Você é daqueles que pensa que todas as cenas são gravadas nas condições exatas que são mostradas no filme? Ou seja, uma cena de chuva foi certamente gravada na chuva, uma cena na neve foi certamente gravada na neve e uma cena noturna foi necessariamente gravada a noite? Bom, este texto veio para quebrar paradigmas da nossa mente e nos fazer entender que o cinema nada mais é do que uma mentira muito bem contada.

O que é Noite Americana?

Hoje em dia temos câmeras ultra potentes e lentes objetivas tão potentes quanto, que nos possibilitam filmar em quaisquer condições, inclusive com uma luminosidade extremamente baixa. Os sensores de câmeras cinematográficas conseguem chegar a incríveis ISO (sensibilidade a luz) 400.000! Isso significa que conseguem gravar em escuro total. No entanto, nem sempre foi assim.

The Great Waltz (1938)

Nos anos 40, por exemplo, os filmes não eram digitais, eram inteiramente gravados em película com uma câmera que possuía ISO máxima de 90 a 120, o que necessita de muita luz para termos uma imagem nítida e sem grânulos. A partir disso os cineastas desenvolveram uma técnica para gravar cenas noturnas de dia, aproveitando a luz natural, e fazê-las parecer que foram gravadas à noite, o nome dessa técnica é chamada Noite Americana.

Mas por que Noite Americana?

Em 1973, o conhecido diretor francês da Nouvelle Vague, François Truffaut, lançou um filme intitulado “Noite Americana”, ou La Nuit américaine. Neste filme Truffaut utiliza de um artifício para gravar cenas noturnas: na edição, ele alterava balanços de branco, ou seja, fazia com que outra cor fosse interpretada como o branco e, assim, alterava o resultado final da imagem. Fazendo isso em uma imagem gravada de dia, ele imprimia um tom azulado e escuro no resultado, dando a impressão de que a cena se passa a noite.

Bastidores de A Noite Americana

Muitos diretores bem anteriores a essa película utilizaram técnicas semelhantes, principalmente no cinema preto e branco onde tudo era um truque de contraste. François Truffaut ficou conhecido por fazer em um filme colorido, em uma época onde as câmeras não possuíam sensores tão sensíveis assim à luz.

Espero que você tenha gostado do texto sobre Noite Americana

E aí, gostou de conhecer mais esse efeito no cinema? É frustrante que gostemos tanto de algo que nos engana constantemente, não? Aproveite para aprender um pouco mais sobre análise fílmica conosco, temos aqui um belo texto sobre o Efeito Kuleshov, basta clicar aqui!

Você é daqueles que pensa que todas as cenas são gravadas nas condições exatas que são mostradas no filme? Ou seja, uma cena de chuva foi certamente gravada na chuva, uma cena na neve foi certamente gravada na neve e uma cena noturna foi necessariamente gravada a noite? Bom, este texto veio para quebrar paradigmas da nossa mente e nos fazer entender que o cinema nada mais é do que uma mentira muito bem contada.

O que é Noite Americana?

Hoje em dia temos câmeras ultra potentes e lentes objetivas tão potentes quanto, que nos possibilitam filmar em quaisquer condições, inclusive com uma luminosidade extremamente baixa. Os sensores de câmeras cinematográficas conseguem chegar a incríveis ISO (sensibilidade a luz) 400.000! Isso significa que conseguem gravar em escuro total. No entanto, nem sempre foi assim.

The Great Waltz (1938)

Nos anos 40, por exemplo, os filmes não eram digitais, eram inteiramente gravados em película com uma câmera que possuía ISO máxima de 90 a 120, o que necessita de muita luz para termos uma imagem nítida e sem grânulos. A partir disso os cineastas desenvolveram uma técnica para gravar cenas noturnas de dia, aproveitando a luz natural, e fazê-las parecer que foram gravadas à noite, o nome dessa técnica é chamada Noite Americana.

Mas por que Noite Americana?

Em 1973, o conhecido diretor francês da Nouvelle Vague, François Truffaut, lançou um filme intitulado “Noite Americana”, ou La Nuit américaine. Neste filme Truffaut utiliza de um artifício para gravar cenas noturnas: na edição, ele alterava balanços de branco, ou seja, fazia com que outra cor fosse interpretada como o branco e, assim, alterava o resultado final da imagem. Fazendo isso em uma imagem gravada de dia, ele imprimia um tom azulado e escuro no resultado, dando a impressão de que a cena se passa a noite.

Bastidores de A Noite Americana

Muitos diretores bem anteriores a essa película utilizaram técnicas semelhantes, principalmente no cinema preto e branco onde tudo era um truque de contraste. François Truffaut ficou conhecido por fazer em um filme colorido, em uma época onde as câmeras não possuíam sensores tão sensíveis assim à luz.

Espero que você tenha gostado do texto sobre Noite Americana

E aí, gostou de conhecer mais esse efeito no cinema? É frustrante que gostemos tanto de algo que nos engana constantemente, não? Aproveite para aprender um pouco mais sobre análise fílmica conosco, temos aqui um belo texto sobre o Efeito Kuleshov, basta clicar aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20