As plantas são de diferentes tipos e estão em diferentes lugares do planeta, e muita dessas plantas servem para uma grande quantidade de remédios, para diversas doenças. E essas plantas são estudadas todos os dias para melhorar a sua aplicação.

Sendo um dos maiores e mais biodiversos grupos de seres vivos na Terra, as plantas verdes fornecem uma parte substancial do oxigênio molecular e são a base dos alimentos da maioria dos ecossistemas, especialmente dos terrestres.

Então o demonstre veio mostrar nesse poste uma de lista recheada de 20 “plantas tropicais“, que podem ajudar as pessoas em seus problemas de saúde chegando até a curar algumas doenças que as pessoas enfrentam.

Plantas Tropicais

Clima tropical é uma zona climática localizada entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio, caracterizada por ser predominantemente quente e chuvoso. A média anual das temperaturas nas regiões de clima tropical é superior aos 20 graus Celsius. Não existem estações climáticas como ocorre nas regiões temperadas do planeta, variando apenas entre períodos de precipitações mais intensas e secas. Mas, por norma, o volume de chuva é uniforme em quase todos os meses do ano.

As plantas tropicais compreend emespécies agrupadas em 8 famílias: Cannaceae, Costaceae, Heliconiaceae, Lowiaceae, Marantaceae, Musaceae, Strelitziaceae, e Zingiberaceae. Estão presentes em toda a faixa Equatoriana , desde o sul do México até o norte da Argentina. Durante os últimos 10 anos surgiu um potencial interesse na horticultura tropical tanto para o paisagismo como para flores de corte. Este crescente mercado encontra no Brasil um fornecedor natural e privilegiado mercê de sua rica biodiversidade, amparada pelos diversos climas e solos de seus vários ecossistemas.

Grifínia – Plantas Tropicais

Também conhecido como amarílis-azul, a grifínia, é uma planta bulbosa e florífera, originária e endêmica da Mata Atlântica e ainda rara em cultivo. O habitat seriamente alterado pelo desmatamento, aliado à coleta predatória, tornam a Griffinia liboniana, uma espécie ameaçada de extinção. De folhas verdes, coriáceas, elípticas e pecioladas, diferencia-se de outras espécies de Griffinia, por ter manchas brancas salpicadas no limbo.

A flores são grandes, liláses ou azuis, e surgem em inflorescências do tipo umbela, sustentadas por longos e eretos pendões florais que se destacam acima da folhagem. Em boas condições pode florescer três vezes ao ano.

Ficha da Planta Grifínia

  • Nome Científico: Griffinia liboniana
  • Nomes Populares: Grifínia, Amarílis-azul
  • Família: Amaryllidaceae
  • Categoria: Bulbosas, Flores
  • Clima: Tropical
  • Origem: América do Sul, Brasil
  • Altura: 0.1 a 0.3 metros, 0.3 a 0.4 metros
  • Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a Grifínia

Um rara bulbosa brasileira que deveria ser mais amplamente cultivada, haja vista sua beleza e facilidade de cultivo. Apesar do crescimento moderado a lento, é uma excelente escolha para ser plantada em canteiros e maciços no jardim, preferencialmente em locais sombreados, ou mesmo em vasos e jardineiras, decorando ambientes internos com maestria. Mesmo sem flores é uma planta de folhagem vistosa e bonita.

Vídeo sobre a Grifínia:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Estrofantina – Plantas Tropicais

A estrofantinha é uma trepadeira lenhosa, escandente, semicaduca, florífera e ornamental, largamente conhecida por seus poderes tóxicos e medicinais. Nativa de diversos países do oeste da África, ela contém substâncias como a ouabaína, que dependendo da dose, pode ser um remédio para pessoas com insuficiência cardíaca, ou um poderoso veneno, aproveitado para envenenar as pontas de flechas e lanças utilizadas na caça, pelos povos africanos. De crescimento vigoroso, ela pode alcançar 25 metros de comprimento e 15 cm de diâmetro de tronco.

É ramificada, e os ramos, de cor marrom a arroxeados, são cheios de lenticelas. Suas folhas são opostas, simples, inteiras, coriáceas, glabras e de formato ovado ou elíptico a obovado. Floresce no final da primavera e início do verão, despontando inflorescências do tipo dicásio (cimeira dicotómica), com flores em forma de sino, pentâmeras, de sépalas arroxeadas e pétalas brancas ou rosadas, muito perfumadas.

Ficha da Planta Estrofantina

  • Nome Científico: Strophanthus gratus
  • Sinonímia: Roupellia grata, Roupalia grata, Strophanthus stanleyanus, Strophanthus glaber, Nerium guineense, Strophanthus chopraie, Strophanthus gratus, Strophanthus ouaboio, Strophanthus perrotii, Strophanthus stanleyanus
  • Nomes Populares: Estrofantina, Ouabaína
  • Família: Apocynaceae
  • Categoria: Arbustos Tropicais, Trepadeiras
  • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
  • Origem: África, Burkina Faso, Camarões, Costa do Marfim, Gabão, Gana, Guiné Equatorial, Libéria, Nigéria
  • Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Estrofantina

Um trepadeira vigorosa, de folhagem brilhante, ideal para cobrir pérgolas, caramanchões, cercas, treliças, arcos, entre outras estruturas. Além de servir como trepadeira, a estrofantina também pode ser conduzida como arbusto, com podas de formação, não ultrapassando assim dois ou três metros de altura. Também pode ser plantada em vasos e jardineiras. No paisagismo ela é geralmente escolhida pelo exotismo de suas flores, assim como pela delicada e intensa fragrância. Ideal para regiões de clima tropical a equatorial.

Vídeo sobre a Estrofantina:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Calibrachoa – Plantas Tropicais

A calibrachoa é uma planta herbácea e florífera, originária da América do Sul e que apesar de perene, tem uma vida breve. Ela é muito semelhante à Petúnia (Petunia x hybrida), sendo aparentada com essa outra espécie e originária do mesmo habitat.

Muitas vezes, tantas semelhanças geram confusão na sua identificação. No entanto, recentemente foi cientificamente elucidado que estas duas espécies diferenciam-se pelo número de cromossomos e mecanismos reprodutivos. O cruzamento entre as duas espécies é possível, gerando o gênero híbrido Petchoa, muito vigoroso e de flores grandes.

Ficha da Planta Calibrachoa

  • Nome Científico: Calibrachoa x hybrida
  • Sinonímia: Leptophragma, Stimomphis
  • Nomes Populares: Calibrachoa, Mini-petúnia, Mil-sinos, Falsa-petúnia
  • Família: Solanaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Flores, Flores Anuais, Flores Perenes
  • Clima: Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: América do Sul, Brasil, Chile
  • Altura: 0.1 a 0.3 metros, 0.3 a 0.4 metros, 0.4 a 0.6 metros, menos de 15 cm
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Bienal, Perene

Para que serve a planta Calibrachoa

Elas podem ser utilizadas em maciços ou bordaduras, em cultivos de cores sólidas, misturadas ou mesmo em conjuntos com outras plantas, sempre com um efeito muito vistoso e colorido. O efeito de “cascata” que produz a torna uma excelente escolha de espécie para ser admirada na altura do olhos, como no coroamento de muros e taludes por exemplo. Seu crescimento é rápido e a manutenção consiste no beliscamento dos ponteiros durante o crescimento, para adensamento da planta, além de uma poda para remoção das flores velhas no fim do verão, estimulando assim uma nova floração. Se bem manejada pode florescer da primavera ao outono.

Vídeo sobre a Calibrachoa:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Dendróbio-de-Loddigesii – Plantas Tropicais

O dendróbio-de-Loddigesii é uma orquídea oriental, caducifolia, com flores de uma beleza delicada, que contrasta com o emaranhado de pseudobulos. Ela é originária de florestas tropicais, de altitudes entre 1000 a 1500 metros, da China, Laos e Vietnam, onde vegeta como epífita ou rupícola, sempre em locais ricos em musgos e muita umidade.

Foi descrita pela primeira vez em 1887, pelo botânico e orquidólogo inglês Robert Allen Rolfe, conhecido por ser o primeiro curador do orquidário e do herbário do famoso Royal Botanic Gardens, em Kew. O nome da planta é uma homenagem a Joachim Conrad Loddiges, renomado coletor, horticultor e botânico inglês.

Ficha da Planta Dendróbio-de-Loddigesii

  • Nome Científico: Dendrobium loddigesii
  • Sinonímia: Callista loddigesii, Dendrobium pulchellum, Dendrobium seidelianum
  • Nomes Populares: Dendróbio-de-Loddigesii,
  • Família: Orchidaceae
  • Categoria: Flores, Orquídeas
  • Clima: Tropical
  • Origem: Ásia, China, Laos, Vietnã
  • Altura: 0.1 a 0.3 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Dendróbio-de-Loddigesii

Com suave perfume, e flores tão chamativas, essa orquídea é bastante desejada por colecionadores e orquidófilos. Por ser de rápido crescimento e fácil cultivo, é apropriada para jardineiros iniciantes aos mais avançados. O conjunto pendente dos pseudobulbos floridos forma verdadeiras cascatas de flores, que vão se sobrepondo nas plantas antigas, em um belíssimo conjunto. Pode ser plantada diretamente nas árvores, amarradas com ráfia ou outro material biodegradável; ou mesmo em placas e vasos, de fibra, barro ou plástico, preferencialmente próprios para orquídeas.

Vídeo sobre o Dendróbio-de-Loddigesii:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Planta-diamante – Plantas Tropicais

A planta-diamante é uma espécie suculenta, originária do México, e que chama a atenção de colecionadores por suas folhas multifacetadas, como se tivessem sido lapidadas igual uma pedra preciosa. Ela é estolonífera, e suas folhas crescem em rosetas bem densas, formadas por folhas de formato qual vai do arredondado ao cilíndrico, com ápice acuminado e com venações brancas que se unem e dão o interessante aspecto facetado

As cores e formas variam do verde claro ao acinzentado, com pontas avermelhadas, mas podem mudar de acordo com a cultivar e com as intempéries, tendendo a ser mais verdes e alongadas sob meia sombra e mais coloridas e compactas sob sol pleno, frio e estiagem. Floresce eventualmente, despontando acima da folhagem flores em forma de sino de cor amarela, laranja ou rósea.

Ficha da Planta-diamante

  • Nome Científico: Pachyphytum compactum
  • Nomes Populares: Planta-diamante, Planta-diamante, Planta-jóia, Pedra-preciosa
  • Família: Crassulaceae
  • Categoria: Cactos e Suculentas, Folhagens
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Semi-árido, Subtropical, Tropical
  • Origem: América do Norte, México
  • Altura: menos de 15 cm
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a Planta-diamante

Apresenta crescimento lento a moderado, mas vale muito à pena ter essa pequena jóia na sua coleção de suculentas. Sua textura e cores diferentes são uma excelente combinação para outras espécies, ou mesmo na formação de um denso tapete em vasos e jardineiras, adornados com pedriscos que valorizem sua folhagem.

Vídeo sobre a Planta-diamante:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Coqueiro-de-vênus – Plantas Tropicais

O coqueiro-de-vênus, apesar do nome e do aspecto, não é de fato um coqueiro. Da família Asparagaceae, ele é parente próximo de Dracenas e Aspargos. É originário do sudeste asiático, Papua Nova Guiné, Melanésia, nordeste da Austrália, além das Polinésias e outras ilhas do Oceano Índico. Por seu efeito decorativo, acabaram conquistando jardins tropicais do mundo todo, e hoje podem ser encontrados em muitas variedades além da espécie típica original.

De textura lenhosa e porte arbustivo, apresenta geralmente apenas um tronco ou poucas ramificações, e lindas folhas, muito brilhantes, coriáceas e largas, de cor verde, vermelho ou roxo, em cores sólidas ou com variegações de branco, amarelo, rosa e vermelho. A inflorescência, do tipo panícula, surge nos indivíduos adultos, em qualquer época do ano, despontando pequenas e delicadas florzinhas amarelas ou róseas, delicadamente perfumadas. Os frutos que se formam são do tipo baga, que tomam a cor vermelha quando maduras.

Ficha da Planta Coqueiro-de-vênus

  • Nome Científico: Cordyline fruticosa
  • Sinonímia: Asparagus terminalis, Convallaria fruticosa, Cordyline terminalis, Cordyline jacquinii, Dracaena terminalis, Terminalis fruticosa, Ezehlsia palma, Taetsia fruticosa, Dracaena cuprea, Dracaena amabilis, Dianella cubensis, Cordyline baptistii, Cordyline amabilis, Calodracon terminalis, Calodracon sieberi, Calodracon nobilis, Calodracon heliconiifolia, Aletris chinensis, Cordyline hedychioides
  • Nomes Populares: Coqueiro-de-vênus, Fiteira, Lírio-palma, Cordiline-verde, Cordiline, Dracena, Peregum, Peregum-roxo
  • Família: Asparagaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Folhagens, Plantas Esculturais
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: Ásia, Austrália, Nova Guiné, Oceania, Polinésia
  • Altura: 0.9 a 1.2 metros, 1.2 a 1.8 metros, 1.8 a 2.4 metros, 2.4 a 3.0 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Coqueiro-de-vênus

Uma folhagem deslumbrante e que acrescenta uma deliciosa sensação tropical ao jardim, assim podemos caracterizar o uso paisagístico do coqueiro-de-vênus. As cores vibrantes e diferentes, são perfeitas para adicionar belos contrastes o ano todo. Pode ser utilizado em densos renques e maciços, em jardins tropicais e contemporâneos. E até mesmo isolada, como um ponto focal, ou em conjunto com outras espécies. É muito frequente o uso envasada, como folhagem, adornando ambientes internos bem iluminados, como residências, escritórios e shopping centers.

Vídeo sobre o Coqueiro-de-vênus:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Solano-azul – Plantas Tropicais

O Solano-azul é uma planta arbustiva, perenifólia, bastante ramificada e de folhagem e florescimento ornamentais. Ela é nativa do Brasil, Paraguai, Argentina e Bolívia e alcança cerca de dois metros de altura e largura, com um belo formato arredondado. As folhas são ovais a elípticas, acuminadas, simples, inteiras, alternas e de cor ver-brilhante ou variegadas de branco.

No verão surgem as numerosas flores, em forma de trompete, com o centro amarelo ouro, proeminente, e pétalas fundidas, em tons de azul ou roxo, de acordo com a variedade. Elas são delicadamente perfumadas e atraem polinizadores como borboletas e beija-flores. Os frutos que se seguem são pequenas bagas globosas, cordadas na base, de cor laranja ou vermelha, atrativas para os passarinhos, mas tóxicos para seres humanos e animais domésticos.

Ficha da Planta Solano-azul

  • Nome Científico: Lycianthes rantonnetii
  • Sinonímia: Solanum rantonnetii, Solanum rantonnei, Solanum corniculatum, Solanum muticum, Solanum urbanum
  • Nomes Populares: Solano-azul, Solano-de-flor-azul, Solano, Arbusto-azul-da-batata
  • Família: Solanaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Cercas Vivas, Trepadeiras
  • Clima: Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: América do Sul, Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai
  • Altura: 1.2 a 1.8 metros, 1.8 a 2.4 metros, 2.4 a 3.0 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Solano-azul

Um arbusto gracioso, perfeito para a formação de cercas-vivas floridas, assim como topiarias e até mesmo como trepadeira. Pode ser plantado em grupos, linhas ou isolado, como destaque. Você pode conduzi-lo como arbusto informal, ou imprimir-lhe diferentes formatos, pois admite podas frequentes. A poda deve ser realizada no inverno, após a floração e não deve ser drástica, limitando-se a cerca de um terço do comprimento dos ramos. Apresenta crescimento rápido a moderado. Se lhe forem removidas os ramos da base, transforma-se em uma delicada arvoreta. Também pode ser plantado em vasos e jardineiras.

Vídeo sobre o Solano-azul:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Cipó-alho – Plantas Tropicais

O cipó-alho é uma trepadeira perenifólia, de pequeno porte, da família das Bignoniáceas, a mesma família dos Ipês. Ela apresenta florescimento ornamental, além de interessantes qualidades condimentares e medicinais. Originária da floresta amazônica, ainda é pouco conhecida no paisagismo brasileiro, sendo difundida na Índia, África do Sul, Flórida (EUA), e em outras localidades de clima tropical. Produz diversos caules desde a raiz, que se entrelaçam entre sim e no suporte, atingindo de 2 a 3 metros de comprimento.

Suas folhas são lisas, opostas, glabras, divididas em dois folíolos também opostos, elípticos a ovados, acuminados, de cor verde-clara e brilhantes, com venações bem marcadas. Quando amassadas ou cortadas, as folhas da planta liberam um odor de alho. Floresce mais de uma vez ao ano, despontando inflorescências globosas, densas, formadas por flores em forma de trompete.

Ficha da Planta Cipó-alho

  • Nome Científico: Mansoa alliacea
  • Sinonímia: Cydista aequinoctialis, Adenocalymma alliaceum, Adenocalymma pachypus, Adenocalymma sagotii, Bignonia alliacea, Pachyptera alliacea, Pseudocalymma alliaceum, Pseudocalymma pachypus, Pseudocalymma sagotti
  • Nomes Populares: Cipó-alho, Cipó-de-alho, Alho-da-mata
  • Família: Bignoniaceae
  • Categoria: Trepadeiras
  • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
  • Origem: América Central, América do Sul, Brasil, Costa Rica, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru
  • Altura: 3.6 a 4.7 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Cipó-alho

O cipó-alho tem ampla reputação como medicinal pelos povos indígenas da Amazônia. Além disso, suas folhas são comestíveis e utilizadas para condimentar diferentes preparações, conferindo sabor semelhante ao alho. O seu óleo essencial também é aproveitado como fixador de perfumes, além de repelente de insetos e morcegos. Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente.

Vídeo sobre o Cipó-alho:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

https://youtube.com/watch?v=8oHblnEaLW4

Melão-de-são-caetano – Plantas Tropicais

O melão-de-são-caetano é uma planta trepadeira, monóica e frutífera, originária da Índia e da China, e amplamente cultivada em diferentes regiões do planeta. De textura herbácea, sua ramagem é flexível, pubescente e ramificada, e fixa-se nos suportes através de gavinhas curvilíneas. As folhas são lisas, membranosas, alternas, pilosas e profundamente lobadas, subdividindo-se em três a sete lóbulos. Floresce no verão, apresentando cada planta flores amarelas, pentâmeras, masculinas e femininas separadas.

Elas surgem nas axilas das folhas, em inflorescências simples, isoladas. Após a polinização, seguem-se os frutos, semelhantes a pepinos, oblongos, de cor amarela ou laranja quando maduros, com uma casca rugosa de espinhos macios, e que se abrem em três valvas, expondo as sementes recobertas com um arilo vermelho e adocicado. As sementes são grandes e planas.

Ficha da Planta Melão-de-são-caetano

  • Nome Científico: Momordica charantia
  • Sinonímia: Cucumis argyi, Momordica chinensis, Momordica elegans, Momordica indica, Momordica operculata, Momordica sinensis, Sicyos fauriei
  • Nomes Populares: Melão-de-são-caetano, Melão-amargo, Erva-de-lavadeira, Melãozinho, Fruta-de-negro, Erva-de-São-Vicente, Fruta-de-cobra, Boizinho, Balsamina-longa, Caramelo, Erva-de-são-caetano, Fruto-negro, Melão-de-são-caetano-gigante, Meloeiro-de-são-caetano, Caramelo, Quiabeiro-de-angola
  • Família: Cucurbitaceae
  • Categoria: Frutas e Legumes, Medicinal, Plantas Hortícolas, Trepadeiras
  • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
  • Origem: Ásia, China, Índia
  • Altura: 0.3 a 0.4 metros
  • Luminosidade: Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Anual

Para que serve a planta Melão-de-são-caetano

Os frutos do melão-de-são-caetano são usualmente consumidos ainda verdes, visto que assim, apresentam menor amargor e sabor mais suave. Eles possuem polpa aquosa e crocante, e com eles pode-se fazer uma diversidade de preparações culinárias, tomando parte principalmente em saladas, conservas, cozidos, fritos, refogados e ensopados. Eles tem uma ampla reputação como medicinal em diferentes culturas.

Vídeo sobre o Melão-de-são-caetano:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Begônia-rex – Plantas Tropicais

A begônia-rex é uma planta herbácea, perenifólia e rizomatosa, nativa de bosques e vales, com altitudes entre 400 e 1.100 metros, da China, Índia e Vietnã. Ela se tornou difundida no mundo todo pelo colorido impactante de suas folhas. Os rizomas são largos e carnudos, e as folhas surgem diretamente dele, com pecíolos longos e suculentos, densamente hirsutos. As folhas são caracteristicamente assimétricas, além de serem ovadas, alternas e membranáceas, podendo ser inteiras, lobadas ou recortadas.

Elas apresentam cores muito distintas em diferentes padrões e tonalidades, de verde escuro, manchado de prata, a vermelho vinho pintalgado de rosa, passando por amarelo limão e marrom. A variedade de híbridos e cultivares é enorme. Floresce em qualquer época do ano, produzindo flores brancas ou róseas, de acordo com a variedade, de pouca importância ornamental. Os frutos que se seguem são do tipo cápsula.

Ficha da Planta Begônia-rex

  • Nome Científico: Begonia rex
  • Sinonímia: Platycentrum rex, Begonia longiciliata
  • Nomes Populares: Begônia-rex,
  • Família: Begoniaceae
  • Categoria: Folhagens
  • Clima: Equatorial, Tropical
  • Origem: Ásia, China, Índia, Vietnã
  • Altura: 0.1 a 0.3 metros, 0.3 a 0.4 metros
  • Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sombra
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Begônia-rex

Própria para o clima tropical, a begônia-rex é uma folhagem de beleza impar, que não necessita florescer para causar deslumbramento. Com suas folhas cuidadosamente desenhadas e pintadas pela natureza, podemos adicionar interesse em áreas inimaginadas do jardim, onde a luz direta do sol não alcança, como em densos bosques por exemplo. A textura e as cores da begônia-rex são próprias também para acrescentar contraste com outras espécies, ou até mesmo com diferentes variedades e cultivares da mesma. Em interiores plante a begônia-rex em belos vasos vietnamitas, adornando assim, mesas de escritório, aparadores, etc ou em jardins de inverno, fazendo às vezes de forração. Seu exotismo irá encantar os expectadores.

Vídeo sobre a Begônia-rex:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Crino-americano – Plantas Tropicais

O crino-americano é uma especie bulbosa e florífera, originária de regiões pantanosas ao sudoeste dos Estados Unidos, México e América Central. Ela cresce de bulbos calibrosos, interligados por um forte rizoma, formando assim grandes touceiras. De cada bulbo sai um conjunto de folhas largas, carnosas e longas como fitas, de cor verde escura.

Floresce ao longo do ano, mas com mais intensidade na primavera, verão e outono, despontando uma inflorescência alta, do tipo umbela, acima da folhagem, sustentada por uma forte haste. No topo da inflorescência, arranjam-se de duas a sete flores, como em um buquê. Elas são brancas a levemente rosadas, com longas e finas pétalas recurvadas e estames cor-de-rosa que dão ao conjunto a forma de uma estrela. As flores são delicadamente perfumadas e atraem beija-flores.

Ficha da Planta Crino-americano

  • Nome Científico: Crinum americanum
  • Sinonímia: Bulbine uncinata, Crinum caribaeum, Crinum ceruleum, Crinum commelyni, Crinum conicum, Crinum floridanum, Crinum herbertianum, Crinum longiflorum, Crinum roozenianum, Crinum strictum, Crinum texanum, Scadianus multiflorus
  • Nomes Populares: Crino-americano, Açucena
  • Família: Amaryllidaceae
  • Categoria: Bulbosas, Flores, Plantas Aquáticas, Plantas Palustres
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: América Central, América do Norte, Antilhas, Cuba, Estados Unidos, Jamaica
  • Altura: 0.4 a 0.6 metros, 0.6 a 0.9 metros
  • Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Crino-americano

Se plantar o crino-americano no jardim, trate de lhe oferecer bastante espaço, pois é uma planta que gosta de formar grandes maciços. É própria para aquelas regiões baixas do terreno, de difícil drenagem, e especialmente para a margem de lagos ornamentais, onde encontra seu ambiente ideal. Pode ser usada também como bordadura, de preferência em espaço delimitado para conter seu crescimento. Se adapta a diferentes condições de luminosidade, florescendo até mesmo em corredores escuros e jardins de inverno. Também pode se plantada em vasos e jardineiras.

Vídeo sobre o Crino-americano:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

https://youtube.com/watch?v=eTiT-18DRYI

Arbusto-borboleta – Plantas Tropicais

O arbusto-borboleta é uma planta florífera e ornamental, de textura lenhosa, nativa do Cabo Oriental, na África do Sul. Sua ramagem é ereta e ramificada, e ela atinge até 1,8 metros de altura se deixada crescer livremente. Apresenta aspecto arredondado, com ramos enfolhados desde à base da planta. As folhas são alternas, coriáceas, oblongas, de cor verde clara, verde escura ou cinza-azulada, lembrando as folhas da murta.

Em clima subtropical a temperado inicia sua floração na primavera, repetindo-se no outono. Já em clima quente, sua floração pode perdurar durante o ano todo. As inflorescências são o grande atrativo deste arbusto. Elas são terminais, em pequenos rácemos com flores de três pétalas, sendo duas laterais e uma central com um crista, o que dá ao conjunto a forma de uma borboleta. Podem ser róseas, roxas ou brancas, de acordo com a cultivar.

Ficha da Plantas Arbusto-borboleta

  • Nome Científico: Polygala myrtifolia
  • Nomes Populares: Arbusto-borboleta, Polígala
  • Família: Polygalaceae
  • Categoria: Arbustos, Cercas Vivas, Flores, Flores Perenes
  • Clima: Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: África, África do Sul
  • Altura: 0.6 a 0.9 metros, 0.9 a 1.2 metros, 1.2 a 1.8 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Arbusto-borboleta

No jardim, o arbusto-borboleta adiciona uma textura delicada, com um contraste interessante entre a folhagem e as flores. Não obstante, sua floração é bastante longa, tornando-a um arbusto de eleição para várias situações. Ela deve ser pensada como um arbusto informal, solto, e que pode funcionar em cercas-vivas, bordaduras, grupos, conjuntos com outras espécies e até mesmo isolada. Versátil, pode se encaixar em diferentes estilos de jardim, principalmente os de inspiração mediterrânea ou rochosos. Também pode ser plantada em vasos e jardineiras para decorar pátios, varandas, sacadas e terraços.

Vídeo sobre o Arbusto-borboleta:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Camberônia – Plantas Tropicais

A cambeirônia é uma palmeira monóica e ornamental, originária de florestas úmidas da Nova Caledônia, na Oceania. Ela apresenta estipe único, anelado e elegante, que pode atingir cerca 20 metros de altura, mas usualmente atinge de 6 a 8 metros fora de seu habitat. O palmito recoberto pelas bainhas foliares pode ser verde, rajado de branco (na variedade melancia), ou amarelo claro (em C. macrocarpa hookerii).

No entanto, o que mais chama a atenção e torna esta palmeira tão especial é a bela tonalidade vermelho vivo de sua folha jovem. Logo que desponta do topo da coroa, a folha que se ergue acima do restante apresenta esta cor vibrante por algumas semanas ou até um mês, indo gradativamente para o marrom até chegar no verde, sua cor quando madura. As folhas surgem em espiral, são pinadas e recurvadas, com até 1,5 metros de comprimento. As inflorescências surgem na base do palmito, e os frutos que se seguem são elipsóides e vermelhos quando maduros.

Ficha da Planta Camberônia

  • Nome Científico: Chambeyronia macrocarpa
  • Sinonímia: Kentiopsis macrocarpa, Cyphokentia macrocarpa, Kentia macrocarpa, Kentia rubricaulis, Kentia lindenii, Kentia lucianii, Kentiopsis lucianii, Chambeyronia hookeri
  • Nomes Populares: Camberônia, Palmeira-de-folha-vermelha, Palmeira-lança-chamas, Palmeira-melancia, Palmeira-pele-de-melancia
  • Família: Arecaceae
  • Categoria: Árvores, Palmeiras
  • Clima: Equatorial, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: Nova Caledônia, Oceania
  • Altura: 6.0 a 9.0 metros, 9.0 a 12 metros, acima de 12 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Camberônia

De crescimento moderado a lento, a cambeirônia adiciona movimento e cor ao paisagismo, compondo em pequenos bosques tropicais, juntamente com outras árvores e palmeiras. Como uma “lança flamejante”, sua folha vermelha não passa desapercebido, tornando-se o foco do jardim durante a fase de crescimento. Quando jovem é uma excelente espécie para interior, adornando pátios, varandas e ambientes internos, sempre protegida do sol forte do meio dia.

Vídeo sobre a Camberônia:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Hibisco – Plantas Tropicais

O Hibiscus moscheutos é uma espécie de porte arbustivo e florescimento ornamental, originário de planícies alagadas ao longo da costa do Oceano Atlântico, na América do Norte. Apresenta ramagem ramificada, de textura semi-herbácea e ereta. As folhas são mucilaginosas, pubescentes na página inferior e glabras, na superior. Elas podem ser inteiras ou com até três lobos, e geralmente se apresentam em formato deltóide ou cordiforme, com margens crenadas.

Floresce no verão, despontando grandes flores terminais, com diâmetro que varia de 15 a 25 cm de diâmetro, de acordo com a cultivar. Elas são pentâmeras, hermafroditas e se apresentam em uma grande variedade de cores, como branco, salmão, rosa, vermelho e vinho, em cores sólidas ou em delicados degradeés, muitas delas com o centro de cor marrom ou bordô. Os frutos são cápsulas globosas, com numerosas sementes.

Ficha da Planta Hibisco

  • Nome Científico: Hibiscus moscheutos
  • Nomes Populares: Hibisco, Rosa-malva
  • Família: Malvaceae
  • Categoria: Arbustos, Cercas Vivas, Flores, Flores Perenes, Plantas Aquáticas, Plantas Palustres
  • Clima: Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: América do Norte, Canadá, Estados Unidos
  • Altura: 0.9 a 1.2 metros, 1.2 a 1.8 metros
  • Luminosidade: Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Hibisco

No paisagismo, o Hibiscus moscheutosse presta para a formação de maciços, bordaduras ou em conjuntos. Sua estrutura arbustiva o coloca como excelente bordadura e cerca-viva baixa. É ideal para terrenos alagadiços ou em áreas palustres, em torno de fontes e laguinhos. Adapta-se muito bem a regiões litorâneas, sujeitas à maresia. Confere a tropicalidade dos hibiscos a locais mais frios também. Pode ser plantada em vasos ou jardineiras

Vídeo sobre o Hibisco:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Solandra – Plantas Tropicais

A solandra é uma trepadeira ou arbusto escandente, lenhosa, de folhagem e florescimento ornamentais, ainda rara em cultivo. Ela é nativa das américas, principalmente de regiões tropicais a tropicais de altitude do México, Caribe e América do Sul. Seus ramos são longos, como cipós, entremeados por nós, de onde surgem ramificações e raízes adventícias, que auxiliam a planta em sua fixação e absorção de nutrientes. As folhas são ovais, verde-brilhantes, com pecíolos curtos, de textura coriácea a membranácea, glabras, simples, com cerca de 10cm de comprimento.

Floresce na primavera, revelando flores grandes, solitárias, terminais, em forma de sino, de cor amarelo creme a amarelo dourado, com raios amarronzados e longos estames. As flores apresentam a corola fundida em sua base e corpo, com as pontas recurvadas. No fim do dia a à noite, a flores liberam um perfume que lembra côco e é atrativo para morcegos, seus polinizadores. Os frutos que se formam são bagas, de cor branca a amarela, com numerosas sementes pequenas.

Ficha da Planta  Solandra

  • Nome Científico: Solandra grandiflora
  • Sinonímia: Swartsia grandiflora
  • Nomes Populares: Solandra, Cálice
  • Família: Solanaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Trepadeiras
  • Clima: Equatorial, Subtropical, Tropical
  • Origem: América Central, América do Norte, América do Sul, México
  • Altura: 9.0 a 12 metros
  • Luminosidade: Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Solandra

É uma espécie que acrescenta um toque tropical e selvagem ao paisagismo, mas ainda é difícil de encontrar em viveiros. Pode ser plantada em vasos. A solandra é utilizada por shamãs e pajés em rituais indígenas mágicos na América Central e do Sul, no entanto, por ser mais reservada para magia negra e outros objetivos obscuros e secretos, pouco se sabe sobre seus usos. Possivelmente estas utilizações mágicas estejam relacionados ao tropano alcalóide, e consequente potencial alucinógeno e tóxico desta planta. Tanto maias quanto astecas a consideravam sagrada.

Vídeo sobre a Solandra:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Saia-roxa – Plantas Tropicais

A saia-roxa é uma planta arbustiva, herbácea, florífera e ornamental, conhecida por ser tão bela quanto venenosa. Ela é nativa da Ásia, mas naturalizou-se por diversos países, principalmente sob clima tropical. De ramagem ereta e ramificada, ela cresce de 0.9 até 3 metros de altura, mas tende a se espalhar mais horizontalmente do que na vertical. As folhas são ovaladas, geralmente glabras, simples, inteiras ou lobadas, alternas, de cor verde escura a ligeiramente azulada e liberam um aroma desagradável quando amassadas ou podadas.

Floresce do meio do verão até o fim do outono, despontando flores terminais, solitárias, eretas (diferentes da Saia-branca (Brugmansia suaveolens), de flores pendentes). Elas são grandes, hermafroditas e possuem forma de trombeta, podendo ter uma corola simples, dupla ou tripla e se apresentam nas cores branca, amarela, rosa, lilás ou roxo intenso, perfumadas ou não, dependendo da cultivar. Cada flor se abre por apenas um dia, e são atrativas para mariposas noturnas, suas principais polinizadoras.

Ficha da Planta Saia-roxa

  • Nome Científico: Datura metel
  • Sinonímia: Brugmansia waymannii, Datura aegyptiaca, Datura alba, Datura bojeri, Datura chlorantha, Datura cornucopia, Datura dubia, Datura fastuosa, Datura fruticosa, Datura humilis, Datura hummatu, Datura laevis, Datura muricata, Datura nanakii Pandeya, Datura nigra, Datura nilhummatu, Datura timoriensis, Stramonium datura, Stramonium fastuosum, Stramonium globosum, Stramonium infernale, Stramonium metel
  • Nomes Populares: Saia-roxa, Trombeta-roxa, Trombeta-dos-anjos, Babado-de-viúva, Zabumba-roxa, Manto-de-cristo, Anjo-da-trombeta, Trombeteira, Trompete-do-diabo, Trombeta-do-diabo, Planta-sagrada, Anágua-de-viúva
  • Família: Solanaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Flores, Flores Perenes, Plantas Daninhas, Plantas Tóxicas
  • Clima: Mediterrâneo, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: Ásia, China, Índia
  • Altura: 1.2 a 1.8 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Anual, Perene

Para que serve a planta Saia-roxa

No jardim é uma espécie rústica, de baixa manutenção e versátil. Plante a saia-roxa em canteiros bem fertilizados, em linhas simples, junto a muros, ou em composições com outras plantas de texturas e cores diferentes, produzindo assim um contraste interessante. Se lhe oferecido um suporte, como pequenas treliças por exemplo, pode ser conduzida como trepadeira, com alguns amarrios. Não é necessário remover as flores mortas, e permite ser podada, para que renove a folhagem entre um ano e outro. Plante também em vasos e jardineiras, adornando pátios e varandas, o que é muito útil sob clima temperado, já que poderá ser movida para ambientes internos no inverno rigoroso, e depois retornar na primavera.

Vídeo sobre o:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Solandra-amarela – Plantas Tropicais

A Solandra-amarela é uma arbusto escandente e trepador, florífero e nativo na América Central, América do Sul e México. É uma planta ornamental que se destaca principalmente pelas flores enormes, com formato de cálice e um belo tom de amarelo ocre. Produz longos e grossos ramos flexíveis, eretos a escandentes, lenhosos, que podem chegar a 60 metros de comprimento, com ramificações e raízes adventícias a partir dos nós. Suas folhas são elípticas, coriáceas, muito brilhantes, de cor verde escura.

Floresce esparsamente durante o ano todo, e com mais intensidade no outono e inverno ou na estação mais seca. Desponta inicialmente grande botões inflados, que parecem bexigas de ar. Logo que se abrem, as flores revelam a corola, fundida em sua base, formando assim uma taça bem aberta, com raios cor de vinho e longos estames. Nas margens, as cinco pétalas se separam e ficam recurvadas para fora. Elas são de cor amarelo creme logo que se abrem e, conforme amadurecem, vão adquirindo um forte tom ocre.

Ficha da Planta Solandra-amarela

  • Nome Científico: Solandra maxima
  • Sinonímia: Solandra hartwegii, Solandra selerae, Solandra nitida, Datura maxima
  • Nomes Populares: Solandra-amarela, Cálice-amarelo
  • Família: Solanaceae
  • Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Trepadeiras
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: América Central, América do Norte, América do Sul, México
  • Altura: 9.0 a 12 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Solandra-amarela

Não obstante a floração exuberante, a solandra-amarela também apresenta uma folhagem bastante decorativa e densa. Ela gosta de muito espaço e pode ser utilizada para coroar muros, em cercas, pórticos, treliças, entre outras estruturas, desde que sejam robustas e reforçadas, pois trata-se de uma trepadeira lenhosa e frondosa, que pode alcançar um porte grande. Use ainda em caramanchões e pérgolas com o objetivo de uma sombra fresca. Apesar de sua vocação para trepadeira, é perfeitamente possível mantê-la como arbusto.

Vídeo sobre a Solandra-amarela:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Orquídea-escova-de-mamadeira – Plantas Tropicais

A orquídea-escova-de-mamadeira é uma espécie epífita, originária de florestas úmidas e montanhosas, com 350 a 2.100 metros de altitude, da faixa equatorial que compreende o México, América Central, Venezuela e Colômbia. À primeira vista ela se destaca pelo conjunto das inflorescências, que são densas, cilíndricas, com numerosas e diminutas flores liláses. Esta característica em particular lhe rendeu nomes populares tais como “escova-de-mamadeira” e “escova-de-garrafa”.

Ela é rizomatosa, de crescimento simpodial, e forma touceiras cheias e amplas. Os pseudobulbos são longos, e tem o formato cilíndrico, achatados nas laterais e envoltos em brácteas tubulares. As folhas são lanceoladas, coriáceas, e em formato de foice. O nome do gênero Arpophyllum, vem justamente deste formato das folhas, do grego: “Arpo“, que significa foice, e “phyllum“, que quer dizer folha. A floração ocorre no fim do inverno e início da primavera, e dura cerca de 20 dias. As inflorescências são do tipo rácemo, eretas, cilíndricas, de até 40 cm, com florezinhas abrindo-se em uma espiral da base para o topo, gradativamente.

Ficha da Planta Orquídea-escova-de-mamadeira

  • Nome Científico: Arpophyllum giganteum
  • Sinonímia: Arpophylluum cardinale, Arpophyllum jamaicense, Arpophyllum medium, Arpophyllum squarrosum, Arpophyllum stenostachyum
  • Nomes Populares: Orquídea-escova-de-mamadeira, Orquídea-escova-de-garrafa, Orquídea-jacinto
  • Família: Orchidaceae
  • Categoria: Flores, Orquídeas
  • Clima: Equatorial, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: América Central, América do Norte, América do Sul, Belize, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Venezuela
  • Altura: 0.4 a 0.6 metros, 0.6 a 0.9 metros
  • Luminosidade: Luz Difusa, Meia Sombra
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a Orquídea-escova-de-mamadeira

Considera-se o nível de dificuldade de cultivo desta orquídea médio. E apesar de que inicialmente ela era bastante rara no Brasil, e tem o crescimento lento, atualmente mais e mais orquidófilos tem a incluído em suas coleções, sendo que não é difícil adquiri-la em grandes exposições e até mesmo pela internet, em sites especializados. É sem dúvida uma espécie diferente que vai trazer um brilho especial para a coleção. Indicada para orquidófilos intermediários e avançados.

Vídeo sobre a Orquídea-escova-de-mamadeira:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Rosinha-de-pedra – Plantas Tropicais

A rosinha-de-pedra, da espécie Orostachys boehmeri, é uma planta suculenta estolonífera, originária do Japão, que se caracteriza por suas delicadas rosetas de folhas arredondadas, que lembram florezinhas. Seus estolões são de cor clara, glabros, e crescem em grande número, horizontalmente, com pequenas rosetas que se formam a espaços regulares, de mais ou menos 6 centímetros, dando assim o aspecto de uma planta aberta, como um tapete rendado.

As folhas são obovadas a espatuladas, firmes, e de cor cinza, com tons de lilás ou vermelho. Elas se reúnem em rosetas globosas, mais ou menos densas, com 2,5 a 5 centímetros de diâmetro. A partir do segundo ano após o plantio, a rosinha-de-pedra floresce, geralmente no outono, em longas inflorescências, compactas e eretas, em formato de cone, que surgem do centro de cada roseta com numerosas flores de cor creme.

Ficha da Planta Rosinha-de-pedra

  • Nome Científico: Orostachys boehmeri
  • Sinonímia: Cotyledon malacophylla, Cotyledon boehmeri, Sedum boehmeri, Orostachys aggregata, Sedum aggregatum, Orostachys iwarenge, Orostachys malacophylla, Orostachys furusei, Sedum furusei, Sedum iwarenge, Orostachys vyschinii
  • Nomes Populares: Rosinha-de-pedra, Rosinha-de-pedra-pêndula, Echeveria-pêndula
  • Família: Crassulaceae
  • Categoria: Cactos e Suculentas, Folhagens
  • Clima: Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: Ásia, Japão
  • Altura: menos de 15 cm
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a planta Rosinha-de-pedra

No paisagismo e na decoração, a O. boehmeri é uma suculenta bastante versátil. Ela pode ser plantada em vasos e jardineiras, que forrados com ela ficam muito graciosos. Os estolões crescem para fora do vaso, tornando-se pendentes, com uma beleza romântica. Assim, é interessante cultivá-las em vasos e cestas suspensas também, que possam ser admirados do alto. A pequena altura e a cor cinza arroxeada incomum a tornam uma excelente escolha para composições, usada como forração e preenchimento com outras espécies, seja de suculentas, seja de cactos ou plantas próprias para jardins com pouca necessidade de água. Tais como terrários, jardins de fada, quadros de suculentas, e outras mini composições que estão tão em alta. No jardim externo, pelos mesmos motivos, presta-se como forração, adicionando uma textura delicada e cor contrastante para outras espécies.

Vídeo sobre a Rosinha-de-pedra:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

Palmeira-rabo-de-peixe – Plantas Tropicais

A palmeira-rabo-de-peixe é uma espécie ornamental, de estipe solitário ou, mais frequentemente, de múltiplos estipes. Desprovida de palmito, ela atinge cerca de 15 cm de diâmetro e touceiras bem fechadas, de até 10 metros de altura. O que mais caracteriza esse gênero de palmeiras é o formato de seus folíolos, que lembra a cauda dos peixes, o que lhe vale o nome popular. Suas folhas são bipinadas, verde claras, com cerca de 3 metros de comprimento, e folíolos triangulares, profundamente denteados.

Floresce consecutivamente, despontando a primeira inflorescência do topo da planta, a partir das axilas foliares, e cada nova inflorescência surge mais abaixo, descendo até chegar próximo ao chão. As inflorescências são do tipo panícula, com flores bissexuais de cor verde a creme. Os frutos que se seguem são globosos, e adquirem a cor vermelha e posteriormente preta, quando maduros. É uma planta monocárpica, crescendo por cerca de 15 anos ou mais, antes de florescer.

Ficha da Planta Palmeira-rabo-de-peixe

  • Nome Científico: Caryota mitis
  • Sinonímia: Caryota furfuracea, Caryota griffithii, Caryota javanica, Caryota nana, Caryota propinqua, Caryota sobolifera, Caryota speciosa, Drymophloeus zippellii, Thuessinkia speciosa
  • Nomes Populares: Palmeira-rabo-de-peixe, Cariota-de-touceira , Palmeira-rabo-de-peixe-de-touceira
  • Família: Arecaceae
  • Categoria: Árvores, Palmeiras
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Tropical
  • Origem: Ásia, Birmânia, Bornéu, China, Filipinas, Java, Malásia, Oceania, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã
  • Altura: 3.0 a 3.6 metros, 3.6 a 4.7 metros, 4.7 a 6.0 metros, 6.0 a 9.0 metros
  • Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

Para que serve a Palmeira-rabo-de-peixe

De crescimento moderado a rápido, temos aqui uma planta com porte médio e muitas funções paisagísticas. No jardim, pode ser utilizada como ponto focal ou pano de fundo, como palmeira solitária ou em touceiras, servindo também para realçar e suavizar construções. Sua impressionante e diferente folhagem é muito atraente, dando um toque tropical, exótico e sofisticado ao mesmo tempo. Por ser densamente entouceirada também presta-se como cerca-viva, com efeito não somente decorativo, mas barrando barulhos, poluição ou a visão. As plantas jovens são perfeitas como plantas envasadas, decorando ambientes internos, pátios e varandas em residências ou salas comercias, shoppings, etc. É de baixa manutenção, que consiste em adubações semestrais e na remoção da folhagem velha e danificada. Os caules mortos também devem ser removidos, mas é uma tarefa para cada 18 anos ou mais.

Vídeo sobre a Palmeira-rabo-de-peixe:

Vídeo sobre a planta, que está no youtube.

https://youtube.com/watch?v=nhTqEUrbotI

Fim do poste sobre as plantas tropicais

Então estamos chegando ao film de mais uma lista de conteúdos, e nesse poste trabalhamos com “plantas tropicais”. Assim se você achou esse poste legal, e conhece alguém que está precisando ler isso, compartilhe com elas e também se possível em suas redes sociais, para que as pessoas possam desfrutar de mais conteúdos.