Tuskegee 2Bexperimento 8617448Durante a Grande Depressão, em 1932, houve um sério surto de sífilis em Macon County, no Alabama e arredores. E aparentemente, o governo dos EUA estaria dando assistência médica gratuita aos meeiros afro-americanos nesta a área.

No entanto, finalmente veio à tona que os médicos deixaram 622 homens acreditarem que estavam recebendo cuidados de saúde e tratamento gratuitos – mas, na verdade, não lhes deram nenhum tratamento. Em vez disso, o objetivo do experimento Tuskegee era observar pacientes negros não tratados, uma vez que a sífilis devastava seus corpos.

Experimento Tuskegee

O Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos realizou o experimento Tuskegee de 1932 a 1972. Foi idealizado pelo oficial sênior Taliaferro Clark. Vários membros do alto escalão do Serviço de Saúde Pública estavam envolvidos e o progresso do estudo foi regularmente reportado ao governo do país e dado repetidos selos de aprovação.
Originalmente, a diretriz do estudo era observar os efeitos da sífilis não tratada em homens afro-americanos por seis a oito meses, em seguida uma fase de tratamento seria dada gratuitamente. Mas enquanto os planos estavam sendo finalizados, o experimento Tuskegee perdeu a maior parte de seu financiamento. Os desafios da Grande Depressão fizeram com que uma das empresas financiadoras desistisse do projeto.
Isso significava que os pesquisadores não podiam mais dar tratamento aos pacientes. No entanto, os médicos de Tuskegee não cancelaram o projeto – eles apenas o ajustaram. O estudo agora tinha um novo propósito: ver o que acontecia com o corpo de um homem se ele não recebesse nenhum tratamento para a sífilis até a morte.
Os pesquisadores observaram, assim, os homens que tinham sífilis até morrerem, mentindo para eles sobre a real situação.

Tratamento propositalmente retido

patient being injected 9511771

Quando o experimento Tuskegee começou, os médicos já sabiam como tratar a sífilis usando a terapia com arsênico. Mas os pesquisadores deliberadamente retiveram informações sobre o tratamento. Eles disseram aos pacientes que eles estavam sofrendo de “sangue ruim” para impedi-los de aprender sobre a sífilis por conta própria.
O experimento foi inquestionavelmente ilegal. Na década de 1940, a penicilina já era um tratamento comprovado e eficaz para a sífilis. Leis que exigiam tratamento para doenças venéreas foram introduzidas. Os pesquisadores, no entanto, ignoraram tudo isso.

40 anos de morte

Em todos os anos em que esse estudo repreensível estava ativo, ninguém o deteve. Na década de 1940, os médicos não estavam apenas negligenciando o tratamento da sífilis masculina, eles estavam ativamente impedindo-os de descobrir que havia uma cura.
“Sabemos agora, o que só poderíamos supor antes, que contribuímos para suas doenças e encurtamos suas vidas”, escreveu Oliver Wenger, diretor do Public Health Services, em um relatório. Isso não significava que ele iria parar o estudo ou dar-lhes o tratamento. Em vez disso, ele declarou: “Acho que o mínimo que podemos dizer é que temos uma alta obrigação moral para com aqueles que morreram em tornar este o melhor estudo possível”.
Em 1969, 37 anos depois do estudo, um comitê de funcionários do Serviço de Saúde Pública se reuniu para revisar seu progresso. Dos cinco homens do comitê, apenas um sentiu que deveria tratar os pacientes. Os outros quatro o ignoraram.
A ética não era um problema, decidiu o comitê, desde que eles “estabelecessem uma boa ligação com a sociedade médica local”. Enquanto todos gostassem deles, “não haveria necessidade de responder a críticas”.

Eunice Rivers

eunice 2Brivers 1752453

É difícil imaginar alguém que queira ser associado a esse experimento, quanto mais uma pessoa negra, visto que o experimento Tuskegee é considerado um ato grave de racismo. 
O principal ponto de contato dos pacientes era uma enfermeira afro-americana chamada Eunice Rivers. Seus pacientes a consideravam uma amiga de confiança, mesmo assim ela continuava mentindo.
Rivers estava plenamente consciente de que seus pacientes não estavam sendo tratados. Mas, como uma enfermeira jovem e negra, tendo um papel importante em um projeto financiado pelo governo, ela sentiu que não poderia recusar. 
“Eu estava apenas interessada. Quer dizer, eu queria entrar em tudo que eu pudesse ”, lembrou.
Ela foi a única funcionária a permanecer no experimento durante os 40 anos completos.

O experimento Tuskegee é revelado para  mundo

Demorou 40 anos para alguém quebrar o silêncio e fechar o estudo. Peter Buxtun, assistente social do Public Health Service, tentou realizar vários protestos dentro do departamento para encerrar o experimento. Quando seus superiores continuaram a ignorá-lo, ele finalmente telefonou para a imprensa.
Em 25 de julho de 1972, The Washington Star publicou a história de Buxtun e no dia seguinte ela estava na capa do The New York Times. “O governo dos EUA infringiu suas próprias leis e fez experiências com seus próprios cidadãos.” Assinaturas de todos os membros do Departamento de Saúde Pública estavam em todos os documentos.
Assim, a experiência de Tuskegee finalmente chegou ao fim. 

Desculpas?

Definitivamente nenhuma. Mesmo depois que a verdade saiu, o Serviço de Saúde Pública não se desculpou. John R. Heller Jr., chefe da Divisão de Doenças Venéreas, se queixou publicamente que o experimento de Tuskegee foi encerrado cedo demais. “Quanto mais tempo o estudo durasse, melhor seria a informação final que obteríamos”, disse.
Já Eunice Rivers disse que nenhum de seus pacientes, nem suas famílias guardaram mágoas por sua participação no estudo. 
Em 1975, três anos após o experimento de Tuskegee ter se tornado de conhecimento público, o instituto apresentou a Rivers um prêmio de mérito de ex-alunos. “Suas contribuições variadas e notáveis ​​para a profissão de enfermagem”, declararam, “refletiram em um tremendo crédito sobre o Instituto Tuskegee”.
Ao que parece, nenhum dos integrantes do experimento se arrependeu de suas atrocidades.

Resultado

Após a divulgação do estudo, o governo americano introduziu novas leis para evitar outra tragédia como essa. Essas novas leis exigiam assinaturas de consentimento informado, comunicação precisa do diagnóstico e relatórios detalhados dos resultados dos testes em todos os estudos clínicos.
Um Conselho Consultivo de Ética formou-se no final da década de 1970 para revisar questões éticas relativas à pesquisa biomédica. Esforços para encorajar os mais altos padrões éticos na pesquisa científica estão em andamento até hoje.
Em 1997, o governo dos EUA desculpou-se formalmente pelas vítimas. O presidente Bill Clinton convidou os últimos oito sobreviventes e suas famílias para a Casa Branca e pediu desculpas diretamente a eles. Ele disse aos cinco sobreviventes que compareceram: “Lamento que seu governo federal orquestrou um estudo tão claramente racista. Sua presença aqui nos mostra que você escolheu um caminho melhor do que o seu governo fez há muito tempo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *