Olá! Já assistiu ao filme de ficção científica “Aniquilação”, de produção da Netflix? Confira aqui a crítica e atenção, contém spoiler!

Quem é o diretor de Aniquilação?

O filme de Alex Garland, novo diretor de ficção científica tendo estreado na direção com o filme Ex_Machina, é um presente visual e reflexivo ao espectador. Dispondo de mais do que o dobro de orçamento que teve em Ex_Machina, Garland insere em seu filme uma reflexão sobre o caráter das transformações por meio de uma direção de arte que é o ponto alto da película.

O filme Aniquilação

A produção gira em torno de um fenômeno, o brilho, que apossou-se de uma área costeira e expandiu-se.

Crítica: Aniquilação 1

Todos que adentraram nessa área jamais voltaram, exceto Kane (Oscar Isaac), um militar, casado com Lena (Natalie Portman), bióloga, que ao perceber que existe algo de errado com o seu marido e levá-lo ao hospital, é capturada por uma força tarefa e transportada a um campo de observação, de onde sairá acompanhada de mais quatro especialistas para examinar a causa do brilho.

A importância do visual em Aniquilação

O filme é um espetáculo visual, desde a direção de arte, ponto de destaque da produção, que constrói cenários magníficos com referência à clássicos da ficção científica, à fotografia, que utiliza de lens flare (fenômeno óptico causado pela dispersão da luz na objetiva da câmera) para firmar o fator refrativo da área coberta pelo brilho e, além de cumprir essa função, por vezes indica influência do brilho nos personagens, atravessando a cabeça para indicar a insanidade provocada pelas mutações, por exemplo, muito bem pensado.

Crítica: Aniquilação 2

As transformações são o maior ponto reflexivo do filme, já que o brilho por si só não destrói, nem constrói, apenas torna tudo diferente. Os personagens que adentram na área do brilho possuem problemas afetivos, existenciais, adentrar no brilho e sofrer mudanças é forçar-se a se adaptar, é perceber que adaptações por vezes são dolorosas, como a morte da Sheppard (Tuva Novotny), mas também podem ser tranquilas, como a transformação da Radek (Tessa Thompson) e até enlouquecedoras, como a Anya (Gina Rodriguez), mas são sempre necessárias para um bom futuro, ainda que traga resquícios que forcem a uma nova adaptação.

O que achamos do filme Aniquilação?

Aniquilação é mais um exemplo do crescimento do fator reflexivo mais profundo nos filmes de gênero e da reinvenção da própria ficção científica. Recentemente já tivemos Ex_Machina, A Chegada, Blade Runner 2049 e, agora com Aniquilação, acredito que podemos esperar mais da ficção científica no séc XXI, que ela seja muito bem vinda.

Gostou da crítica sobre aniquilação?

Aproveite para ler mais artigos da nossa sessão de crítica, a começar pela nossa crítica ao filme francês A noite devorou o mundo.