Segundo domingo de maio no Brasil significa DIA DAS MÃES, as pessoas mais incríveis, sensacionais e maravilhosas deste Universo. Para comemorar o dia da melhor mãe do mundo de cada um aqui vai um TOP 10 das mães mais diferentes do cinema. Essa história de que mãe é tudo igual, só muda o endereço não é tão verdade assim, confira a baixo:

10 – Sra. Bennet, a mãe tagarela

18449782_1329439840438000_1256229979_n-4218720-8283776

Mãe de cinco adoráveis moças, a Sra. Bennet (Brenda Blethyn) de Orgulho e Preconceito é aquele tipo de mãe que não para de falar nem um segundo. Sempre sofrendo por conta dos seus nervos, ela aluga os pobres ouvidos de seu marido e filhas, principalmente os de Lizzy (Keira Knigthtley), a única das cinco que não pretende ter seu casamento arranjado pela mãe. Apesar de muito invasiva, tagarela e um tanto quanto interesseira, a Sra. Bennet também pode ser bastante divertida, e talvez, todas essas falhas de caráter sejam realmente apenas por querer o bem das filhas.

9 – Sra. O’Brian – a mãe carinhosa

18516265_1330627990319185_58509038_n-2095353-3601657

A Sra. O’Briean (Jessica Chastain) é a matriarca de uma família muito tradicional em A Arvore da Vida. Mãe de três garotos, ela se demonstra extremamente carinhosa e alegre, embarcando nas brincadeiras com os filhos e os defendendo sempre da severidade do pai (Brad Pitt). Apesar de não haver tantos diálogos, a afetuosidade da mãe é apresentada nos gestos, olhares e toques capturados por uma belíssima fotografia.

8 – Anne Williams, a mãe amiga

18492587_1330621373653180_192224162_n-300x228-1437389-2146605

Anne Williams (Demi Moore) de Lola é uma mãe divorciada que precisa lidar com as tarefas típicas do dia a dia ao mesmo tempo em que enfrenta uma situação pra lá de atípica em sua vida conjugal e dificuldades na educação de sua filha mais velha. Lola (Miley Cyrus), por sua vez, está passando pela fase das decepções amorosas, notas ruins na escola e pra piorar tudo, a separação dos pais. Em meio a todos os problemas, a relação de Anne e Lola se mantém firme e é a das mais reais, com brigas, castigos, empréstimos de roupa e muita cumplicidade.

7 – Rosie Dunne, a mãe adolescente

18493795_1330631853652132_1009699951_o-5453842-2088003

Rosie Dunne (Lily Collins) de Simplesmente Acontece é a uma das mães mais fofas da história do cinema. Depois de uma noite com o cara mais sarado da escola no baile de formatura e um incidente com a proteção, Rosie acaba engravidando e seu sonho de estudar Hotelaria e se mudar para Boston com seu melhor amigo Alex (Sam Claflin) é ameaçado. Para resolver esse problema Rosie decide entregar sua filha para adoção, mas conforme o tempo passa o amor fala mais alto e com o nascimento da pequena Katie ela desiste da ideia. O filme mostra o crescimento de Katie e amadurecimento de Rosie de forma leve, engraçada, real e emocionante.

6 – Fantine, a mãe heroína

image-2-300x242-1619070-9056096

A inocente Fantine (Anne Hathaway) de Os Miseráveis entrega-se ao rapaz que ama acreditando também ser amada, ele a engravida e some no mundo deixando-a sozinha para cuidar e sustentar a pequena Cosette (Isabelle Allen/Amanda Seyfried). Sem ter condições de viver em Paris, Fantine parte para sua cidade natal, deixando sua filha ao cuidados de um casal que lhe parecia amoroso. Após ser demitida do emprego que possibilitava o envio de dinheiro para as necessidades de Cosette, Fantine precisa passar pelas mais terríveis situações, como cortar todo seu longo cabelo e arrancar seus belos dentes para vender, além de se prostituir, tudo para o bem de sua amada filha, uma verdadeira heroína!

O papel de Fantine rendeu a Anne Hathaway o oscar de Melhor Atriz.

5 – Val, a mãe batalhadora

18470975_1330635340318450_1103407983_n-8581728-4840957

Val (Regina Casé) teve que sair de sua cidade natal em Pernambuco para tentar a vida na grande São Paulo deixando sua filha ainda pequena aos cuidados do avô, por isso o nome do filme, Que Horas Ela Volta?. Jéssica cresce esperando pela volta da mãe até se cansar e partir em busca de seu próprio destino, também em São Paulo. Treze anos depois, Val tem uma situação econômica estável sendo empregada na casa de uma família de classe alta, onde recebe Jéssica. Preocupada com a forma de se portar da filha, Val vive a repreendo, ela, por sua vez, acaba abrindo os olhos da mãe para uma nova vida. É uma bela história da realidade de muitas mães brasileiras que dão duro por seus filhos sem a ajuda do pai.

Vocês são INCRÍVEIS!

4 – Janne Hawking, a mãe forte

18492822_1330639080318076_832584016_n-9698889-7217479

Baseado em uma história real, A Teoria de Tudo mostra a força e a garra da jovem Jane Hawking (Felicity Jones), que logo após o casamento com Stephen Hawking (Eddie Redmayne), portador da ELA (esclerose lateral amiotrófica), uma doença degenerativa, é mãe de seu primeiro filho, George. Em seu livro Travelling to Infinity: My Life with Stephen, também chamado A Teoria de Tudo no Brasil, Jane relata as dificuldades que enfrentou em cuidar de Stephen e seus três filhos ao longo dos anos praticamente sozinha. Ser mãe já é difícil, imagine três crianças e um marido totalmente dependente. Ela mesmo relata que Stephen era como um quarto filho que precisava de seus cuidados 24 horas por dia.

Felicity Jones foi indicada ao oscar de Melhor Atriz por sua belíssima atuação, merecia o prêmio!

3 – Joy Newsome, a “ma” corajosa

18492678_1330641750317809_972769563_n-5609938-2373418

A “ma” ou a “mãe” de O Quarto de Jack teve sua vida interrompida ao ser sequestrada e mantida em cárcere por um homem chamado Velho Nick (Sean Bridgers), que mantinha relações sexuais forçadas com ela. Joy (Brie Larson) acaba engravidando e tem seu filho Jack (Jacob Tremblay) dentro do quarto, onde eles vivem até o menino completar seus 5 anos. Durante este tempo ela demonstra um amor imenso e incondicional que só uma mãe pode ter ao cuidar, amar e proteger a criança que é fruto de um homem que lhe fez tanto mal. Joy cria um mundo para Jack dentro do quarto e o afasta de toda a obscuridade da situação em que estão vivendo com muita coragem!

A interpretação da “mãe” de Brie Larson foi tão profunda e sensível que lhe rendeu o oscar de Melhor Atriz.

2 – Sara Fitzgerald, a mãe guerreira

18470834_1330690770312907_751098362_n-3256128-2157185

Sara (Cameron Diaz) é mãe de Kate (Sofia Vassilieva), uma jovem que sofre de leucemia promielocítica aguda, em Uma Prova de Amor. Ela tem mais dois filhos, um deles, Anna (Abigail Breslin), foi concebida por meio de fertilização in vitro para ser uma combinação genética que pudesse salvar Kate. Cameron Diaz representa uma mãe que é capaz de tudo para o bem de sua filha, um amor inexplicável que apenas uma mãe guerreira como as que tem filhos doentes e com necessidades especiais sabem como é, este filme é com certeza uma homenagem a essas mães!

1 – Isabel Graysmark, a mãe do coração

Após perder dois bebês em abortos espontâneos a doce Isabel (Alicia Vikander) se vê desolada. Sua tristeza só é curada quando um barco com o corpo de um homem morto e um bebê chegam até a ilha do farol em que vivem isolados – por isso o nome do filme, A Luz Entre Oceanos. Isabel se encanta pela pequena menina assim que a resgata e convence seu marido Tom (Michael Fassbender ❤️) a enterrar o homem e ficar com a neném para cria-lá como se fosse filha do casal, já que ninguém sabia ainda da perda do segundo bebê. Tom concorda relutante e a partir de então a história de amor dos dois se expande para uma história de amor a três e pai, mãe e filha vivem felizes na deserta ilha. Certo dia, ao ir a cidade Tom acaba sabendo da história de Hannah Roennfeldt (Rachel Weisz) que há alguns anos perdeu seu marido e filha no mar. Ele se sente culpado e deseja revelar a Hannah o segredo que guarda com a esposa, mas teme pelo sofrimento dela em perder mais uma vez um filho amado. O desenrolar da história é extremamente dramático e levanta uma pergunta polêmica: com quem a criança deve ficar, com a mãe biológica que pensa que sua filha está morta e sofre por isso ou com a mãe que a criou e inegavelmente a amou de todo o coração? Parece óbvio, com a mãe biológica, mas a INCRÍVEL atuação de Alicia Vikander – que mereceria indicação ao Oscar – consegue nos convencer do contrário.

Considerações as mamães mais queridas das séries: Lorelai Gilmore (Gilmore Girls), Kitty Forman (That 70’s Show), Rebecca Pearson (This Is Us), Rochelle Rock (Todo Mundo Odeia o Chris), Kirsten Cohen (The O.C.), Cersei Lannister (Game Of Thrones) e Lagertha (Vikings).

Essas são as mães do cinema, muitas delas representações das mães reais, nossas mães. Elas definitivamente não são iguais, o que é igual na verdade é o amor, o amor que só elas podem dar, amor único, amor de mãe… Aproveite o dia para retribuir esse amor!

Que tal convidar a sua mãe para uma tarde com pipoca assistindo um desses belíssimos filmes? Feliz dia das mães, do jeitinho que elas são!