4 Piores Problemas dos Filmes de Games

Eu estou de dedos cruzados pelo filme do Warcraft. É uma franquia que eu amo, é um enredo fantástico e tem o potencial pra todo um Universo Cinematográfico ao estilo Marvel. O filme do Assassin’s Creed, por outro lado, me intriga, embora eu não seja fã da franquia. Ubisoft parece ter tanta fé nele que está disposta a dar uma pausa no cronograma de lançamentos de jogos anuais. Embora eu concorde que um intervalo de tal cronograma faça bem pra série, às vezes me pergunto sobre o resultado. E se esses filmes falharem? E se forem bem-sucedidos? Será que vão se tornar os primeiros filmes de videogame celebrados por unanimidade, ou serão reduzidos à ira dos críticos do YouTube?

Então eu decidi ler sobre adaptações cinematográficas de jogos e descobrir o que os torna tão ruins. Aqui estão alguns dos poucos problemas que os filmes Warcraft e Assassin’s Creed devem evitar.

Enredo

Sim, este é um pouco óbvio. Os enredos dos jogos já evoluíram ao ponto de fazer os gamers se sentirem uma parte ativa da história. Mas em alguns casos, há jogos que nunca se preocupam com a história. Tome Fallout 4, por exemplo: algumas pessoas relatam ter dedicado centenas de horas ao jogo sem nem tocar no enredo principal. Então, se Hollywood já decidiu que era hora de fazer um filme de Fallout, quais deles seriam necessários? Se for Fallout 3, eles irão se concentrar só na história sobre encontrar um pai? Ok, mas isso significa que o personagem vai ser um herói ou anti-herói? Além disso, eles poderiam simplesmente passar por cima dos temas sobre facções e da liberdade em geral? É a multiplicidade de enredos que realmente chama os jogadores pros jogos da Bethesda. Como isso funcionaria num filme? A resposta é simples: não funcionaria.

Imersão

Poucos estúdios – como a BioWare – contratam escritores reais. Jogabilidade e gráficos têm prioridade acima da história, porque as desenvolvedoras não estão convencidas de que a história vai ser a força motriz por trás de números de vendas. As coisas legais que você pode fazer no jogo vendem mais. Isso deixa alguém da equipe – muitas vezes não um escritor treinado – pra escrever o roteiro. E até mesmo jogos que contam boas histórias – como os jogos Silent Hill – contam com o jogador imergindo num cenário e numa aventura extremamente intimista – no papel de Harry Mason ou James Sunderland. Felizmente, Warcraft e Assassin’s Creed não parecem ter este problema, pois a história sempre foi um ponto forte.

Duração

Apesar de ser adiado pra 2016, Ratchet e Clank me dá esperanças, porque realmente parece fiel ao material de origem. Eu gostaria de poder dizer o mesmo do filme DOOM de 2005, que realmente não parece relacionado com o jogo clássico nem nos minutos de ação em primeira pessoa – que termina com o protagonista destruindo um humanoide em cadeira de rodas. Note, disse humanoide, não um demônio. O filme é essencialmente uma história genérica sobre Fuzileiros Espaciais presos e lutando contra o desconhecido. O que aconteceu?

Além de desconcertantes diferenças criativas, os roteiristas têm a tarefa de adaptar um jogo de 8 a 100 horas num filme de 90 a 120 minutos. Pra fazê-lo, permanecer completamente fiel ao material de origem é uma tarefa difícil. Talvez os estúdios devessem avaliar o que torna um jogo especial e criar um filme que complemente a franquia. O desafio é fazer um filme que não seja muito esotérico pra cinéfilos gerais, mas caso feito corretamente agrade tanto o público casual quanto os jogadores.

Hollywood

Um pensamento veio a mim no início desta semana ao ler sobre o próximo filme do Capitão América: Guerra Civil: os nerds de quadrinhos, eventualmente, assumiram as rédeas em Hollywood e nos trouxeram adaptações fiéis. Cada história, não importa em qual meio ela começou, tem o potencial pra ser adaptada em qualquer outra coisa. Provavelmente, os executivos não dão a mínima pra isso e os diretores, produtores e qualquer outra pessoa envolvida na produção fique insegura com o que fazer com o material. Isso realmente me dá esperanças; videogames ainda são um meio relativamente novo e, agora que eles são uma força importante na indústria do entretenimento, talvez a próxima geração de cineastas seja composta por jogadores e saiba o que fazer com os filmes? Diabos, até as webseries de baixo orçamento do Mortal Kombat e Street Fighter foram legais. E em uma escala profissional, bem, olhe pra Detona Ralph! Claro, é uma ideia original não baseada numa franquia singular, mas as pessoas por trás do filme exploraram o melhor dos jogos clássicos.

Estes esses são apenas alguns dos problemas dos filmes de jogos. Quais são seus pensamentos sobre o assunto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTEÚDO RELACIONADO

Este é um site do grupo B20