Conteúdo ocultar
1 10 Poema para os Pais

10 Poema para os Pais

Oi pessoal, o post de hoje traz 10 “Poemas Para o Pai” selecionados especialmente para todos vocês. Espero que gostem!

Poema Para o Pai

pai-e-filho-32-300x202-1566963-6993892

Apresentação do Poema Para o Pai – Resposta a Vinicius

É um poema de Manuel Bandeira que mostra como um pai se sente em relação a certas coisas que acontecem no dia a dia de um pai.

Poema Para o Pai – Resposta a Vinicius

Poeta sou; pai, pouco; irmão, mais.
Lúcido, sim; eleito, não;
E bem triste de tantos pais
Que me enchem a imaginação.
Com que sonho? Não sei bem não.
Talvez com me bastar, feliz
– Ah, feliz como jamais fui! –
Arrancando do coração
– Arrancando pela raiz –
Este anseio infinito e vão
De possuir o que me possui.

Autor Poema Para o Pai – Manuel Bandeira – Resposta a Vinicius

Foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro. Considera-se que Bandeira faça parte da geração de 1922 da literatura moderna brasileira, sendo seu poema Os Sapos o abre-alas da Semana de Arte Moderna de 1922.

Vídeo sobre o autor:

https://youtube.com/watch?v=4hP5hnR9eBE

Apresentação do Poema Para o Pai – PARA VOCÊ PAI

É um poema que fala do dia dos pais, como sendo todo dia o dia dos pais, mostrando o amor, carinho e afeto, que tem por seu pai.

Poema Para o Pai – PARA VOCÊ PAI

Hoje é considerado dia dos pais.
Mais para mim todos os dias é seu dia.
Dia do pai trabalhador.
Dia do pai honesto.
Dia do pai feliz.
Dia do pai amoroso.
Dia do pai jogador.
Dia do pai alegre.
Dia do pai lutador.
Dia do pai que sempre busca seus objetivos.
Dia do pai conselheiro.
Dia do pai chorão.
Dia do pai gaiato.
Enfim, dia do pai que nunca me deixou na mão
Que nunca deixou me faltar nada
Por isso, meu pai que eu reconheço o seu esforço e
Nesse dia considerado seu venho aqui te agradecer
Por tudo que você fez por mim, obrigado de coração.
FELIZ DIA DOS PAIS…

Autor Poema Para o Pai – PARA VOCÊ PAI – Alyatan

É um poeta não muito conhecido, brasileiro, também cantor.

Apresentação do Poema Para o Pai – Presente de um Pai

É um poema que nos dá a entender que o pai está falando de sua filha, que mostra relações a saúde  da filha, fazendo entendeu que deu a sua a vida a filha.

Poema Para o Pai – Presente de um Pai

Filhinha do meu coração,
No momento em que lê minha carta já deverás ter 15 anos
E um coração forte batendo em seu peito.
Esta foi a promessa que me fizeram os médicos
Que te operaram.
Não podes imaginar nem remotamente
Quando lamento não estar ao seu lado.
Quando soube que morrerias,
Decidi dar-te a resposta da pergunta que fizeste
Quando tinha 7 aninhos a qual não pude responder,
Decidi dar-te o presente mais bonito
Que ninguém jamais faria por minha filha,
Te dou de presente minha vida inteira
Sem nenhuma condição, para que faça com ela
O que queiras, viva filha, te amo com todo meu coração,
Quando ela chorou todo dia e toda noite.
No dia seguinte ela foi ao cemitério
E sentou-se ao lado do túmulo de seu pai,
Chorou tanto como ninguém poderia chorar e sussurrou:
Papai agora posso compreender o quanto me amavas,
Eu também te amava ainda que nunca tenha dito,
Agora compreendo a importância de dizer te amo,
Te amo, te amo!
E quero te pedir perdão por haver guardado silêncio
Tantas vezes.
E nesse instantes as copas das árvores
Balançavam suavemente caíram
Algumas folhas e florzinhas e uma suave brisa
Roçou a face da menina que olhou para o céu
Tentou enxugar as lágrimas do seu rosto
Mas se levantou deu um sorriso sentiu o beijo de seu pai,
E naquele dia em diante saiu pelo mundo a fora,
Pra pedir a você que diga as pessoas
Eu te amo, para você que está chorando nesse momento,
Pra você que esteja emocionado,
Também possa dizer e abrir o seu coração.
Diga ao mundo que você o ama, diga a sua família,
Diga à sua esposa a seu filho a sua filha,
Diga a seus irmãos, diga dentro do seu coração
Ao seus inimigos, eu também te amo! diga à deus,
Diga a nossa senhora, diga à vida eu também te amo!…..

Autor Poema Para o Pai – Presente de um Pai – Marco Brasil

É um renomado locutor de rodeios e apresentador de televisão brasileiro. Ganhou por 5 vezes o prêmio de melhor locutor do país, nos anos de 2004, 2005, 2008, 2009 e 2010. Também apresentou programas de música sertaneja na Rede CNT, Rede Massa e RIC TV.

Vídeo sobre a Poema:

https://youtube.com/watch?v=Oy2jlTU8AxQ

Apresentação do Poema Para o Pai – [Meu Pai Dizia]

É um poema de Michel F.M. que fala de seus pais que foram jovens e hoje são idos que tem muitos ensinamentos a dá aos filhos, e precisam ser bem tratados, contando a história de um pai.

Poema Para o Pai – [Meu Pai Dizia]

Um dia foram pais carinhosos,
Hoje não são mais do que idosos.
Pelos aprendizes são mal tratados,
Vivendo uma vida de aposentados.

Em um dia foram mestres,
No outro foram fardos.
Membros de um grupo desgarrado,
Pais da evolução, filhos da perdição.

E o velho retirante se coloca a caminhar,
Na busca por um fio do passado a restaurar,
Passado em que sentiu orgulho de viver,
Viveu e assumiu paixões no entardecer,
Sem medo do escuro dominar sua clareza,
Usou toda a artimanha era o rei da esperteza,
Não detinha um centavo mais foi o mestre da nobreza.

Ouvimos os murmúrios, aprendemos os martírios,
Sentimos o perfume mergulhando sobre os lírios,
E no final da trilha te sobraram dois destinos,
Ou o asilo ou o exílio, mas eu prefiro o Sol Divino,

Um dia eu ouvi meu Pai dizer:
Só morre de verdade quem não viver,
Porque quem vive e faz por merecer,
Jamais verá o eterno anoitecer.

Um belo dia !
Meu Pai dizia…

Autor Poema Para o Pai – [Meu Pai Dizia] – Michel F.M.

Bruno Michel Ferraz Margoni cantor, compositor, poeta e sonhador. Utiliza o pseudônimo Michel F.M. para assinar suas composições. Nascido em 13 de fevereiro de 1988 na cidade de Salto interior de São Paulo, graduado em Publicidade e Propaganda. Começa a compor aos quinze anos e integra algumas bandas de rock alternativo. Idealizador do Projeto de música autoral Samaritano.

Vídeo sobre o autor:

https://youtube.com/watch?v=3WnAkEVoKto

Apresentação do Poema Para o Pai – Meu pai disse-me um dia:

É um poema que mostra conselhos do pai para um filho sobre as pessoas como elas são nos dias atuais, usando palavras comuns.

Poema Para o Pai – Meu pai disse-me um dia:

Meu pai disse-me um dia:

“- Filho… você terá três tipos de pessoa na sua vida:

Um amigo, aquela pessoa que você terá sempre em grande
estima, que sabe que poderá contar sempre;
que bastará você insinuar que está precisando de ajuda e
a ajuda está sendo dada;

Um amante, aquela pessoa que faz o seu coração pulsar;
que fará com que você flutue e
nada importará quando vocês estiverem juntos;

Uma paixão, aquela pessoa que você amará,
desejará incondicionalmente, às vezes nem lhe importando
se ela lhe quer ou não,
e talvez ela nem fique sabendo disso.

Mas, se você conseguir reunir essa três pessoas numa só
– pode ter certeza, minha filha:

– VOCÊ ENCONTROU A FELICIDADE.”

Autor Poema Para o Pai – Meu pai disse-me um dia:  – Augusto Schimanski

Foi um poeta brasileiro que fez alguns poemas, e em seus poemas falando de amor, carinho, e afeto.

Apresentação do Poema Para o Pai -Pai… Onde quer que você esteja…

Um grande poema onde o autor fala de seu pai, que morreu e ele sente falta de conviver com ele, dizendo ter amado muito seu pai, dizendo sentir muta saudade.

Poema Para o Pai – Pai… Onde quer que você esteja…

Saiba que você foi à pessoa mais forte que já conheci, foi meu super-herói e tudo que sou hoje, devo a você.
Você me ensinou a ser forte, a ser durão, e graças a Deus sou assim, nenhuma lágrima cai dos meus olhos, nos momentos difíceis permaneço firme e forte seguindo o seu exemplo, só a saudade que sinto de você tem força suficiente para me deixar em prantos…
Eu te amei muito, embora nunca tenha dito com palavras, e continuarei te amando para sempre.
Todas as decisões que tomo em minha vida, são baseadas em seus conselhos que guardo em minha memória, minha conduta sempre será inspirada no exemplo de vida que você foi para mim.
Meu grande parceiro, sempre se orgulhava de mim, prometo que não vou decepcioná-lo, continuarei seguindo em frente sendo justo e passando tudo que aprendi com você para sua netinha, minha mais nova parceira, para que juntos possamos nos orgulhar dela.
Pai, a saudade que sinto é muito forte, às vezes sonho contigo e mato um pouco da saudade com um forte abraço, já se passou mais de uma década e cada ano que passa mais vivo você fica em minha memória.
Onde quer que você esteja, saiba que você foi o melhor pai do mundo e luto para que eu consiga ser para minha filha, tão bom quanto você foi para mim, minha dedicação é para que ela sinta por mim, um amor tão forte quanto o que eu sinto por você.
Onde quer que você esteja… FELIZ DIA DOS PAIS!

Autor Poema Para o Pai – Pai… Onde quer que você esteja… – Edson Ueda

É um poeta que tem poucos poemas publicados, um deles é pai.. onde quer que você esteja… que fala da vida de seu pai.

Apresentação do Poema Para o Pai – CORAÇÃO CIVIL

O coração civil é um poema em forma de musica de Milton Nascimento, que mostra como o autor tem vontade de ver todos os pais felizes e alegres, e busca tornar realidade.

Poema Para o Pai – CORAÇÃO CIVIL

Quero a utopia, quero tudo e mais
Quero a felicidade nos olhos de um pai
Quero a alegria muita gente feliz
Quero que a justiça reine em meu país
Quero a liberdade, quero o vinho e o pão
Quero ser amizade, quero amor, prazer
Quero nossa cidade sempre ensolarada
Os meninos e o povo no poder, eu quero ver
São José da Costa Rica, coração civil
Me inspire no meu sonho de amor Brasil
Se o poeta é o que sonha o que vai ser real
Vou sonhar coisas boas que o homem faz
E esperar pelos frutos no quintal
Sem polícia, nem a milícia, nem feitiço, cadê poder ?
Viva a preguiça viva a malícia que só a gente é que sabe ter
Assim dizendo a minha utopia
Eu vou levando a vida, eu vou viver bem melhor
doido prá ver o meu sonho teimoso um dia se realizar
E Eu viver bem melhor

Autor Poema Para o Pai – CORAÇÃO CIVIL – Milton Nascimento

É um cantor e compositor brasileiro reconhecido mundialmente como um dos mais influentes e talentosos cantores e compositores da Música Popular Brasileira. Mineiro de coração, tornou-se conhecido nacionalmente, quando a canção “Travessia”, composta por ele e Fernando Brant, ocupou a segunda posição no Festival Internacional da Canção, de 1967.

Vídeo sobre a Poema:

https://youtube.com/watch?v=Li9L6tBRwkM

Apresentação do Poema Para o Pai – Meu pai

É um poema de Ivone Boechat, que conta a história de seu pai que parece que morreu, ela tenta se lembrar através de fotos, usando objetos para expressar.

Poema Para o Pai – Meu pai

Gosto de rever
A imagem forte do meu pai
Tremendo o assoalho
Ao caminhar
É doce me lembrar
Como se temia
Quando ele perdia
A abotoadura
O guarda-chuva
A chave de fenda
Hoje é lenda
A figura enigmática
A disciplina dura
A rotina sistemática
O pai não morr
Ele corre na frente
Pra levantar o segredo do véu
E guardar pra gente
O lugar mais estrelado do céu

Autor Poema Para o Pai – Meu pai – Ivone Boechat

Ivone Boechat de Oliveira é natural do Estado do Rio de Janeiro, da cidade de Bom Jesus do Itabapoana, filha de Emiliano Boechat de Oliveira e Zilma Azeredo Boechat. Professora universitária, Vice-diretora e Chefe de Departamento de Escolas de Nível Superior.

Vídeo sobre a Poema:

https://youtube.com/watch?v=cMXT_nyWGE0

Apresentação do Poema Para o Pai – As mãos do meu pai

O poema “As mão do meu pai” é um poema que o autor mostra como seu pai é trabalhador, falando da maneira como ele se esforça para dá uma vida digna aos filhos.

Poema Para o Pai – As mãos do meu pai

As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos…

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,
essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…

Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah, Como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.

E é, ainda, a vida
que transfigura das tuas mãos nodosas…
essa chama de vida — que transcende a própria vida…
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma…

Mário Quintana, in ‘Esconderijos do Tempo’

Autor Poema Para o Pai – As mãos do meu pai – Mário Quintana

Foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro. Mário Quintana fez as primeiras letras em sua cidade natal, mudando-se em 1919 para Porto Alegre, onde estudou no Colégio Militar, publicando ali suas primeiras produções literárias.

Vídeo sobre a Poema:

https://youtube.com/watch?v=_OnhCyNZI9E

Apresentação do Poema Para o Pai – Ser Pai

É um poema onde o autor fala da sua vida como pai, falando do dia de seu aniversário, e contando como é ser pai, as dificuldades e as alegrias.

Poema Para o Pai – Ser Pai

Hoje é dia de meu aniversário.
E de todas as minhas modestas dimensões humanas,
a que mais me realiza é a de ser pai.

Ser pai
é acima de tudo, não esperar recompensas.
Mas ficar feliz caso e quando cheguem.
É saber fazer o necessário por cima e por dentro da incompreensão.
É aprender a tolerância com os demais e exercitar a dura intolerância
(mas compreensão) com os próprios erros.

Ser pai
é aprender errando, a hora de falar e de calar.
É contentar-se em ser reserva, coadjuvante,
deixado para depois. Mas jamais falar no momento preciso.
É ter a coragem de ir adiante, tanto para a vida quanto para a morte.
É viver as fraquezas que depois corrigirá no filho, fazendo-se forte em
nome dele e de tudo o que terá de viver para compreender e enfrentar.

Ser pai
é aprender a ser contestado mesmo quando no auge da lucidez. É esperar.
É saber que experiência só adianta para quem a tem, e só se tem vivendo.
Portanto, é aguentar a dor de ver os filhos passarem
pelos sofrimentos necessários,
buscando protegê-los sem que percebam,
para que consigam descobrir os próprios caminhos.

Ser pai
é saber e calar. Fazer e guardar. Dizer e não insistir.
Falar e dizer. Dosar e controlar-se. Dirigir sem demonstrar.
É ver dor, sofrimento, vício, queda e tocaia, jamais transferindo aos filhos o que,
a alma, lhe corrói. Ser pai é ser bom sem ser fraco. É jamais transferir aos filhos
a quota de sua imperfeição, o seu lado fraco, desvalido e órfão.

Ser pai
é aprender a ser ultrapassado, mesmo lutando para se renovar.
É compreender sem  demonstrar, e esperar o tempo de colher,
ainda que não seja em vida.
Ser pai é aprender a sufocar a necessidade de afago e compreensão.
Mas ir às lágrimas quando chegam.

Ser pai
é saber ir-se apagando à medida em que mais nítido
se faz na personalidade do filho,
sempre como influência, jamais como imposição.
É saber ser herói na infância, exemplo na juventude
e amizade na idade adulta do filho.
É saber brincar e zangar-se. É formar sem modelar, ajudar sem cobrar,
ensinar sem o demonstrar, sofrer sem contagiar, amar sem receber.

Ser pai
é saber receber raiva, incompreensão, antagonismo, atraso mental, inveja,
projeção de  sentimentos negativos, ódios passageiros, revolta, desilusão
e a tudo responder com capacidade de prosseguir sem ofender;
de insistir sem mediação, certeza, porto, balanço, arrimo, ponte,
mão que abre a gaiola, amor que não prende, fundamento, enigma, pacificação.

Ser pai
é atingir o máximo de angústia no máximo de silêncio.
O máximo de convivência no máximo de solidão.
É, enfim, colher a vitória exatamente quando percebe que o filho
a quem ajudou a crescer já, dele, não necessita para viver.
É quem se anula na obra que realizou e sorri, sereno,
por tudo haver feito para deixar de ser importante.

Autor Poema Para o Pai – Ser Pai – Artur da Távora

Foi um advogado, jornalista, radialista, escritor, professor e político brasileiro. Era apresentador de um programa de música erudita na TV Senado. Iniciou sua vida política em 1960, no PTN, pelo estado da Guanabara. Dois anos depois, elegeu-se deputado constituinte pelo PTB. Cassado pela ditadura militar, viveu na Bolívia e no Chile entre 1964 e 1968. Tornou-se um dos fundadores do PSDB e o líder da bancada tucana na assembleia constituinte de 1988, quando defendeu alterações nas concessões de emissoras de televisão para permitir que fossem criados canais vinculados à sociedade civil.

Vídeo sobre o autor:

https://youtube.com/watch?v=1zVKxDdPznY

FIM

Gostou? Deixe sua opinião sobre esse post e sugira novas ideias de temas para abordamos aqui no Demonstre. Visite também a página do Demonstre no facebook, e o meu canal no youtube.

Bom pessoal, muito obrigado por acompanhar o post até aqui e até mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTEÚDO RELACIONADO

Demonstre Literatura

Um site que aborda Literatura

Este é um site do grupo B20