Conteúdo ocultar
1 10 Cantigas Satíricas

10 Cantigas Satíricas

Olá pessoal hoje o demonstre traz 10 “Cantigas Satíricas” para serem trabalhadas em sala de aula, de Maneira demonstrativa e com um vasto aprendizado sobre o referido assunto, nas mais diversas situações.

Cantigas Satíricas

untitled-design-13-3-300x251-4191246-4156534

As cantigas satíricas utilizavam, como temas, os costumes clericais, a covardia, a decadência de alguns nobres, os vilãos (habitantes das vilas medievais) e o adultério das damas. De forma mais genérica, estas cantigas tinham como característica central a crítica para certa pessoa com existência real a qual consistia em alguém próximo ao trovador.

Dona Fea – Apresentação Cantiga Satíricas

É uma cantiga de maldizer de Joan Garcia De Guilhade -Trovador do Sec. XIII, que relaxa uma determinada pessoa.

Dona Fea – Letra da Cantiga Satíricas

Ai dona fea, fostes-vos queixar
que vos nunca louv’en[o] meu cantar;
mais ora quero fazer um cantar
em que vos loarei todavia;
e vedes como vos quero loar:
dona fea, velha e sandia!
Dona fea, se Deus mi perdom,
pois havedes [a]tam gram coraçom
que vos eu loe, em esta razom
vos quero já loar todavia;
e vedes qual será a loaçom:
dona fea, velha e sandia!
Dona fea, nunca vos eu loei
em meu trobar, pero muito trobei;
mais ora já um bom cantar farei
em que vos loarei todavia;
e direi-vos como vos loarei:
dona fea, velha e sandia!

Vídeo Dona Fea:

Nostro Senhor – Apresentação Cantiga Satíricas

É uma cantiga de maldizer que fala de uma pessoa que que se arrependeu depois de difamar alguém.

Nostro Senhor – Letra da Cantiga Satíricas

Maria Pérez se maenfestou
noutro dia, ca por [mui] pecador
se sentiu, e log’a Nostro Senhor
pormeteu, polo mal em que andou,
que tevess’um clérig’a seu poder,
polos pecados que lhi faz fazer
o Demo, com que x’ela sempr’andou.
Maenfestou-se ca diz que s’achou
pecador muit’, e por en rogador
foi log’a Deus, ca teve por melhor
de guardar a El ca o que a guardou;
e mentre viva, diz que quer teer
um clérigo com que se defender
possa do Demo, que sempre guardou.
E pois que bem seus pecados catou,
de sa mort’houv’ela gram pavor
e d’esmolnar houv’ela gram sabor;
e log’entom um clérigo filhou
e deu-lh’a cama em que sol jazer,
e diz que o terrá, mentre viver;
e est’afã todo por Deus filhou.
E pois que s’este preito começou
antr’eles ambos houve grand’amor
antr’ela sempr'[e] o Demo maior,
atá que se Balteira confessou;
mais, pois que vio o clérigo caer
antr’eles ambos, houv’i a perder
o Demo, des que s’ela confessou.

Vídeo Nostro Senhor:

Pero Rodrigues, da vossa mulher – Apresentação Cantiga Satíricas

Uma cantiga de maldizer que representa uma pessoa que vive em desanimo com outras pessoas, fazendo inimigos.

Pero Rodrigues, da vossa mulher – Letra da Cantiga Satíricas

Pero Rodrigues, da vossa mulher

Não acrediteis no mal que vos digam.

Tenho eu a certeza que muito vos quer.

Quem tal não disser quer fazer intriga.

Sabei que outro dia quando eu a fodia,

enquanto gozava, pelo que dizia,

muito me mostrava que era vossa amiga.

Se vos deu o céu mulher tão leal,

que vos não agaste qualquer picardia,

pois mente quem dela vos for dizer mal.

Sabei que Ihe ouvi jurar outro dia que vos estimava mais do que a ninguém;

e para mostrar quanto vos quer bem, fodendo comigo assim me dizia

Vídeo Pero Rodrigues, da vossa mulher:

Meu Nosso Senhor, ando eu molestado – Apresentação Cantiga Satíricas

Uma cantiga onde o autor fala que vive em constante desanimo e falta de amor em sua vida.

Meu Nosso Senhor, ando eu molestado – Letra da Cantiga Satíricas

Meu Nosso Senhor, ando eu molestado

com todos os vícios que me foste dar.

Sou dos putanheiros o mais porfiado;

não menos me apraz os dados jogar;

e é grande o prazer que sinto em errar por estas vielas,

do mundo apartado Se de melhor vida fora venturoso,

lograra mais preço e mais honras ter.

Mas deste foder mais me apraz o gozo;

e o destas tabernas, e o deste beber.

Já que outra virtude não posso valer,

vnlhz me viver contente e viçoso.

Se não valho nada e não alimento esperança de alguma virtude alcançar,

não quero perder este arreitamento,

tão pouco estas putas e este disputar.

Por outras fronteiras não quero eu andar,

trocando o meu viço por agastamento.

E muitos mais vícios acrescentaria,

que cúmplices são do meu desmerecer.

Nunca frequentei a tafularia, sem ali desordens,

distúrbios fazer; e, cobardemente,

ponho-me a mexer buscando agasalho entre a putaria.

Vídeo Meu Nosso Senhor, ando eu molestado:

Maria Mateu – Apresentação Cantiga Satíricas

É uma cantiga de maldizer bastante antiga, que fala de uma pessoa que adora está só, não querendo a companhia nem das pessoas mais próximas.

Maria Mateu – Letra da Cantiga Satíricas

Maria Mateu, daqui vou desertar.

De cona náo achar o mal me vem.

Aquela que a tem não ma quer dar

e alguém que ma daria não a tem.

Maria Mateu, Maria Mateu,

tão desejosa sois de cona como eu!

Quantas conas foi Deus desperdiçar

quando aqui abundou quem as não quer!

E a outros, fê-las muito desejar:

a mim e a ti, ainda que mulher.

Maria Mateu, Maria Mateu,

tão desejosa sois de cona como eu!

Vídeo Maria Mateu:

Os mesmos olhos azuis – Apresentação Cantiga Satíricas

Uma cantiga de maldizer pouco conhecida mas que retrata bastante o titulo.

Os mesmos olhos azuis  – Letra da Cantiga Satíricas

Abra-te os olhos que não querem enchergar,
condutas de maldizer que nos perseguem sem saber.
Abra-te os olhos que não querem enchergar,
as palavras vencidas que nos afundam em mentiras.
Pobre menina!
Abra-te logo os olhos que se fecham para a vida.
Abra-te logo os olhos que não enchergam a maldade se aproximar.
Pobre menina!
Abra-te os olhos; que cegos te enganam.
Abra-te os olhos; que há pessoas chegando!
Vamos menina, abra-te os olhos!
Estão chegando, cuidado!
Te farão mal, menina!
Anda, abra-te os olhos!
Não, não os abriu.
Adeus, menina!

Vídeo Os mesmos olhos azuis:

Amor é fogo que arde sem se ver – Apresentação Cantiga Satíricas

É uma cantiga amor de Luis Camões, que fal que o autor não consegue controlar o amor que sente pela pessoa amada.

Amor é fogo que arde sem se ver – Letra da Cantiga Satíricas

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Vídeo Amor é fogo que arde sem se ver:

Amor é síntese – Apresentação Cantiga Satíricas

Amor é uma cantiga de Myrtes Mathias, onde fala para uma referida pessoa que não se importe com seus defeitos.

Amor é síntese – Letra da Cantiga Satíricas

Por favor, não me analise
Não fique procurando
cada ponto fraco meu
Se ninguém resiste a uma análise
profunda, quanto mais eu !
Ciumenta, exigente, insegura, carente
toda cheia de marcas que a vida deixou :
Veja em cada exigência
um grito de carência,
um pedido de amor !

Amor, amor é síntese,
uma integração de dados:
não há que tirar nem pôr.
Não me corte em fatias,
(ninguém abraça um pedaço),
me envolva todo em seus braços
E eu serei perfeita, amor!

Vídeo Amor é síntese:

Em Lixboa sobre lo mar – Apresentação Cantiga Satíricas

Uma cantiga  de um amigo portuguesa que leva o sentimento que se sente por uma pessoa com as ondas do mar.

Em Lixboa sobre lo mar – Letra da Cantiga Satíricas

Em Lixboa sobre lo mar

barcas novas mandei lavrar,

ay mia senhor velida!

Em Lisboa sobre lo lez barcas

novas mandei fazer,

ay mia senhor velida!

Barcas novas mandei lavrar

e no mar as mandei deitar,

ay mia senhor velida!

Barcas novas mandei fazer

e no mar as mandei meter,

ay mia senhor velida!

Vídeo Em Lixboa sobre lo mar:

Cantiga de Amigo – Apresentação Cantiga Satíricas

Cantiga de amigo é uma cantiga de Amália Rodrigues, onde fala que autor não abandona o amigo.

Cantiga de Amigo – Letra da Cantiga Satíricas

Sentada na ermida de São Simeão
Cercaram-me as ondas, que grandes são!
Eu atendendo o meu amigo!
Eu atendendo o meu amigo!

Estando na ermida, frente ao altar,
Cercaram-me as ondas, grandes do mar!
Eu atendendo o meu amigo!
Eu atendendo o meu amigo!

Não tenho barqueiro nem armador
Morrerei formosa no mar maior!
Eu atendendo o meu amigo!
Eu atendendo o meu amigo!

Vídeo Cantiga de Amigo:

FIM

Bom pessoal chegamos ao fim de mais uma lista de cantigas, e hoje foi as Cantigas Satíricas, espero que tenham gostado. se gostou compartilhe nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTEÚDO RELACIONADO

Este é um site do grupo B20