Epilepsia em gatos não costuma ser tão frequente como em cachorros, mesmo assim esta doença neurológica pode atingir os felinos.

Quando está doença se manifesta em um gato, precisamos ter certeza que o ambiente em que vivemos é seguro o suficiente para ele. Para isso é necessário entender o que é a epilepsia.

O que é a epilepsia?

A epilepsia é um sintoma causado por uma disfunção neurológica fundamental do cérebro. O sintoma mais frequente são as convulsões, no entanto as convulsões podem chegar em outras doenças.

A origem desta doença pode variar, desde problemas hereditários como um transtorno causado por uma queda ou golpe na cabeça.

Sintomas da epilepsia em gatos

Se acredita que seu felino pode estar sofrendo de epilepsia, fique de olho nos seguintes sintomas para poder determinar se realmente se trata desta doença:

epilepsia em gatos

  • convulsões espontâneas
  • dificuldade para caminhar
  • perda de equilíbrio
  • hiperventilação
  • hiperatividade
  • dificuldades para comer
  • rigidez muscular

Apesar de ter a possibilidade de um gato ter epilepsia ser menor que um cachorro, existem raças com predisposição genética a ter esta doença que se apresenta nos primeiros anos de vida.

No começo existem varias formas desta doença se manifestar, com a observação dos sintomas é necessário levar o felino ao veterinário o mais rápido possível para obter um diagnóstico exato.

Diagnostico e tratamento

Para o diagnóstico e escolha de tratamento adequada o veterinário vai considerar a idade, o peso e o tipo de epilepsia, que só pode ser descoberta com análise de sangue, urina radiografia e encefalograma.

O tratamento será escolhido de acordo com os resultados dos testes e exames efetuados pelo veterinário.

Uma opção que pode ser escolhida pelos médicos é o tratamento com drogas reguladas segundo o estado do animal.

A homeopatia também é uma possibilidade, este tipo de terapia proporciona uma estabilidade e melhor qualidade de vida, já que a doença nao tem cura, evita que o animal possa ser submetido a remédios pesados.

A terapia floral de Bach pode ser combinada com outras terapias.
Reiki é um tratamento que pode ajudar a se conectar com o ambiente e criar paz interior. É recomendado para os pets que não conseguem melhora com os outros tratamentos.

Mas antes de escolher um tratamento nao esqueça de consultar o veterinário.

Cuidados com um gato com epilepsia

Antes de qualquer decisão, precisa ser criado um ambiente seguro e cheio de pequenos mimos em casa. Minimize as situações que podem causar estresse, já que o ‘stress’ pode ser a fonte de um ataque. Um gato se bem cuidado pode chegar aos 20 anos, independente da doença.

Coloque redes de proteção nas janelas e escadas, que podem apresentar um perigo para o gato que está sem supervisão, e mantenha longe da cama, comedouro e caixa de areia qualquer objeto que possa causar machucados durante uma convulsão.

O que não fazer durante uma crise?

  • Às vezes a falta de experiência pode nos fazer agir por impulso e agravar o problema
  • não segure a cabeça do gato, isso pode causar uma fratura no pescoço
  • não tente fazer ele beber ou comer em um momento desses.
  • não tente envolver o felino em cobertores ou qualquer fonte de calor, porque isto pode causar uma asfixia.

O que fazer quando o gato tem convulsão?

Durante uma crise convulsiva, não há muito o que fazer senão esperar passar. Entretanto, alguns cuidados podem ajudar seu animal.

O que fazer com gato que tem epilepsia?

epilepsia em cães e gatos não tem cura. No entanto, existem tratamentos que tem como objetivo minimizar os danos à saúde e a qualidade de vida do animal

O que fazer para evitar convulsões?

Fique atento aos sintomas e busque ajuda profissional

Saiba mais sobre gatos aqui.