Clássicos da literatura que viraram filmes

Clássicos da literatura viram filmes frequentemente, o mundo dos cinemas e da literatura estão interligados e graças a isso temos o melhor de dois mundos a nossa disposição.

Romeu e Julieta – William Shakespeare (1591)

Uma das obras mais famosas do escritor Shakespeare, se tornou um clássico do cinema, varias readaptações foram feitas, não só na literatura e no cinema varias versões forma feitas.

Rascunho automático
Rascunho automático

Algumas seguiram o projeto original do livro e outros readaptaram o clássico em vários formados diferenciados.

Hamlet – William Shakespeare (1599)

Rascunho automático
Rascunho automático

A trágica história do príncipe dinamarquês que vinga seu pai, provavelmente é a mais explorada na história do teatro e cinema. De todas as versões feitas a mais aclamada surgiu em 1948.

Fausto – Goethe (1806)

Rascunho automático
Rascunho automático

A lenda alemã eternizada por Goethe foi uma das primeiras obras a ir pro cinema. Com som limitado e imagens precárias o filme foi feito em 1907.

Orgulho e Preconceito – Jane Austen (1813)

Antes do século 20, poucas mulheres conseguiam entrar no panteão da literatura mundial: Jane Austen é uma delas.

Rascunho automático
Rascunho automático

Uma série de romances de época voltados para o público feminino retratam a vida familiar na Inglaterra no século XIX. Em 1940, o americano Robert Leonard dirigiu a adaptação do filme “Orgulho”.

Em 2005, Joe Wright (Joe Wright) e Keira Knightley (Keira Knightley) assumiram a liderança e atualizaram o trabalho.

O Conde de Monte Cristo – Alexandre Dumas (1844)

Como Shakespeare, o francês Alexandre Dumas também é um favorito entre os roteiristas franceses, e suas aventuras incluem a família real francesa.

Rascunho automático
Rascunho automático

Em O Conde de Monte Cristo, um homem foi capturado por 20 anos, planejando vingança quando partisse.

O primeiro arranjo gravado foi em 1934 e foi adaptado por Rowland V. Lee. Em 2002, foi estrelado pelo ator Jim Caviezel dirigido por Kevin Reynolds. Uma nova versão.

Os Três Mosqueteiros – Alexandre Dumas (1844)

Rascunho automático
Rascunho automático

“Três Mosqueteiros” é o antecessor do estilo capa e espada, e é uma aventura que se torna completa da TV e do cinema.

Sua história fala sobre aventura e fidelidade com os amigos. De Fred Niblo em 1921 a Paul W.S. Anderson (Paul W.S. Anderson) em 2011.

Madame Bovary – Gustave Flaubert (1857)

A publicação do livro da Sra. Bovari foi um verdadeiro escândalo em meados do século XIX: Flaubert foi julgado por encorajar o adultério por causa desse romance. -Este tema se tornará o favorito dos cineastas no próximo século.

Rascunho automático
Rascunho automático

Em 1933, Jean Renoir e Valentine Tessier lançaram sua versão de Bovary. Isabelle Huppert também desempenhou esse papel no filme de Claude Chabrol de 1991.

Obviamente, Mia Wasikowska será a próxima atriz a interpretá-la na nova Sophie Barthes (Sophie Barthes) com lançamento previsto para 2014.

Os Miseráveis – Victor Hugo (1862)

Em 2012, os atores cuidadosamente selecionados de Tom Hooper liderados por Hugh Jackman mostraram emoções surpreendentes e fizeram vozes inesperadamente fortes.

Rascunho automático
Rascunho automático

Mas a adaptação de Os Miseráveis ​​(nem contamos a adaptação do teatro) tem uma longa história: em 1925, Henri Fescourt já contava no cinema a história do ex-condenado Jean Varjean, seguida de inúmeras versões dos anos 50 e 90, Liam Neeson (Liam Neeson), 1998.

Alice no País das Maravilhas – Lewis Carroll (1865)

Um dos personagens mais loucos da literatura mundial (não criado acidentalmente por um matemático) tem muitos rostos no cinema.

O filme mais antigo foi gravado por WW Young em 1915, mas o Walt Disney Studios recriou a história das crianças com uma animação de 1951.

Rascunho automático
Rascunho automático

Em 2010, Tim Burton assumiu o trabalho do diretor e trouxe a versão adolescente de Alice (Mia Wasikowska), dedicada à tecnologia da computação gráfica para criar sua própria aparência.

Anna Karenina – Leon Tolstói (1873)

Clássicos da literatura
Rascunho automático

O filme lançado por Joe Wright em 2012 pode ser um fiasco, mas não é apenas a história do filme.

Desde 1935, diferentes diretores tentaram mostrar os clássicos russos na tela – o primeiro é Clarence Brown, que é aristocrático, exceto Greta Garbo .

O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde (1890)

Clássicos da literatura
Rascunho automático

O homem se apaixonou por sua aparência, e a trágica história de ver seu retrato acumulando todos os defeitos ao longo dos anos tem inspirado cineastas no século passado.

A primeira adaptação data de 1910 (por Axel Strom) e 1917 (por Richard Oswald). O trabalho mais recente de Olivier Parker é de 2009.

Clássicos da literatura e outros livros aqui no site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTEÚDO RELACIONADO

Demonstre Literatura

Um site que aborda Literatura

Este é um site do grupo B20