O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Existem maneiras diferentes de abordar o longa-metragem “O Homem Que Desafiou o Diabo”. Vem comigo entender melhor sobre esta obra Nordestina de 2007.

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Se optarmos por expô-lo à sua obra, podemos considerá-lo um exemplo típico da recente “cinema sanguessugadas regionalidades”, onde grandes produtores do Sudoeste (para ser sincero: principalmente o Rio) são proprietários de obras literárias e / ou dramáticas. E / ou folclore e / ou sítios históricos de diferentes partes do Brasil.

Análise geral /O Homem Que Desafiou o Diabo

Tendo em vista seus técnicos, atores, produtores, e quase sempre leve recursos locais, mão de obra barata e algumas imagens e costumes de lá, quase sempre exóticos.

São tantos que não há necessidade de tentar listar todos os trabalhos que seguiram esse caminho na produção brasileira a partir de 1995, mas vale destacar que o produtor deste filme, se dedicam ao extremo.

Lembra Bela Donna é do filme de Paixão de Jacobina, do filme de Nossa Senhora de Caravaggio – estranhamente, todos esses filmes são “filmes populares” e não tiveram retorno emotivo do público (assim como O Homem Que Desafiou o Diabo).

Como compreender ?

Uma maneira de lidar com esse filme é como um projeto dramático. Neste caso, o filme mostra claramente a sua ligação com uma certa tradição épica fauvista, encarnada na personagem de Palmeira, curiosa personagem do herói cujo herói vive suas pelejas, o título do livro que origina o filme, é obviamente atribuído às 12 obras de Hércules.

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Ojuara, goza de uma reputação fabulosa de “machão”, se tem um aspecto competitivo interessante (impondo-se ao coronelismo ou ao beatismo), é inegavelmente um aspecto forte do machismo (porque as mulheres sempre aparecem como uma prostituta ou “santa”).

Sua origem

No entanto, o projeto cinematográfico popular de Moacyr Góes aqui delineado não só explora suas origens, mas também parece buscar uma abordagem um tanto estranha ao típico universo do cinema popular brasileiro dos anos 70: até agora, para a maioria dos espectadores, Este filme recente tem a maioria dos filmes de sexo e sexo.

Mulheres com roupas pequenas consideram as palavras vulgares como um discurso contínuo e consideram certos momentos como os verdadeiros herdeiros do povo Trapalhões (principalmente assistindo às cenas de Otto ou de Flavia Alexandra solução).

 Uma perspectiva de produção

É impossível para nós ignorar qualquer um desses dois aspectos como o fator principal na análise de “O Homem Que Desafiou o Diabo”, porque devemos ignorar um aspecto mais direto e direto: a pureza e a simplicidade de seu artesanato.

Moacyr Góes tem até direito de reclamar das críticas ali veiculadas em matéria do jornal O Globo, que é preconceito franco, elitismo, e também foi muito mal debatido em última instância – e antes fundamentalmente Não é aceitável tentar usá-lo em cinemas com base na popularidade do binômio deficiente da comédia sexual.

Aliás, aliás, não foi em seus projetos cinematográficos, produtivos ou dramáticos, que se descobriu o maior pecado do filme (afinal, o mesmo processo produziu filmes bastante interessantes, como Lisbela e o Prisioneiro ou O auto da compadecida).

Entenda a narrativa

Não é porque O Homem normalmente atira no seu pé, em cada sequência, em cada cadeia narrativa. Então, vamos dar alguns exemplos para que não fiquemos apenas no papinho sem verdadeiras explicações.

A introdução deste filme fez com que José Araújo se transformasse em Ojuara, cuja velocidade de encenação / edição era tão rápida que parecia um trailer, com todas as cenas equivalentes a Informações básicas (José, ele é “raparigueiro”, ele tem relações com Dualiba, eles se casam, ela oprime ele, ele se revolta).

O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) - Análise
O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise

Portanto, como não sentimos a duração de nenhuma situação, essa ideia de mudança soa absurda, e a impressão que fica é que ou o filme pode simplesmente narrar as pelejas de Ojuara.

Manter esse ritmo ao longo do filme, o acúmulo de cenas e pequenos personagens podem atrair a força de cada segmento

Ojuara parece apenas existir, e vagar por aí no filme, e esse filme parece ridiculamente longo (porque acumula muitas sequências) e não tem substância.

Considerações finais

Como cineasta eu entendo que o preconceito e o elitismo existe realmente, porém o filme não tem tanto afetivo popular por seus aspectos preconceituosos no roteiro.

Mas pra um filme de 2007 levando em consideração o lado de humor do filme, posso dizer que ele tira boas risadas.

Perguntas frequentes

Quem é Moacyr Góes ?

Moacyr Góes (Natal, 23 de outubro de 1961) é um roteirista e diretor de cinema e teatro brasileiro. É filho do educador e historiador Moacyr de Góes e irmão do ator Leon Góes.

O que acontece em O Homem Que Desafiou o Diabo?

Zé Araújo é um viajante recém-chegado em Jardim dos Caiacós. Ele seduz a filha de um comerciante e é obrigado a se casar com ela. Araújo torna-se um escravo do sogro e da mulher. Percebendo que vira motivo de piada na cidade, ele resolve mudar de vida e começar uma nova.

Quando foi lançado o filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

O filme o homem que desafiou o diabo foi lançado em 28 de setembro de 2007

Quais os nomes dos roteiristas do filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

Moacyr Góes, Nei Leandro de Castro, Bráulio Tavares

Qual origem do filme O Homem Que Desafiou o Diabo?

O filme tem origem Nordestina, mais precisamente potiguar

Espero ter ajudado e que tenha entendido mais sobre o assunto e criado seu ponto de vista a partir da leitura.

Gostou do post sobre O Homem Que Desafiou o Diabo (2007) – Análise ?

Gostou? Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20