Olá pessoal, o post de hojé traz Poema sujo de Ferreira Gullar. Espero que goste desse poema que pertence ao nosso projeto Poema de bom dia!

Poema sujo – Ferreira Gullar

O Poema sujo de Ferreira Gullar foi escrito em época de repressão no Brasil. Ele aborda o conflito entre o querer se expressar e o se expressar. Utilizando o corpo como elemento transgressor e uma forma de traduzir o cotidiano. O corpo ainda é considerado um conector entre o mundo e o poeta. Vamos ler Poema Sujo?

Veja este vídeo completo sobre o Escola Sem Partido e a realidade do professor. Vamos bater de frente nesta discussão e argumentar como professores, pois nós entendemos a realidade escolar!

Não deixe de se inscrever no meu canal do youtube: Vídeos diários para professores!

Temos um anunciante!!! Clique na imagem ou no link e confira o material deste anunciante que está ajudando a manter o Demonstre:

Você já parou para pensar que uma dieta real faz a diferença? Estou fazendo e me sinto bem melhor!

dieta de 21 dias demonstre

O que me impressionou neste dieta foi esse teste que mede o grau de inflamação celular, muito interessante!

Link do quiz de inflamação celular: https://goo.gl/vCPzVJ

Você conhece Froebel? Neste vídeo apresento este teórico da educação infantil, responsável pela criação dos jardins de infância como conhecemos hoje, assim como do conceito do brinquedo pedagógico.

Não deixe de se inscrever no meu canal do youtube: Vídeos diários para professores!

Confira também as entrevistas com poetas que estamos realizando no canal do Demonstre:

Não deixe de se inscrever no canal do youtube do Demonstre: Vídeos diários de poesia!

E ainda temos os vídeos de poesias, sempre maravilhosos e diários no canal do Demonstre:

Não deixe de se inscrever no canal do youtube do Demonstre: Vídeos diários de poesia!

 

Poema sujo – Ferreira Gullar

turvo turvo

a turva

mão do sopro

contra o muro

escuro

menos menos

menos que escuro

menos que mole e duro

menos que fosso e muro: menos que furo

escuro

mais que escuro:

claro

como água? como pluma?

claro mais que claro claro: coisa alguma

e tudo

(ou quase)

um bicho que o universo fabrica

e vem sonhando desde as entranhas

azul

era o gato

azul

era o galo

azul

o cavalo

azul

teu cu

tua gengiva igual a tua bocetinha

que parecia sorrir entre as folhas de

banana entre os cheiros de flor

e bosta de porco aberta como

uma boca do corpo

(não como a tua boca de palavras) como uma

entrada para

eu não sabia tu

não sabias

fazer girar a vida

com seu montão de estrelas e oceano

entrando-nos em ti

bela bela

mais que bela

mas como era o nome dela?

Não era Helena nem Vera

nem Nara nem Gabriela

nem Tereza nem Maria

Seu nome seu nome era…

Perdeu-se na carne fria

perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia

 

Confira o vídeo de Poema Sujo:

FIM do poema Poema sujo

Obrigado por ter nos acompanhado até aqui. Deixe seu comentário e suas sugestões para o Demonstre. Não deixe de seguir nosso canal de youtube.

Estaremos publicando bastante material, como entrevistas, listas e dicas para alunos e professores.

Até a próxima!

Você também pode gostar de:

Os homens ocos – T.S.Eliot

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.