Olá, pessoal, bem vindos ao Demonstre. Hoje vamos falar sobre Projeto Flórida, um filme independente que já concorreu ao Oscar.

Sean Baker, diretor de Projeto Flórida

Conhecido pelo trabalho em Tangerine, Sean Baker mostra em Projeto Flórida um lado americano que foge a propaganda do American Way of Life.

Projeto Flórida

O filme retrata um momento na vida de pessoas que moram em uma hospedagem de beira de estrada, onde crianças brincam enquanto seus pais enfrentam batalhas diárias devido a falta de dinheiro. 

O American Way of Life em Projeto Flórida

O desde sempre difundido estilo de vida americano frequentemente é associado a luxo, felicidade, liberdade, perfeição absoluta. Os problemas que existem aqui não existem lá, a tristeza que existe aqui não existe lá, a felicidade que não encontro aqui certamente eu encontraria na terra onde todos são felizes. Essa é uma máxima tida por muitas pessoas que observam de fora, pela bem difundida propaganda, os Estados Unidos da América. A película de Sean Baker assegura que as coisas não são bem assim.

Projeto Flórida

Em meio a abandonos parentais, prostituição e humilhações não sentidas pela inocência infantil, é mostrado um lado da sociedade americana que não entra na propaganda. A vida é difícil para as pessoas que estão à margem, não importa o quão rico o país seja e Projeto Flórida deixa isso bem claro. Com uma fotografia simples (e funcional) e atuações envolventes (destaque para a jovem Brooklynn Prince de apenas seis anos), o filme, que tem uma pegada toda marginal, expõe parte das mazelas americanas com uma proximidade impressionante,  tocante do início ao fim.

Veredito de Projeto Flórida

Além, o estilo indie adotado por Sean Baker parece funcionar como poucos, sendo um elemento que insere ainda mais quem assiste nos dramas ocorridos no subúrbio do mundo mágico, onde no fim, serve de um dos mais belos símbolos adotados na película: idealizar um mundo mágico como um lugar onde os problemas não existirão.

E aí, gostou da crítica de Projeto Flórida?

Aproveite para ler a nossa crítica sobre o primeiro filme brasileiro produzido pela Netflix: O matador.

Olá, pessoal, bem vindos ao Demonstre. Hoje vamos falar sobre Projeto Flórida, um filme independente que já concorreu ao Oscar.

Sean Baker, diretor de Projeto Flórida

Conhecido pelo trabalho em Tangerine, Sean Baker mostra em Projeto Flórida um lado americano que foge a propaganda do American Way of Life.

Projeto Flórida

O filme retrata um momento na vida de pessoas que moram em uma hospedagem de beira de estrada, onde crianças brincam enquanto seus pais enfrentam batalhas diárias devido a falta de dinheiro. 

O American Way of Life em Projeto Flórida

O desde sempre difundido estilo de vida americano frequentemente é associado a luxo, felicidade, liberdade, perfeição absoluta. Os problemas que existem aqui não existem lá, a tristeza que existe aqui não existe lá, a felicidade que não encontro aqui certamente eu encontraria na terra onde todos são felizes. Essa é uma máxima tida por muitas pessoas que observam de fora, pela bem difundida propaganda, os Estados Unidos da América. A película de Sean Baker assegura que as coisas não são bem assim.

Projeto Flórida

Em meio a abandonos parentais, prostituição e humilhações não sentidas pela inocência infantil, é mostrado um lado da sociedade americana que não entra na propaganda. A vida é difícil para as pessoas que estão à margem, não importa o quão rico o país seja e Projeto Flórida deixa isso bem claro. Com uma fotografia simples (e funcional) e atuações envolventes (destaque para a jovem Brooklynn Prince de apenas seis anos), o filme, que tem uma pegada toda marginal, expõe parte das mazelas americanas com uma proximidade impressionante,  tocante do início ao fim.

Veredito de Projeto Flórida

Além, o estilo indie adotado por Sean Baker parece funcionar como poucos, sendo um elemento que insere ainda mais quem assiste nos dramas ocorridos no subúrbio do mundo mágico, onde no fim, serve de um dos mais belos símbolos adotados na película: idealizar um mundo mágico como um lugar onde os problemas não existirão.

E aí, gostou da crítica de Projeto Flórida?

Aproveite para ler a nossa crítica sobre o primeiro filme brasileiro produzido pela Netflix: O matador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conteúdo Relacionado

Este é um site do grupo B20