guerra que envolve estrangeiros, e isso evidenciou a clara visão americana que o diretor possui, ainda que um pouco destacado do cidadão médio do país por estar em uma posição de afro americano.

Atenção, a partir de agora pode haver spoliers de Da 5 Bloods.

No começo do filme nos é apresentadas várias imagens sobrepostas, o que já se tornou uma marca do diretor. Dessa vez, imagens sobre negros e suas manifestações acerca da guerra do Vietnã, incluindo discursos do Malcoml X e Martin Luther King Jr, sobre como os negros não deveriam ir para a guerra matar vietcongs por uma espécie de aproximação racial, o que dá a entender que o diretor concorda com essa visão.

Até então, não existe problema, é um discurso coeso dentro da narrativa, o problema vem com o desenrolar da película. É compreensível que esse discurso se aplique aos que estão nos Estados Unidos, para os que já adentraram na guerra, o contexto de guerra existe e isso é imutável, para quem está entre matar ou morrer, não existe alternativa ou discurso humanitário.

Da 5 Bloods

A grande questão é, fora do contexto da guerra americana, décadas depois, o que se mostra dos vietnamitas ainda é a visão esteriotipada criada pela propaganda estadunidense dos anos 1960 e 1970. O vietnamita caipira, que grita, que tem aqueles trejeitos tão característicos da caricatura que foi montada em cima disso é presente mesmo fora de um contexto de guerra e, ainda, nos dias de hoje.

Não cabe, em um contexto racial, engrandecer uma raça oprimida enquanto estereotipa outra raça oprimida inclusive pelo país de onde veio a primeira raça, é incongruente, não existe coerência nisso. É a demonstração da visão americana que o diretor ainda carrega sobre alguns assuntos, longe da visão da raça negra. Isso torna o filme menos, ou até não tocante, mesmo para quem é negro, pois é impossível não enxergar o estereotipamento, principalmente para quem também sofre com isso.

O veredito sobre Da 5 Bloods

Da 5 Bloods é um filme que utiliza bem algumas referências passadas, que possui até certo ponto uma boa direção, mas que ao imprimir esse caráter estereotipado ao povo vietnamita deixa de fazer sentido e passa a parecer, ainda com todo o contexto da luta negra, mais um filme sobre americanos bravos e lutadores. Infelizmente.

Confira outras críticas do nosso portal, você pode gostar dessa: Crítica: O Irlandês