Amigdalite: conheça os 4 tipos

Olá! No texto de hoje falaremos sobre a amigdalite, uma inflamação ocorrida na garganta. Boa leitura!

O que é amigdalite?

Trata-se de uma doença infecciosa que atinge as amígdalas e pode ser originada através de vírus ou bactéria. Como essa estrutura é exposta a comidas e bebidas, ela se torna suscetível a esse vírus ou bactéria que causa a doença.

amigdalite

Com o surgimento da doença, alguns sintomas podem ser percebidos, sendo os mais comuns: febre, dores de cabeça, mau hálito, dificuldade para engolir, pus nas amígdalas, aumento na região do pescoço, entre outros.

Tipos de amigdalite

A amigdalite pode se dividir em quatro tipos, sendo eles: bacteriana, viral, crônica e aguda.

Bacteriana

Nesse caso, como o próprio nome sugere, a doença é causada por bactéria. Esse tipo costuma atingir nos mais jovens e os sintomas são mais fortes, podendo também ser percebida a presença de pus na garganta.

Viral

A amigdalite causada por vírus tende a causar sintomas mais leves, se comparados com a bacteriana, podendo causar rouquidão, afta ou inflamação na gengiva.

Aguda

Esse tipo de amigdalite pode durar até três meses e sua evolução se dá de forma mais rápida. Além disso, ela pode vir acompanhada de dores de cabeça e dificuldade para engolir.

Crônica

Nesse caso a amigdalite é recorrente, podendo afetar permanentemente a região das amígdalas.

Principais sintomas

Entre os principais sintomas da amigdalite podem ser encontrados:

  • Febre (se a amigdalite for causada por bactéria, a febre tende a ser mais alta);
  • Mau hálito;
  • Dificuldade para engolir;
  • Rouquidão;
  • Pus nas amígdalas (aparecem quando a amigdalite é causada por bactéria);
  • Dores de cabeça;
  • Aumento na região do pescoço;
  • Dor nos ouvidos.

É de extrema importância procurar um médico caso alguns sinais e sintomas sejam percebidos e, assim, obter um diagnóstico e tratamento efetivos.

Fatores de risco

Apesar da amigdalite poder surgir a qualquer momento da vida, ou seja, em qualquer idade, ela é mais comum em crianças, principalmente quando originada por vírus.

No entanto, existem alguns fatores de risco que podem contribuir para o aparecimento da doença, são eles:

  • Tabagismo;
  • Tamanho das amígdalas (as amígdalas que possuem um volume maior estão mais sujeitas ao surgimento da doença);
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Ambientes fechados com ar-condicionado ou aglomerações sem ventilação.

Diagnóstico

O primeiro passo para diagnosticar a amigdalite é diferencia-la de outras doenças, pois os sintomas se assemelham muito aos sintomas originados por outros tipos de enfermidades. Além disso, é importante identificar se a amigdalite é viral ou bacteriana.

Amigdalite: conheça os 4 tipos

A avaliação clínica ocorre através da observação da região, permitindo assim a constatação da doença.

Tratamento

É importante lembrar que, ao perceber os sintomas, deve-se procurar um médico, sobretudo se os sintomas persistirem por vários dias sem perspectiva de melhora e causar dificuldades para engolir alimentos ou bebidas.

Amigdalite: conheça os 4 tipos

O tratamento é feito de maneira medicamentosa, através de antibióticos e anti-inflamatórios. Dependendo do caso também pode haver necessidade de realizar a cirurgia de retirada das amígdalas, mas são em casos mais graves e raros.

Perguntas frequentes sobre amigdalite

A amigdalite é contagiosa?

Sim, a doença pode ser passada de pessoa por pessoa, podendo ser através da saliva, tosse ou espirros.

Qual a causa da amigdalite?

A doença pode ser causada através de vírus ou bactéria, que podem acabar afetando a região das amígdalas e contribuindo para o surgimento dos sintomas.

Como saber se é viral ou bacteriana?

Apesar de alguns sintomas serem comuns nas duas formas da doença, como febre, por exemplo, existem algumas características que permitem fazer a diferenciação. No caso da doença bacteriana, a febre é mais alta e tende a ir piorando, já nos casos virais os sintomas são mais leves e a febre melhora de forma mais rápida.

Como é feito o tratamento?

Após constatar a doença e identificar se é viral ou bacteriana, o tratamento se dá de forma medicamentosa através de antibióticos e anti-inflamatórios. Em casos mais graves é realizada também a cirurgia para retirada das amígdalas.

Obrigada por acompanhar o post até aqui!

Espero ter esclarecido suas dúvidas. Fique de olho em outros textos do Blog Demonstre, separei um especialmente para você: 10 Doenças Renais.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CONTEÚDO RELACIONADO

Este é um site do grupo B20