História da Cinderela, o clássico que cativou leitores em todas as épocas posteriores à sua criação, traz uma reflexão profunda, mostrando que pessoas com corações puros, podem até serem injustiçadas por um momento, mas, a maldade não pode prevalecer para sempre.

História da Cinderela – História Infantil

O conto mostra, o coração de uma princesa cheia de amor, o qual permaneceu inabalável mesmo convivendo com ódio e inveja. Ao seu tempo teve sua história mudada para o triunfo e a realeza.

Leia a história da Cinderela

Era uma vez, em um lugar bem distante daqui livre das agitações, carros, buzinas ou barulhos de fábricas, em um campo verde e florido, em meio a harmonia e encanto, nasceu uma linda menina que recebeu o nome de Cindi.

Seus pais a amavam muito, e a família se considerava a mais feliz do mundo, até que sua mãezinha contraiu uma doença incurável e desfalecia enfraquecida dia após dia.

Sabendo que não resistiria por muito tempo, aquela doce senhora, chamou a filha e lhe entregou um anel de brilhantes, dizendo-lhe que sempre que precisasse de algo muito importante, deveria olhar para o anel e fazer um pedido. Logo a mãezinha de cindi se foi deixando a linda filha e o pai solitário.

Após alguns meses, o jovem viúvo já não suportava a solidão, e a filha observando que o pai vivia muito triste, lhe disse:

– Querido pai, vejo que estás triste a cada dia, no que posso te ajudar?

-Filha, depois que sua mãe partiu a vida não foi a mesma, eu preciso de companhia, e queria que me permitisse casar novamente!

Compreendendo a dor do pai, embora ainda sentisse falta da mãe, Cindi concordou com que ele se casasse novamente.

A madrasta de Cindi

Infelizmente, sua madrasta era uma pessoa muito má! Na presença do pai de Cindi, ela tratava a garota bem, no entanto, quando ele saia para suas viagens, ela fazia com que Cindi trabalhasse pesado, enquanto suas filhas, que se chamavam Adriela e Maricéla, viviam provocando Cindi, que nada respondia.

– Mãe! Minhas roupas estão precisando ser lavadas, quem irá fazer isso por mim? (perguntava Adriela)

– Cindi sabe que isso é obrigação dela!

Assim era o dia inteiro, e se algo não dava certo a culpa era de quem? Sim!!! De Cindi! A culpa era sempre dela! Tanto se dizia Cindi e obrigação dela, que para facilitar, as maldosas lhe colocaram o apelido de “Cinderela”!

Cinderela era tratada como uma empregada e passava os dias limpando, e fazendo todos que era de interesse delas.

 

Alguns meses após o casamento, Cindi recebeu em sua casa o mensageiro, o qual trouxe a triste mensagem do falecimento de seu querido pai. Cindi agora estava perdida! Pelo menos, quando o pai estava em casa, ela tinha um pouco de atenção e carinho, contudo, quando saía, só a companhias dos ratinhos lhe restava.

O convite do Príncipe

Em um belo dia, chegou um convite para um luxuoso Baile no palácio. O lindo e jovem Príncipe Ruan, procurava entre as donzelas, uma noiva para se casar e todas as jovens do reino foram convidadas

A madrasta, muito soberba e vaidosa, logo mandou que fossem feitas roupas novas para ela e suas filhas.  E adivinha quem deveria fazer? Cinderela! Sim, a menina trabalhou dia e noite para que os vestidos delas ficassem impecáveis, porém de si, não tinha tempo para cuidar.

No dia do baile, enquanto elas se produziam, Cinderela apareceu usando um vestido que pertenceu á sua querida mãe. A madrasta e as filhas ficaram com tanta raiva de ver Cinderela tão linda, que rasgaram todo o vestido da jovem, dizendo que estava ridícula! Logo depois foram embora, deixando a pobre moça a chorar.

Apesar da madrasta e filhas tão cruéis, Cinderela sempre lembrava das palavras da sua mãe: ‘Tenha coragem e seja gentil’.

Cinderela começou a chorar. Quando de repente olhou para seu anel e o viu brilhando! Sua Fada Madrinha apareceu.

Cindi é transformada em princesa

Não chore, Cindi, eu vim te ajudar, para que você deve vá ao baile! disse ela.

Mas com que roupa irei, se já não possuo mais nada? Perguntou Cinderela.

Sua Fada Madrinha lhe balançou sua varinha de condão e fez as roupas de Cinderela se transformaram em um maravilhoso vestido.

Com sua varinha, ainda tocou em uma abóbora virou uma linda carruagem e os transformou os ratinhos em quatro cavalos e dois cocheiros

Quando a linda Cindi entrou no salão do baile, os convidados ficaram boquiabertos com tanta beleza! A Madrasta e filhas não a reconheceram, porém, invejaram a beldade que roubou a cena de todos!

O Príncipe, logo convidou Cinderela para uma valsa, e ela sorridente aceitou. Porém, havia um aviso de sua madrinha, ela não deveria passar de meia noite, pois após esse horário, todas as coisas voltariam ao normal.

Após dançar e conversar com o príncipe e encantá-lo com sua beleza, Cindi ouviu as badaladas do relógio, descendo as escadas do palácio correndo, antes que o encanto acabasse. Nessa fuga um dos seus sapatos de cristal caiu, mas Cindi não poderia voltar para buscá-lo.

O encanto acabou

Mal acabou de sair do palácio, a carruagem voltou a ser uma abóbora, os cavalos e cocheiros voltaram a ser os ratinhos de antes, e seu lindo vestido, tornou-se novamente trapos. Muito feliz e agradecida, ela voltou rapidamente para seu humilde quartinho, antes que a madrasta e suas filhas retornassem.

Quando as mulheres chegaram, só conseguiam falar sobre a linda jovem que dançou a noite inteira com o Príncipe:

– Viram a cintura dela? (perguntou Adriella)

– Claro que vi, mas a minha é mais fina!  (Respondeu Maricella) Ainda bem, que você não foi Cinderela, teria se sentido mais humilhada do que qualquer uma de nós, afinal de contas feia como é!

            Cindi, completamente calada sorria por dentro, lembrando de cada detalhe daqueles momentos maravilhosos! Enquanto isso, no palácio, o Príncipe inquieto, ordenava que se fizesse a busca por todo reino, a fim de encontrar a linda jovem que tornou sua noite maravilhosa, e havia deixado para trás, seu sapato de cristal.

O sapatinho de cristal

O Príncipe e sua comitiva, levaram o sapato de cristal, para todas as casas do reino, mas, não havia um pé com tamanha delicadeza, que se encaixasse no sapatinho

Chegando à casa de Cindi, sua Madrasta não queria que ela experimentasse o sapato, mas quando o príncipe a viu, sentiu seu coração saltar diante daquele olhar, e logo ordenou:

– “Espere! Deixe essa moça tentar!”

Como um desenho perfeito, o sapatinho encaixou-se no pé de Cinderela, deixando-a ainda mais bela!

O Príncipe finalmente, encontrou a jovem que tanto desejava!

Sua madrasta, com medo, suplicou à Cindi que não a castigasse, pelas exigências e castigos. Cindi, embora houvesse passado por grande sofrimento, possuía um coração dócil e perdoador, permitindo a madrasta, que fosse morar no palácio com suas duas filhas. Afinal de contas, pra quê vinganças?

 O Príncipe, com muita doçura, conduziu sua amada ao palácio, oficializando logo o casamento e assim, viveram felizes para sempre!

Sobre o autor da história da Cinderela

Alguns atribuem a melhor versão ao escritor francês Charles Perrault, de 1697, baseada num conto italiano popular chamado “La gatta cenerentola”. A mais antiga é originária da China, por volta de 860 a.C. Outros atribuem aos irmãos chamados Jacob e Wilhelm Grimm!

Duzentos anos atrás, eles lançaram um livro entitulado “Histórias das Crianças e do Lar” ou “Contos da Criança e do Lar”  que trazia 51 contos infantis. Essa obra se espalhou pelo mundo, ganhou outras versões e chegaram a crianças de diferentes línguas e culturas.

 A maior parte dos contos saíram das lembranças de Dorotea Viehmman, uma mulher idosa do povoado dos irmãos. Ela sabia mais de cem contos de fadas. No total, eles reuniram cerca de 200 contos, dez lendas,  600 cantigas folclóricas entre outros  ( fonte).

Exercício para fundamental l – História da Cinderela

  1. Você já conhecia a história da Cinderela? O que achou dessa versão?
  2. Qual a lição que Cindi nos dá ao perdoar a madrasta?
  3. Anote as palavras desconhecidas e busque seu significado, anotando logo à frente.
  4. Anote em seu caderno todos os adjetivos que encontrou no primeiro e segundo parágrafo da história.

Proposta de atividade/dinâmica- História da Cinderela

1.Essa super-dinâmica é para ajudar aos professores, prepararem a turminha para ouvir as histórias infantis.

  1. O professor, poderá ainda preparar uma oficina de histórias.
  2. Permita que as crianças criem seus próprios contos, e dê-lhes espaço para que leiam para os coleguinhas.

Vídeo sobre : História da Cinderela

Aqui uma nova versão dessa emocionante história infantil, que embora seja tão antiga, ainda hoje é maravilhosa de se ouvir!

Fim

Gostou da história da Cinderela?  Se desejar ler mais histórias como estas, temos diversas outras no blog, portanto, não perca tempo! Mergulhe no mundo de sabedoria, o qual pode ser encontrado, nas histórias, que embora sejam infantis, carregam um mundo de lições, das quais todos podemos aprender!

Um grande abraço, e até a próxima!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.